VER-O-FATO: EVENTOS DO MPPA - Procurador Nelson Medrado comenta decisão de conselheiro nacional do CNMP

segunda-feira, 22 de julho de 2019

EVENTOS DO MPPA - Procurador Nelson Medrado comenta decisão de conselheiro nacional do CNMP

Medrado: " decisão é monocrática, cabe recurso"
O procurador de Justiça do Ministério Público do Pará, Nelson Medrado, a propósito de matéria aqui publica ontem sobre decisão de conselheiro do Conselho Nacional do Ministério Público de inocentar e mandar arquivar procedimento contra o procurador-geral do MPPA, Gilberto Martins, mandou para o Ver-o-Fato a seguinte manifestação:

"Acerca da manifestação do Procurador Geral Gilberto Valente Martins publicada no seu prestigioso blog, tenho a fazer apenas duas observações: A primeira é para informar que, diferentemente do que foi dito, a decisão proferida no Pedido de Controle Administrativo sobre os gastos no “Encontro Regional do MP em Marabá” foi dada isoladamente pelo Conselheiro Relator (monocrática), cabendo recurso para o plenário do CNMP.


- A segunda é apenas para lamentar que, apesar da tentativa dos Procuradores que assinaram o Procedimento de Controle Administrativo para que os gastos no MPPA tivessem um maior controle, a atual administração, em fato inédito no MPPA, ultrapassou o limite prudencial de gasto com pessoal e incidiu nas sanções da lei de responsabilidade fiscal, resultando na redução do horário de atendimento e de funcionamento, inclusive com a ameaça de Processo Administrativo Disciplinar àqueles servidores que permanecerem no órgão após as 14:00 horas.

As movimentações na carreira que importem em gastos também estão suspensas, o que resultará em que Comarcas fiquem sem titular, sem previsão de regularização dessa situação.

E o Procurador Geral quer cobrar indenização por danos que ele sofreu ? At.te, Nelson Medrado".



7 comentários:

  1. Parabéns dr medrado! Avante em sua luta contra os hipocritas!

    ResponderExcluir
  2. Em caso de descumprimento de normas da lei de responsabilidade fiscal o gestor deveria imediatamente ser afastado da função é punido como foi no caso da ex presidente Dilma

    ResponderExcluir
  3. Corrupção no executivo, no legislativo, no judiciário, e todos esses picaretas (ENCHENDO O BOLSO DE DINHEIRO) as custas do povo. Uma vergonha! Tá difícil a vida do brasileiro, o povo precisa se livrar desses parasitas.

    ResponderExcluir
  4. Bravo, Procurador Medrado, disse tudo, ainda cabe recurso na decisão protetora do atual chefe do MP estadual.

    ResponderExcluir
  5. O PGJ, Gilberto Martins, mesmo com a vedação da LRF, continua NOMEANDO assessores para cargos em comissão. Alô Neves e Medrado. Basta olhar o DOE e as vedações da LRF, que o Valente cai na ALEPA.

    ResponderExcluir
  6. O PGJ admitiu em nota que não sabe administrar!!! Ele disse que as limitacoes sao pq o STF decidiu uma questão em 2017. Ora ele teve dois anos para corrigir as contas, mas preferiu nomear esse ano 20 assessores em detrimento dos efetivos que agora pagam o preço.

    ResponderExcluir