VER-O-FATO: Cadê o asfalto que deveria estar aqui?

domingo, 14 de abril de 2019

Cadê o asfalto que deveria estar aqui?

O programa consumiu R$ 360 milhões no governo passado. AGE faz vistorias 

Equipes da Auditoria Geral do Estado (AGE) já estão percorrendo municípios do sudeste paraense que teriam sido beneficiados pelo programa Asfalto na Cidade, implantado na gestão passada. A iniciativa, denominada operação Tapa Buracos, começou no início da semana, e objetiva fiscalizar a existência ou não das obras, que só no ano passado consumiram mais de R$ 360 milhões do orçamento estadual. 

As visitas técnicas, coordenadas pelo engenheiro Filipe Gianino, já ocorreram nas cidades de Breu Branco, Tucuruí e Novo Repartimento. As informações que estão sendo levantadas vão subsidiar a investigação preliminar, instaurada pela AGE, para apurar as irregularidades na execução do programa. 

Além das vistorias, os técnicos da AGE também estão fazendo uma análise minuciosa dos convênios do Asfalto na Cidade assinados com inúmeras prefeituras, os quais também são alvos de ações judiciais.


Após esse trabalho, a AGE vai poder fazer um cruzamento entre as obras efetivamente realizadas e o dinheiro gasto que foi declarado na execução dos projetos. Algumas das fotos que aqui aparecem se referem  a obras em dezenas de cidades do interior onde ruas e vias de acesso, embora constem nos papéis oficiais como prontas, não receberam um pingo sequer de asfalto.

Em Itupiranga, uma das empresas responsáveis pelas obras, a Leal Junior, começou um trabalho com máquinas para completar um serviço que oficialmente é dado como concluído. Quem pagou pela obra inconclusa e quanto pagou? E por que não fiscalizou a obra?

Com a palavra, os ex-gestores da coisa pública.





  

5 comentários:

  1. Só politicagem,é sempre assim, todas as vezes que troca de governo, a AGE é usada e depois esquecida!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo só querem que os técnicos da AGE fiscalizem no primeiro ano de governo, ou seja a gestao do antecessor!Não fazem nada p mudar isso, pois sabem que irão fazer o mesmo.

      Excluir
  2. Hoje li no diário que o chinfrim MP do Pará instaurou procedimento para investigar super faturamento no prolongamento da Joao Paulo II após representação do MDB em outubro do ano passado ou seja 6 meses atrás. Será que se o cap pm fake Márcio Miranda fosse o vencedor o Mp instauraria esse procedimento. Tenho certeza que NÃO!

    ResponderExcluir
  3. Cadê o asfalto do Residencial Natalia Lins ou os R$5.000.000,00 que foi liberado pelo Ministério da cidade.

    ResponderExcluir
  4. Em Bragança, além da roubalheira, até assassinato de jornalista continua impune, sem que o corrupto mp tome nenhuma iniciativa. Até o vereador acusado de mediar a morte do radialista, já foi solto e continua comparecendo nas sessões da Camara como se nada tivesse acontecido.

    ResponderExcluir