VER-O-FATO: URGENTE - por 2 votos a 1, turma do TJ do Pará anula todo o processo contra ex- deputado Luiz Sefer, condenado por estupro de menor; MP vai recorrer

quinta-feira, 25 de abril de 2019

URGENTE - por 2 votos a 1, turma do TJ do Pará anula todo o processo contra ex- deputado Luiz Sefer, condenado por estupro de menor; MP vai recorrer

Num julgamento em que, ao final, houve bate-boca entre os desembargadores Leonam da Cruz Junior e Mairton Carneiro - Leonam chegou a "exigir respeito" de Mairton -, a Terceira Turma de Direito Penal do Tribunal de Justiça do Pará, por 2 votos a 1 decidiu tornar nulo todo o processo no qual o ex-deputado Luiz Sefer foi condenado a 21 anos de prisão por estupro de uma menina de 9 anos. Os votos de Mairton e da desembargadora Maria Edwiges Lobato deram a vitória a Sefer, enquanto Leonam votou contra o recurso da defesa. 

A revisão da pena de 21 anos e a multa de R$ 120 mil, que estavam na pauta, sequer foram julgadas. No começo da sessão desta manhã, o desembargador Mairton Carneiro informou que havia um "incidente processual", no caso um agravo regimental transformado em agravo interno, provocado pelo advogado Roberto Lauria, defensor de Sefer.  O agravo tinha preferência sobre os outros dois temas, porque determinaria o rumo do caso. E que agravo era esse? 



Segundo recurso de Lauria, todo o inquérito policial instaurado para apurar o caso de estupro contra a menina seria nulo, porque a autorização para a abertura de tal inquérito teria de ser dada pelo Tribunal de Justiça do Estado em razão de Sefer ostentar na ocasião o foro privilegiado por sua condição de deputado estadual. 


A procuradora do MP, Ubiragilda Pimentel, usou da palavra e repeliu a tese da defesa, lembrando que já havia se passado oito anos da condenação e só agora o advogado de Sefer estava atravessando uma petição querendo tornar nulo o inquérito policial. Ela lembrou que "acertadamente" o desembargador Raimundo Holanda havia indeferido a pretensão do advogado, considerando-a "extemporânea e incabível" a autorização do Tribunal de Justiça  para a lavratura do inquérito policial contra Sefer. "Foro privilegiado é para julgamento e não para a fase de investigação", afirmou a promotora.

Roberto Lauria, ao defender sua tese, que ele chamou de "inédita", inicialmente reconheceu que oito anos atrás ainda não atuava na causa do ex-deputado. Portanto, não poderia tê-la arguido, o que o fazia agora por entender que o recurso "é matéria de ordem pública". Disse que não estava preocupado se sua petição seria ou não desentranhada dos autos. 

"O pedido guarda harmonia com a decisão do STJ", argumentou o advogado, acrescentando que a petição poderia " ser julgada até de ofício". E mais: sua tese, repetiu, por ser "inédita", não de mérito, mas de ordem pública, obrigava o Tribunal a lhe dar uma resposta. No final de sua oratória, Lauria ressaltou que o próprio desembargador Mairton Carneiro já havia "detectado uma prescrição nos autos", acolhendo a tese de nulidade do inquérito policial por não ter autorização do TJ.

Não deu outra. Mairton Carneiro começou sua explanação indo direto no assunto, ou seja, derrubando o inquérito policial. Disse que defendia a nulidade absoluta do processo. Num longo voto, dando razão ao advogado do ex-deputado, o desembargador, sempre seguindo o entendimento de que o processo não tinha qualquer validade, afirmou que tudo deveria "voltar ao juiz natural". Disse que a falta de autorização do TJ "contaminou todo o inquérito". 

Quer dizer, a denúncia do Ministério Público também de nada valia. Houve "usurpação de competência" do TJ, que segundo o desembargador deveria ter autorizado o inquérito. Em vista disso, todas as provas contra Sefer seriam nulas. "O presente recurso de agravo regimental, em sede de agravo interno, merece ser acolhido", resumiu Carneiro. Votou para que o processo volte ao juízo de origem para que tudo comece do zero.

O revisor do caso, Leonam da Cruz Junior, discordou de Carneiro, afirmando não ter visto no recurso qualquer prejuízo à defesa de Sefer na coleta de provas. Lembrou, a respeito disso, voto da ministra do STF, Carmem Lúcia. "Vejo o pedido de nulidade como natimorto", disse Leonam. Segundo ele, discordando de Carneiro, o Código Penal, que é de 1941, não mudou até hoje, quando fala sobre a instauração do inquérito policial. 

Para Leonam, não se pode acatar a nulidade de toda a investigação, porque não há como sustentar argumentação nesse sentido. "Não pelo decurso do tempo, porque não encontro respaldo legal. Conheço do agravo interno em que foi transformado o agravo regimental, mas não lhe dou provimento". Por fim, disse que não é necessário a autorização do tribunal para colher depoimentos.

Sem justificar ou apresentar qualquer argumentação em seu voto , a desembargadora Maria Edwiges Lobato concordou integralmente com as argumentações do relator, Mairton Carneiro, que já havia incorporado a tese apresentada pelo advogado Roberto Lauria, votando pela nulidade absoluta de todas as provas colhidas no inquérito policial e, por conseguinte, do processo que redundou na condenação a 21 anos de prisão em regime fechado de Luiz Sefer. 

Ubiragilda Pimentel, anunciou que irá recorrer contra a decisão da Terceira Turma Penal, que por 2 votos a 1 aceitou os argumentos da defesa.

    


8 comentários:

  1. A Justi$$a nesse país é mais igual para uns do que para outros. Vergonha!

    ResponderExcluir
  2. Novidade. Será que alguém em sua $ã consciência acreditava em outro de$fecho? Esse assunto de pedofilia no Estado do Pará não passa di$$o. Até os mortos sabem que tem ex-prefeito de vários interiores, tem um ex-deputado estadual e até conselheiro de um tribunal de contas que respondeu por isso nada pegou por "engavetamento".

    ResponderExcluir
  3. Esse caso já foi julgado no STJ que confirmou a sentença condenatória

    ResponderExcluir
  4. Já estava escrito nas estrelas. Os Desembargadores do Pará,"doutos em demasia",sempre cumprem o que prometem!

    ResponderExcluir
  5. Sobre os dois desembargadores, há na internet histórias interessantes a seus respeitos.
    O dr. Mairton teve protocolado contra ele uma representação no CNJ, devido uma inobservância nos autos em um caso de homicídio ocorrido em Paragominas, em 2017.
    Já a dra. Edwiges Lobato libertou um assaltante, em 2009, cujo advogado era Lauro de Miranda Lobato, seu irmão, indo ela mesma apanhar os autos, levá-los para casa e no dia seguinte providenciar a soltura do assaltante.

    ResponderExcluir
  6. Henrique de Miranda Sandres Neto26 de abril de 2019 08:49

    Foi um prazer participar do linha de tiro ontem 25/04 foi nos possibilitado informar o que esta acontecendo na indústria da construção civil no Pará obrigado ao jornalista Carlos Mendes

    ResponderExcluir
  7. Qualquer nulidade no inquérito não tem o condão de atingir o processo. O inquérito é dispensável. Os argumentos utilizados são absurdos do ponto de vista doutrinário e jurisprudencial. Era para ser um escândalo nacional. Qualquer aluno do terceiro semestre de direito sabe disso.

    ResponderExcluir
  8. Henrique de Miranda Sandres neto27 de abril de 2019 06:43

    Comentei ontem esse absurdo jurídico aguardo a publicação de meu comentario

    ResponderExcluir