VER-O-FATO: "Os peixes não podem sumir do rio. Do que vamos viver?", diz líder da APOVO

sábado, 6 de julho de 2019

"Os peixes não podem sumir do rio. Do que vamos viver?", diz líder da APOVO

Sem respostas para suas angústias, filiados da Apovo deixaram audiência em Baião 

“Estamos temerosos, mas atentos”, afirma o presidente da Associação das Populações Organizadas Vítimas das Obras no Rio Tocantins e Adjacências (Apovo), Ademar Ribeiro, sobre as obras na região. Ele informou que os pescadores e suas famílias já estão se organizando para que seus direitos não sejam usurpados e promete que haverá luta incessante, até mesmo na Justiça.

Ademar Ribeiro não quer que as famílias que dependem do rio Tocantins herdem os graves problemas sociais e ambientais deixados pela construção da hidrelétrica de Belo Monte para os povos do rio Xingu. “Os peixes não podem sumir do rio Tocantins com essas obras de grande impacto ambiental. Se isso acontecer, do que vamos viver?”, questiona Ribeiro.

A principal obra no rio Tocantins será a retirada das rochas e pedras que impedem a navegação. O processo, chamado de derrocamento, custará R$ 508 milhões e consiste na demolição, com explosivos, dentro da área de 100 metros de largura onde está o canal do rio. Após as explosões, escavadeiras hidráulicas irão retirar do fundo o material detonado. O trabalho deve durar dois anos e 6 meses.

Os próximos dez anos, tempo suficiente para que o Tocantins se torne navegável dentro do Pará, trazem a expectativa de um grande desenvolvimento para o estado. Com o funcionamento da hidrovia Araguaia-Tocantins, a estimativa é de que já em 2030 sejam transportadas pelo rio 30 milhões de toneladas. 

É mais uma oportunidade que o Pará não pode desperdiçar para ser não apenas coadjuvante e espectador dos bilhões de reais que passarão por suas águas, mas um dos atores principais e verdadeiro beneficiário desse progresso. 

Tomara que não a perca. E faça a coisa certa, não permitindo o massacre social dos mais pobres em nome de um desenvolvimento que se espera seja compartilhado por todos.




Nenhum comentário:

Postar um comentário