VER-O-FATO: EXCLUSIVO - Helder não aceita regras de contratos sem fiscalização mantidas por Jatene e quer se livrar da Pró-Saúde

sábado, 9 de março de 2019

EXCLUSIVO - Helder não aceita regras de contratos sem fiscalização mantidas por Jatene e quer se livrar da Pró-Saúde

No Hospital Metropolitano, só metade do salário foi paga aos funcionários
A fartura de contratos e benefícios obtidos durante o governo de Simão Jatene pela empresa Pró-Saúde estão com os dias contados na gestão do emedebista Helder Barbalho. Ele não quer mais a Pró-Saúde no comando de 8 hospitais públicos do Estado e determinou uma auditoria nos contratos. As primeiras informações dessa investigação, porém, assustaram o governador. O cancelamento dos contratos, contudo, não será uma medida simples. Há multas milionárias previstas se isto vier a ocorrer. Nada que afete a determinação de Helder de livrar-se dessa carga pesada.


O Ver-o-Fato apurou que o governador não aceita a forma como a Pró-Saúde vinha agindo durante os governos de Jatene, que se limitava a fazer os pagamentos, por meio da Secretaria de Saúde (Sespa), sem fiscalizar os serviços realmente prestados. Os contratos, com algumas pequenas variações, exigem dos cofres públicos, por ano, o desembolso de até R$ 420 milhões, com média de R$ 380 milhões.

Nos bastidores do governo, a suspeita é de desvio de recursos públicos. Um esquema semelhante ao ocorrido no Rio de Janeiro, durante a administração do corrupto confesso e já condenado a mais de 150 anos de cadeia, Sérgio Cabral. O próprio Cabral, em delação premiada,  denunciou o esquema, implicando até o arcebispo carioca, dom Orani Tempesta, que por aqui dirigiu a Igreja Católica como arcebispo de Belém. A Pró-Saude é comandada por integrantes dessa igreja.

No governo de Jatene, a Pró-Saúde apresentava suas despesas mensais dos hospitais que dirige, dizendo quantos atendimentos prestou, cirurgias realizadas, exames e outros serviços, enquanto o governo - acreditando nas informações prestadas por ela - liberava os pagamentos sem nada contestar. Helder questiona essa modalidade de relação de confiança – que, quando envolve dinheiro público, pode tornar-se perigosa e embutir crimes diversos – e começou a fazer pagamento apenas do básico, com valores mínimos, enquanto a auditoria que mandou fazer nos contratos não fica pronta.

Em vista disso, a Pró-Saúde, que recebia no governo passado os valores que apresentava sem nenhuma checagem ou fiscalização – vale aqui perguntar: para que servem e o que fazem, afinal, os Tribunais de Contas do Estado e dos Municípios? - começou a perder receita. E há dois meses, desde que Helder assumiu o governo, o faturamento dela despencou, obrigando-a a fazer o pagamento de apenas metade do que deve a seus funcionários. As empresas terceirizadas que prestam serviços nos hospitais também cobram dela os pagamentos em atraso.

A situação é mais delicada - e tende a expandir-se para toda a  rede da Pró-Saude no Estado – nos hospitais Materno-Infantil Barcarena (HMIB), Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE) e Regional Público da Transamazônica (HRPT). Embora os valores contidos nos contracheques de março sejam de pagamentos totais, a verdade é que a Pró-Saúde pagou somente a metade.

Cobrança judicial


Alguns empregados, porém, reclamam ter recebido só 40% do salário.  Ao Ver-o-Fato, um deles, pedindo para não ter o nome divulgado, afirmou que o clima está “pesado, de terror”. E diz que já haveria ameaças de demissão para quem “abrir o bico” e reclamar publicamente da redução de pagamento.  Ela, por meio de nota, informa que a dívida do governo, acumulada nos últimos 60 dias, ultrapassa R$ 116 milhões. Isso, acrescenta, compromete a qualidade dos serviços e os salários de 5,1 mil empregados. Além disso, ela atende mensalmente mais de 280 mil usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). Diz ainda que seus advogados já estão tomando medidas jurídicas para cobrar o que o Estado lhe deve.

Sem conversa

Segundo uma fonte, a Pró-Saúde está blefando quando diz que irá acionar judicialmente o Estado para receber os mais de R$ 116 milhões. Na verdade, a OS tem tentado de todas as maneiras  uma audiência com Helder, mas ele se nega a receber qualquer diretor, alegando que só o fará quando tiver nas mãos o resultado da auditoria nos contratos.

Intermediários, na tentativa de agendar reunião com Helder, chegaram a apelar para o pai do governador, o senador Jader Barbalho, e ouviram a resposta seca de Jader de que “ não vai se meter” em assuntos do governo estadual. O mesmo apelo para a deputada Elcione Barbalho, mãe de Helder, e para o irmão, Jader Filho,  tiveram como resposta um sonoro “não”.

