VER-O-FATO: Sessão solene celebra o Dia Internacional da Síndrome de Down na Alepa

Reservas de ingressos

Reservas de ingressos
Clique na imagem, preencha o formulário e garanta seu ingresso

quinta-feira, 21 de março de 2019

Sessão solene celebra o Dia Internacional da Síndrome de Down na Alepa

Representantes de instituições, com o dr. Daniel Santos, marcaram presença na sessão


O plenário Newton Miranda recebeu na terça-feira os representantes de instituições de apoio aos portadores da Síndrome de Down, para a sessão solene do Poder Legislativo, em homenagem ao Dia Internacional da Síndrome de Down. A sessão foi conduzida pelo presidente da Alepa, deputado Dr. Daniel Santos.

“Esta sessão põe em evidência a Síndrome de Down, que é algo que nós temos que debater e criar mecanismos para que essas pessoas tenham acesso à educação qualificada e especializada, assim como ao mercado de trabalho.Precisamos também discutir a questão de saúde pública. Como médico, sei que há varias patologias e características especificas com relação à Síndrome de Down que merecem um acompanhamento melhor. A Assembleia pode propor políticas públicas e levar essa discussão para a nossa Comissão de Saúde, o que considero importante”, avaliou o presidente.

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a estimativa é que no Brasil, cerca de 300 mil pessoas possuem a Síndrome de Down. A sessão foi solicitada pelo deputado estadual Raimundo Santos para mostrar à sociedade a importância dos portadores da Síndrome de Down. 

“A mensagem é para a sociedade, para o poder público, para as famílias, tanto para quem tem um familiar, ou convive com pessoas com essa condição. Há décadas, as famílias praticamente segregavam os portadores da síndrome , essas pessoas viviam pouco, não eram tidas como pessoas que poderiam viver em sociedade, trabalhar, participar da arte e da ciência. Da década de 90 para cá, se percebeu que eles apenas nasceram geneticamente diferentes, mas podem tranquilamente ser inseridos, com políticas públicas adequadas e a atenção das famílias, à sociedade e aos meios de produção”, ressaltou o deputado Raimundo Santos.

Comendas – Durante a Sessão, foram entregues diplomas de reconhecimento para pessoas que se destacaram em apoio aos portadores da Síndrome de Down. Foram agraciadas 12 pessoas e instituições. Entre elas, Ana Rita Fernandes Correa da Silva. Ela se destacou ao concluir o curso superior de Design de Moda.

Data - Instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) a partir de 2006, o Dia Internacional da Síndrome de Down é celebrado em 21 de março. A data só foi aprovada pela Assembleia Geral da ONU depois de articulação do governo e parlamentares brasileiros.

A comemoração foi proposta pela Associação Internacional da Síndrome de Down, e é uma referência à trissomia no cromossomo 21, alteração genética que gera um cromossomo extra no DNA do indivíduo. Isso ocorre devido a uma separação incomum dos cromossomos 21 herdados dos pais.

A denominação da síndrome vem do sobrenome do médico inglês John Langdon Down, que em 1866 fez as primeiras observações detalhadas sobre esse grupo de pessoas na sociedade. O que abriu espaço para estudo e tratamento.

A Síndrome de Down não é uma doença. É uma ocorrência genética natural que acontece por motivos desconhecidos, na gestação, durante a divisão das células do embrião. É uma alteração cromossômica, quando crianças nascem dotadas de três cromossomos (trissomia) 21, e não dois, como o habitual. Esta alteração genética afeta o desenvolvimento do indivíduo, determinando algumas características físicas e cognitivas peculiares. A inclusão social melhora a qualidade de vida dessas pessoas. Por isso a importância de crianças com a síndrome poderem frequentar escolas comuns. Texto: Dina Santos, da Assessoria de Imprensa e Divulgação da Alepa.



Nenhum comentário:

Postar um comentário