VER-O-FATO: Sessão especial na Alepa debate soluções e melhorias para obras do BRT

sexta-feira, 29 de março de 2019

Sessão especial na Alepa debate soluções e melhorias para obras do BRT

Discutir, cobrar e propor soluções para a mobilidade urbana foi o objetivo da sessão 


Engarrafamentos constantes fazem parte da rotina de quem trafega pela Rodovia BR- 316 com destino a Belém, no horário considerado "de pico", de 6:00h às 9:00h. Esse problema foi tema da Sessão Especial realizada nesta quinta- feira, 28, na Assembleia Legislativa do Estado do Pará (Alepa).

A sessão foi proposta pelo deputado Eliel Faustino, com o objetivo de discutir, cobrar esclarecimentos e propor soluções conjuntas para melhorar a mobilidade urbana na Região Metropolitana. Em seu pronunciamento, o deputado Eliel Faustino destacou que a população não pode ser prejudicada.

“Esse é resultado da cobrança da população que não aguenta mais viver esses engarrafamentos diários. Essa obra é de 450 milhões e nós temos a preocupação de garantir com que a população que utiliza a BR não venha a sofrer com esses engarrafamentos, já que temos trabalhadores e estudantes que usam diariamente a via e não podem ser prejudicados. Nós temos problemas em Belém, Ananindeua e Marituba, e por isso solicitamos essa sessão para discutir soluções e mostrar à sociedade que o Poder Legislativo está cumprindo sua função”, pontuou o deputado. 

O governo, por meio do projeto de requalificação da BR-316, começou a executar obras no dia 15 de janeiro deste ano, em busca de soluções para o tráfego desordenado da via, do km 18 até a entrada de Belém, trecho sob delegação do Estado. O projeto busca rapidez e segurança do transporte coletivo com a implantação do sistema troncal que, consequentemente, proporcionará melhor trafegabilidade na BR. As intervenções serão do Entroncamento à Marituba.

O projeto orçado em R$ 385,6 milhões está sendo financiado pelo Governo do Pará, em parceria com a Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA) - empresa governamental independente que financia projetos em países em desenvolvimento do mundo inteiro. Neste caso, 78% dos recursos para as obras da Nova BR serão aplicadas pela JICA.

Convidado para esclarecer sobre o desenvolvimento e o cronograma das obras que integram o projeto de requalificação, o Diretor do Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano (NGTM), Eduardo Ribeiro, detalhou as obras prioritárias para os próximos meses.

“ O NGTM trabalha com o prazo de 19 meses. Mas vale ressaltar que essa obra deveria ter começado em maio do ano passado. O sistema BRT Metropolitano circulará pelo BRT municipal e a operação deles será integrada. Isso significa que, no futuro, uma pessoa que pega o BRT em Marituba poderá descer na estação da Tavares Bastos, e se deslocar até Icoaraci com a mesma passagem. Existirá o Centro de Controle Operacional para monitorar essa integração”, reiterou.

Eduardo ainda informou que as novas obras vão reduzir o tempo de viagem no transporte coletivo e garantir mais segurança aos que trafegam na rodovia."Uma pessoa que faz uma viagem de cerca de 2 horas, de Marituba até o centro de Belém, terá esse tempo reduzido para até 45 minutos. Outra questão é a segurança, pois o trecho do km 0 até 18 é um dos mais violentos de rodovia do país. E tudo isso repercute na produtividade do trabalho escolar e diminuição da poluição do ar”, anunciou. 

Representando a Secretaria Estadual de Transporte (Setrans), o engenheiro civil Francisco Tomaz destacou as obras de contenção que o Estado realiza nos principais pontos para solucionar o problema. 

“ Estamos trabalhando para resolver os problemas de tráfego que afetam os usuários, e tentar amenizar todo esse fluxo de carros. Hoje nós estamos realizando atividades rotineiras e preventivas na BR , Alça Viária e Avenida Independência. Estamos com equipe com hidrojato perto do shopping, onde ocorrem maiores alagamentos. Futuramente, com essa drenagem do projeto vai dar um fim, incluindo tubulações grandes. Não basta ter só a drenagem, mas é importante ter onde jogar toda essa água”, disse. 

A Secretaria de Transportes também realiza melhorias nas vias alternativas de acesso à BR e intervenções nas áreas de acostamento, com a manutenção e conservação da via para que haja poucas interferências de buracos e alagamentos. 

A voz da população - A Sessão Especial é necessária para que a população possa conhecer e opinar sobre as obras que serão realizadas para a mobilidade urbana. O cidadão faz questão de participar e contribuir com críticas e sugestões.

O presidente da Associação de Moradores de Jardins de Águas Lindas (ARNAL), em Ananindeua, Jorge Alfredo da Costa, participou do encontro e o considerou positivo. Ele também reclama que leva quase duas horas para chegar ao centro de Belém. “ A gente vem cobrando várias reuniões e esse momento aqui é importante para discutir com a comunidade que vive o problema. Espero que tenha solução para o caso”, cobrou. 

O contador Fábio Pantoja também vive diariamente essa rotina. “ Sou usuário e sabemos o que acontece, e o tempo que levamos para chegar até Belém. Por isso queremos solução para o problema”, pontuou. 

Um conjunto de ações está sendo desenvolvido pelo Governo para minimizar os impactos das obras. Entre elas, o estímulo do transporte hidroviário com a isenção da taxa da balsa do porto Arapari para Belém, evitando que os veículos que vêm pela Alça Viária utilizem a BR.

Outra medida é a restrição de veículos pesados durante alguns horários do dia ao longo da rodovia, isso é importante porque haverá momentos em que uma das vias comportará tráfego de entrada e saída.

Dados - Entre os anos de 2002 e 2012, segundo dados do Observatório das Metrópoles, enquanto a população brasileira aumentou 12,2%, o número de veículos registrou um crescimento de 138,6%. Há cidades no país que apresentam uma média de menos de dois habitantes para cada carro presente, o que inviabiliza quase todas as medidas para a garantia de um sistema de transporte mais eficiente.

Também participaram do encontro, os deputados estaduais Ozório Juvenil e o delegado Caveira; representantes do Detran, Polícia Rodoviária Federal, OAB/PA, Federação de Mototaxistas Profissionais e sociedade civil. Texto: Mara Barcellos, da Assessoria de Imprensa e Divulgação da Alepa.



Nenhum comentário:

Postar um comentário