VER-O-FATO: PAYSANDU - Chegou a hora de jogar pela honra, porque a paciência da torcida acabou

segunda-feira, 27 de maio de 2019

PAYSANDU - Chegou a hora de jogar pela honra, porque a paciência da torcida acabou

A fiel bicolor pede honra dentro de campo. Será pedir o impossível a esses atletas?


As faixas exibidas hoje no aeroporto de Belém e no estádio da Curuzu, após as apresentações - se é que assim se pode chamar - do atual time do Paysandu na Série C e Copa do Brasil, acenderam o sinal de alerta na diretoria do clube. 

Não dá mais para contemporizar com um elenco fraco, sem qualidade técnica e pegada dentro de campo, jogando um futebol medíocre. Além disso, mal treinado e com uma comissão técnica cujos analistas de desempenho precisam com urgência ir ao oculista, por não verem o que qualquer bicolor enxerga: um time bisonho, apático, que marca o adversário de longe.

A demissão do treinador Léo Condé não resolve nem 30% do verdadeiro problema que persegue o clube nas últimas temporadas, que é a falta de identidade da grande maioria dos jogadores com a honra e as tradições do Papão. 

Eles pensam que o Paysandu é mais um clube em suas andanças pelo resto do país. Basta ver a rodagem desses atletas. Não param em lugar nenhum. Alguns, apesar de ainda jovens, parecem ex-jogadores em atividade. Andam desligados pelo campo, como zumbis. 

Os contratados pela diretoria - quem os indica? - vieram de clubes do centro-sul do país onde não há torcida, ninguém cobra nada de ninguém, e eles, sem ambição alguma dentro de campo, tocam a bola para os lados ou dão chutões para a frente - quando não erram passes de meio metro. São espertos, porém, para no final do mês passar na tesouraria do clube e receber seus gordos salários, sem atraso. 

Atrasado e ridículo, contudo, é o futebol que produzem dentro do gramado e o resultado se revela na faixa "A paciência acabou", exibida no aeroporto, na chegada a Belém.

Se tiverem dignidade profissional- e não é possível que tenham perdido até isso - esses jogadores precisam dar uma resposta à imensa torcida bicolor já na partida contra o Internacional, que aliás não é essa coca-cola toda, apesar de ser um clube de elite, da Série A. A eliminação do colorado gaúcho da Copa do Brasil, dentro do Mangueirão, redimiria os atletas bicolores de todos os pecados.

Então, que joguem somente por suas honras, na quarta-feira à noite. Comendo grama e atuando com raça, sem esquecer do mínimo de técnica para fazer os gols da classificação. É o que lhes resta fazer para resgatar a baixa credibilidade com a maior torcida da Amazônia.

Será que é pedir o impossível? 

Não esqueçam que, para o Paysandu, o impossível não existe.

Que o diga o Boca Juniors.




Um comentário: