VER-O-FATO: ASSINE ESSA CAMPANHA - Os cegos precisam do valor em braile nas cédulas de papel no Brasil

domingo, 19 de maio de 2019

ASSINE ESSA CAMPANHA - Os cegos precisam do valor em braile nas cédulas de papel no Brasil

As cédulas de papel não possuem o valor em braile. Isso precisa mudar, com urgência


O Ver-o-Fato decidiu aderir a uma campanha iniciada nas redes sociais por José Eduardo Barbosa, de Cuiabá (MT). Ela pretende fazer com que a Casa da Moeda imprima o valor em braile nas cédulas de papel, o que não ocorre em nosso país. Isso facilitaria o manuseio e a identificação pelos cegos, de nascença ou não. Veja no final da matéria o link para assinar a campanha.


Existe um Projeto de Lei (10565/18) em discussão para alterar a lei 4.510 e garantir que a Casa da Moeda faça isso, mas não há qualquer pressão sobre os deputados federais para que o projeto ande, seja votado e vire lei. "Precisamos pressionar a aprovação para garantir esse direito aos cegos", diz José Eduardo Barbosa ao lançar a campanha, que já conta de com mais de 11 mil assinaturas. 



Pouco para a enorme importância da proposta, sobretudo para quem tanto necessita que seu direito à inclusão seja reconhecido também na identificação no valor do dinheiro que manuseia diariamente.    

As notas de real possuem marcas em relevo e possuem tamanhos diferentes, porém, ao longo de seu uso, muitas notas ficam desgastadas, rasgam e dificultam a identificação correta do valor para os deficientes visuais.

"Isso faz com que muitos percam sua autonomia e fiquem dependentes de outras pessoas até para fazer uma simples compra, fora que precisam confiar totalmente em terceiros, que podem agir de má fé e cobrar valores errados", acrescenta José Barbosa.

Vamos lutar para garantir esse direito à comunidade cega e promover cada vez mais a inclusão no Brasil. O artigo 1º da Declaração Universal dos Direitos Humanos, diz:

“Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotadas de razão e consciência e devem agir em relação umas às outras com espírito de fraternidade.”

Assine e compartilhe, é uma mudança simples que vai ajudar e muito o dia a dia dos cegos brasileiros.

Números

De acordo com o Conselho Brasileiro de Oftalmologia, existem cerca de 1,2 milhões de cegos no Brasil. Segundo dados do IBGE , o total de pessoas no país com alguma deficiência visual ultrapassa 6,5 milhões. 

São pessoas que possuem baixa visão ou visão subnormal (grande e permanente dificuldade de enxergar).

Copie o link abaixo e assine. E peça para que seus amigos também assinem.

https://www.change.org/p/os-cegos-precisam-do-valor-em-braile-nas-c%C3%A9dulas-de-papel-no-brasil


2 comentários:

  1. Prezado Carlos
    Li com interesse esta postagem. A idéia, ainda que tenha as melhores intenções, não é viável. As notas brasileiras têm um relevo diferenciador, mas o mesmo desaparece após poucas manipulações. Infelizmente, pelo que li tempos passados, a nota em braile também teria o mesmo problema. Após pequeno tempo de manuseio, o braile desapareceria. Na Europa adotaram uma solução mais simples, com tamanhos diferentes para o Euro. Quanto maior o valor, maior a nota. Portadores de deficiencia visual, que ainda não estão acostumados com os tamanhos, podem ter acesso a um gabarito, onde a nota é colocada, e o deficiente ali pode ler em braile qual o valor da nota. Com o tempo, se acostumam com o tamanho e não é mais necessário o uso do gabarito.
    Em princípio, o que sei é que o Canadá é que possui a melhor solução, com as notas recebendo uma tinta invísivel , diferente para cada valor, e os deficientes recebem um aparelhinho que, por magnetismo da tinta emite um sinal para cada valor.
    Assim, louvando a iniciativa do Sr. José Eduardo Barbosa, registro a necessidade de que sejam verificadas alternativas ao braile. Acredito que a Fundação Dorina Nowill, que tem um belo trabalho na área, poderá contribuir nesse debate.
    Abraços
    Kenneth Fleming

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Kenneth por suas observações. Elas são pertinentes e enriquecem a informação que divulgamos, relevando dados que talvez interessem aos autores da campanha.

    ResponderExcluir