Ou seja, as portas, para a Pró-Saúde, estão fechadas. Sinal de que ela representa um sério problema para o Estado. E manter seus milionários contratos será atrair para o Pará as bruxas da Lava Jato que assustam a Igreja Católica na gestão dos hospitais cariocas pela OS.  Helder está, ainda de acordo com fonte no Palácio do Governo, decidido a livrar-se desse “encosto”.

O governador, logo no primeiro mês após assumir o mandato, mandou fazer um estudo para a quebra dos contratos, mas a Procuradoria Geral do Estado (PGE) observou algumas dificuldades, embora não difíceis de superar. O plano montado, como apurou o Ver-o-Fato, é forçar a saída da OS após a conclusão da auditoria em andamento.

Helder foi procurado pelo Ver-o-Fato para comentar as informações por nós obtidas com exclusividade. Nesta manhã de sábado, 9, ele estava entrando no avião do governo para uma visita aos municípios de Viseu e Barcarena. A assessoria pediu um tempo para a resposta.

O Ver-o-Fato aguarda a manifestação do governador. 


31 comentários:

  1. Tomara que a saida dessa OS nao seja seha pra contratar uma outra que reze pela cartilha palaciana pertenceu te a um ex deputado. É esperar ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Te garanto uma coisa, pior do que essa não tem.

      Excluir
    2. Deve ser bem algum funcionário despachado e agora sai falando mal... algum mal funcionário na verdade... que não se enquadra do perfil da empresa e sai falando mal...

      Excluir
    3. Agora vem a questão, a empresa aqui em Marabá, está tratando os funcionário no cabestro, coloca os coroneis enfermeiros pra humilhar, e bonito ver de fora todo aquele atendimento aos usuários bonitos e elegantes mais não se sabe o que passa pelos bastidores, anônimo 18:41, vc deve ser aquele tipo de funcionário que e babão pq deve ter um cargo que ganha bem e está desesperado em perde o emprego, não existe funcionário mal intencionado e sim desprezado e com seus direito retirados, quem aqui sofre pela perda das horas extras nos finais de semana e aos feriados e outra bomba sem avisar ninguém o corte da insalubridade de 80% dos colaboradores, funcionários que a sua carteira e assinada menos que o salário minimo. muitos coisas erradas está acontecendo e agora depois de 12 anos está sendo descoberta!

      Excluir
  2. Parabéns governador Hélder! É assim que se governa, combatendo a corrupção! Quanto a ti Jatene, te prepara para fazer companhia ao Sérgio Cabral lá na cadeia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso se o coraçãozinho dele deixar...

      Esse Jatene e zenaldo tinham tudo pra fazer um dos melhores governos da história mas se perderam. Tomara que morram na cadeia

      Excluir
    2. Combatendo a corrupção??? será mesmo??? ou você já esqueceu que ele também foi citado na lava jato???

      Excluir
  3. Ei seu Gilberto Martins, quando é que o sr investigará esse esquema fraudulento entre a Pró-Saúde e o ex governador Jatene? No RJ resultou em prisão do Sérgio Cabral!

    ResponderExcluir
  4. Questionável é se a troca manterá o nível de atendimento de hoje porque é muito bom, a ponto dos beneficiados questionarem se o serviço será cobrado, no final. O atraso no pagamento não procede.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com as OSs passadas como ACEPA e o IDESMA, funcionaram perfeitamente em todos os sentidos. E o atraso no pagamento dos colaboradores é pura verdade. Só não acredita quem é leigo.

      Excluir
    2. Cadê o dinheiro que embolsaram do Hospital Abelardo Santos. Receberam sem nem menos ter o Hospital concluído, agora a Pro Saúde tá calada. Teriam que ressarcir, nem bem era inaugurado uma instituição de Saúde que essa maldita OS já estava assinando contrato.

      Excluir
  5. O ilustre repórter fala do Hélder com a leveza e a admiração de quem deve ter recebido muitos abraço$$$$$$$$

    ResponderExcluir
  6. Vê-se pelo comentário do anônimo das 23:03 que ele mede os outros com sua própria régua moral. Deve estar acostumado a isso, ou faz da estupidez um meio de vida para conquistar adeptos.

    ResponderExcluir
  7. Anônimo das 19:26 eu como funcionário afirmo que sim, o atraso é verdadeiro, recebemos apenas a metade do salario e no contracheque consta 100% o que é mentira! Estamos sendo cobrados dia e noite para fazer silêncio se não é "causa justa". Atendemos bem os nossos pacientes para no fim do mes recebermos nosso dinheiro, temos nossos compromissos e não tivemos nenhuma explicação quanto a esse pagamento pela metade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma coisa eu tenho certeza, uma OS fraudulenta, ditadora, menospreza seus colaboradores, Não tem nenhum respeito por ninguém. Peço a Deus que o Governador veja isso com bastante inteligência e despachar essa maldita OS que é a PRO SAÚDE, mande cantar em outra freguesia. Já deu corrupção!

