VER-O-FATO: MARITUBA OU AURÁ? - As trombetas do caos anunciam o que as autoridades se recusaram a ouvir

sexta-feira, 31 de maio de 2019

MARITUBA OU AURÁ? - As trombetas do caos anunciam o que as autoridades se recusaram a ouvir

Hoje, em Marituba. E as autoridades, o que fazem? Foto de Leonan Felipe 
O Ver-o-Fato, há quase quatro anos, quando surgiu na blogosfera paraense, alertou que a instalação de um lixão em Marituba, hoje pomposamente chamado pela empresa que o administra de "aterro sanitário", seria um tiro no pé e na cabeça dos moradores maritubenses, uma vez que iria provocar  graves impactos ambientais e sociais.

Quem ainda não perdeu a memória neste Estado é testemunha das inúmeras reportagens que fizemos, cobrando uma solução das autoridades. Nada, absolutamente nada, foi feito durante esses quatro anos. O problema cresceu, mudou o nome para caos, a população fez inúmeras passeatas, denunciando estar envenenada e estressada, mas ainda assim ninguém se tocou.

Chegamos a desafiar as autoridades para que se colocassem no lugar dos milhares de moradores de Marituba e Ananindeua e fossem morar nesse dois municípios, ao menos por uma semana, para sentirem nas narinas, na pele, nos pulmões, o que é padecer no inferno de suportar os crimes praticados pela empresa dona do lixão. Ninguém topou o desafio. Lógico: fedor no nariz dos outros é refresco.

O Estado, os prefeitos de Belém, Ananindeua e Marituba, numa aliança perversa contra mais de 2,5 milhões de habitantes, empurraram o problema com a barriga, ao mesmo tempo em que a Revita, Guamá Tratamentos, Vega e demais empresas do Grupo Solvi, navegavam num mar de impunidade, até que o Ministério Público, depois do fracasso de seus termos de ajuste de conduta (TACs) obteve provas em interceptações telefônicas, pediu e a justiça decretou as prisões de diretores do grupo. 

Eles saíram da cadeia, três meses depois, mas nem isso fez com que a qualidade do serviço melhorasse. O fedor continuava, como continua, a matar aos poucos idosos e crianças. Isto sem falar na poluição de igarapés e nascentes de rios, além de poços artesianos, pelo infernal chorume, um coquetel de substâncias químicas que, hoje armazenado, daria para encher 80 piscinas olímpicas.

Localizado em área de preservação ambiental - portanto, nem deveria estar naquele local, a não ser pela negligência dolosa de quem possui competência legal para impedir tamanho crime -, o lixão exauriu a paciência e a saúde de todos. E chegamos batendo no fundo do poço.

Passeata realizada nesta manhã do dia 31, levou os moradores à decisão de impedir que os caminhões de lixo entrem no local para despejar os rejeitos, enquanto o prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho anuncia o que se pensava inimaginável: a ressurreição do Lixão do Aurá, cuja vida útil de 30 anos já curtia cova profunda.

Pois é este morto-vivo que deve receber o lixo de toda a região metropolitana até que se encontre um local adequado. Houve tempo suficiente para que um outro local fosse encontrado. Como sempre, ninguém agiu pensando no bem estar da população.

O pior - e nem precisa desenhar - ainda virá. Estudiosos de universidades paraenses preveem dias de tormento para todos, com lixo acumulado nas ruas e na porta das residências, porque o Aurá não reúne condições para suportar a carga de no mínimo 2,8 mil toneladas diárias de rejeitos.

As trombetas de mais uma tragédia anunciada já espalham seus sons estridentes. E os músicos que tocam tais instrumentos são os mesmos que poderiam evitar a catástrofe. Agora, devem estourar  nossos tímpanos. Como já estouraram as narinas e a vida dos moradores de Marituba.

Quando é que o Pará vai superar a vanguarda - ambiental e social - do atraso? 

Alguns arquivos do Ver-o-Fato sobre o assunto: 

Confira aqui http://www.ver-o-fato.com.br/2016/04/lixao-da-revita-em-marituba-envenena.html e também aqui http://www.ver-o-fato.com.br/2017/12/revita-guama-diz-que-seu-aterro-e-um.html  um pouco mais aqui http://www.ver-o-fato.com.br/2019/03/marituba-um-lixao-criminoso-e-uma.html, novamente aqui http://www.ver-o-fato.com.br/2017/12/exclusivo-justica-prende-3-diretores.html, ainda aqui http://www.ver-o-fato.com.br/2018/01/exclusivo-justica-manda-soltar-dois.html e mais aqui http://www.ver-o-fato.com.br/2017/12/exclusivo-o-fracasso-dos-diretores-do.html




Um comentário:

  1. Qual o motivo do ministério público na época do licenciamento desse lixão de Marituba, não ter obrigada as prefeituras de terem um plano de contingência, caso o lixão fosse desinstalado antes do prazo?
    Então vejo omissão do ministério público e crimes ambientais praticados pelos prefeitos zenada, pioneiro e Mário Filho, além de também ser responsabilizado o ex governador Tucanalha corrupto Jateve e seu secretário de meio ambiente Luíz Fernandes.

    ResponderExcluir