VER-O-FATO: IGARAPÉ-MIRI - Juiz revoga prisão domiciliar de ex-prefeito "Pé de Boto", acusado de liderar grupo de extermínio

segunda-feira, 1 de julho de 2019

IGARAPÉ-MIRI - Juiz revoga prisão domiciliar de ex-prefeito "Pé de Boto", acusado de liderar grupo de extermínio

Ex-prefeito Ailson Amaral: livre e sem tornozeleira 

O juiz Lauro Alexandrino dos Santos, da comarca de Igarapé-Miri, revogou hoje a prisão domiciliar e o fim da tornozeleira eletrônica no ex-prefeito do município, Ailson Santa Maria do Amaral, conhecido por "Pé de Boto" e de seu ex-secretário de governo, Ruzol Gonçalves Neto. O ex-prefeito responde judicialmente pelos crimes de homicídio qualificado consumado, tentativa de homicídio e participação em organização criminosa. 

Dezenas de pessoas foram mortas em Igarapé-Miri em execuções que, segundo o Ministério Público, tiveram "Pé de Boto" como mandante. Em campanha eleitoral para se eleger prefeito, ele prometeu "limpar" o município dos bandidos. Os crimes foram investigados pelo procurador de Justiça, Nelson Medrado. Em setembro de 2014, "Pé de Boto" foi preso com Ruzol. 

Em 2016, o ex- prefeito teve a prisão preventiva convertida em prisão domiciliar, mas no final de 2017 voltou a ser preso, acusado de ameaçar testemunhas, andar livremente pelas ruas e até grilar terras, violando o instituto da prisão domiciliar. Agora, responderá ao processo em liberdade.


Os policiais militares Sílvio André Alves de Sousa e Marcelo Matias de Jesus, também envolvidos nos crimes, que já estavam soltos e inclusive atuam em patrulhamento rodoviário, também tiveram revogada pelo juiz a obrigatoriedade do uso da tornozeleira eletrônica.

Diz o juiz Lauro dos Santos no despacho de revogação da prisão domiciliar de "Pé de Boto" e Ruzol: "há mais de um ano os acusados Ailson Santa Maria do Amaral e Ruzol Gonçalves Neto estão sob regime de prisão domiciliar, não havendo, nos autos, nenhuma informação quanto ao descumprimento das respectivas regras". E mais: " o decurso do tempo, sem relato de transgressões, aponta para a desnecessidade da medida".  



Um comentário:

  1. Kkkkkkk. .......o judiciário paraense é uma verdadeira caixa de Pandora!

    ResponderExcluir