VER-O-FATO: Pró-Saúde diz em nota que seu gestor condenado por irregularidades não faz mais parte dela

sexta-feira, 5 de abril de 2019

Pró-Saúde diz em nota que seu gestor condenado por irregularidades não faz mais parte dela

Em nota enviada ao Ver-o-Fato, a Pró-Saúde oferece explicações sobre a matéria ontem publicada neste site sob o título " Conluio montado em contratos bilionários no Pará desviou dinheiro público no esquema Pró-Saúde". Ela diz que a condenação citada na matéria "recai sobre a pessoa física de um antigo gestor que não faz mais parte do quadro da entidade desde 2013". E salienta que, ao contrário do que induz a notícia, "a Pró-Saúde não terá de devolver recursos". Veja a nota da íntegra:


"NOTA

A Pró-Saúde lamenta os equívocos e a forma distorcida das informações publicadas pelo Ver-o-Fato sobre uma suposta condenação contra a entidade pelo Tribunal de Contas do Estado do Pará. Os equívocos poderiam ter sido esclarecidos caso o veículo tivesse mantido a premissa ética do jornalismo de ouvir também a associação nesse caso.

Diferentemente do publicado pelo blog, a Pró-Saúde informa que a condenação citada, referente ao ano de 2008, recai sobre a pessoa física de um antigo gestor que não faz mais parte do quadro da entidade desde 2013. Portanto, ao contrário do que induz a notícia, a Pró-Saúde não terá de devolver recursos. A entidade recebeu apenas recomendações que, conforme diretrizes institucionais, serão cumpridas rigorosamente. 

Em relação ao Hospital Regional Público da Transamazônica (HRPT), vale destacar que a Unidade possui a Certificação da Organização Nacional de Acreditação (ONA) 3, em reconhecimento aos padrões de excelência no atendimento e segurança do paciente e sustentabilidade.

A nova Diretoria da Pró-Saúde reafirma o compromisso com ações de aprimoramento de suas práticas de governança e transparência, conforme preconiza o seu Código de Ética e de Conduta, e reitera que permanece à disposição para esclarecer quaisquer dúvidas dos órgãos de controle. A instituição destaca que cumpre rigorosamente os contratos de gestão e realiza prestação de contas regulares às instâncias competentes. Com mais de 50 anos de atuação, a entidade filantrópica é reconhecida como uma das maiores entidades de excelência em gestão de serviços de saúde e administração hospitalar do Brasil.

Mensalmente, mais de 280 mil usuários do SUS são atendidos nas unidades sob gestão da instituição no Pará – e, em ranking divulgado pela imprensa, dois dos dez melhores hospitais públicos do País são gerenciados da Pró-Saúde e estão localizados em Santarém e Altamira. Somente em 2018, a entidade conquistou 21 certificações e prêmios, e outros 16 reconhecimentos, para as Unidades no Pará, que realizaram 3,4 milhões de atendimentos no mesmo período, alcançando taxa de satisfação de seus pacientes superior a 90%. Por fim, a Pró-Saúde destaca que recebeu, por duas vezes, o Prêmio Prazer em Trabalhar – 1° e 2º lugares, sendo considerado o melhor lugar para trabalhar no Estado do Pará pela imprensa".

Em tempo: ao contrário do que diz a nota, o Ver-o-Fato tentou por diversas vezes obter resposta da Pró-Saúde sobre os termos contidos na condenação das contas da organização social julgadas pelo TCE no que se refere ao Hospital Regional Público da Transamazônica. Buscou, como buscará ouvi-la também em outras matérias que serão publicadas, como manda a regra do bom jornalismo.  



2 comentários:

  1. Exelencia no belo trabalho que faz, porém escravisa os seus funcionários e tendo como exemplo o HRSP que foi cortado a insalubridade, adicionais nortunos, adicional de 100% e 50% nos plantões de feriados e finais de semana, paga na carteira de trabalho os funcionários menos que o salário minimo e ainda ameaça o desligamento caso alguém abra a boca em rede sociais.

    ResponderExcluir
  2. Essa caixa preta tem que se aberta

    ResponderExcluir