      Excluir
    2. Políticos, tudo farinha do mesmo saco, na minha rua, na administração do Sr Hélder Barbalho, quando foi prefeito de Ananindeua,o pioneiro havia feito todo o asfalto, ele veio rasgou a rua toda pra emendar a tubulação do Francisquinho com a nossa e que depois consertaria a rua denovo, deixou nossa rua uma porcaria, hoje está novamente asfaltada, porque o prefeito pioneiro, junto com o vereador marlon fizeram um novo asfalto, porque se dependesse desse Hélder aí, estávamos pisando na lama!

      Excluir
  8. O certo é fazer Concurso Publico e não dar a administração de orgão publico para terceiros.Sabemos que é um passo para a malandragem da corrupção...

    ResponderExcluir
  9. O pagamento dos funcionários saiu pela metade,e alegaram que o governo não fez repasse de verbas e o caos está prestes a se instalar.

    ResponderExcluir
  10. O cara que se assina "estrangeiro" parece que não conhece o sistema. Qual o médico especialista em neurologia, que atende no Metropolitano se submeteria a um concurso público, cujo salário base é de 1.800 reais ? É por isso que os médicos se organizam em sociedades onde a recompensa é maior. Os anestesistas estão em cooperativas e o poder executivo têm que rezar a cartilha deles. Acho que alguém , se tiver este alguém , deve alertar o governador sobre essa medida de mandar essa OS pro espaço, pode ser um tiro no pé. Tem que enxugar as gorduras, mas defenestrar é um risco grande, diante de um cenário em que os bons profissionais de saúde se dão ao luxo de escolher aonde vão trabalhar. Principalmente na região norte. Procure saber quantos neurologistas tem em todo Pará? Se tiver 20 é muito. Esse só um exemplo. Portanto, acho que hospitais no interior do Estado jamais poderiam oferecer um bom serviço , sem um suporte financeiro para o corpo de profissionais especializados. Veja se até agora as vagas dos cubanos foi preenchida nos interiores dos interiores do Pará? Na zona rural de meu Baixo Amazonas continua sem médicos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Hospital Metropolitano trabalha com NEUROCIRURGIÃO. Os Médicos da UTI Pediátrica não são INTENSIVISTA. Médicos da Pediátria vem de São Paulo ( 15 dias no hospital) retornam e ficam se revezando. Mas isso só aconteceu e acontece com essa OS PRÓ SAUDE) fraudulenta.

      Excluir
  11. Essa gestão da pro saúde é uma verdadeira vergonha. Arcaica e trata seus funcionários no "cabresto, comm ameaças constante de perda de emprego, preferem jogar no lixo comidas do que liberar a alimentação para os funcionários e, agora o cumulo é esse pagamento de metade do salário sem dar ao menos uma satisfação. Fora pro saúde!!!!!

    ResponderExcluir
  12. Quero saber como fica os funcionários que não tem nada haver com isso tem gente com quase 5 anos de empresa e aí como fica

    ResponderExcluir
  13. Posso dizer que no ano que trabalhei no metropolitana pela pro saúde, já faltava muitos rercurdos para executar tarefas simples..

    ResponderExcluir
  14. Tem que investigar tudo, vai acabar a mamata do Raio X LOBO, que recebe mesmo quando seus aparelhos estão quebrados.

    ResponderExcluir
  15. Agora que quero ver. Sai Pro Saude e entra o que? O Governador vai contratar em carater de urgencia, sem licitação pq a lei assim concede nesse casos, e ele coloca os cupinchas dele pra adm a verba da saude e toma-lhe povo... nao adianta! sai um entra outro..tudo farinha do mesmo saco...

    ResponderExcluir
  16. O Governador devia ter medo de falar em lava jato... Afinal, não foi ele e seu pai que foram citado na mesma???
    Vejo alguns comentários falando mal da empresa... empresa ditadora... empresa isso... empresa aquilo... isso deve ser coisa de funcionário incompetente que foi demitido por não se enquadrar no perfil da empresa e agora sai falando mal... é pq com toda empresa acontece esse tipo de coisa... a empresa só é boa, enquanto ela não te demite...
    Quanto a pro-saúde... Pura estrategia do governo para tirar a O.S. quando fala em contratos não fiscalizados... Sabem o que o governador quer??? ele quer tirar a pro-saúde, pq assim ele é obrigado a contratar outra O.S em caráter de urgência e sem fazer licitação... e quem sai ganhando??? ele o governador... o esquema vai pro seu lado... e ainda tem nego dizendo que ele vai acabar com a corrupção... cara, o governador foi citado na lava jato... é mole ou quer mais?? nesse jogo sujo, só quem perde é a população... é você, que publicou a matéria, devia ser mais imparcial nisso tudo... A maioria dos hospitais da pro-saúde tem reconhecimentos/certificações e são referencias para muitos outros hospitais no Brasil inteiro...
    Os atendimentos são prestados com qualidade e humanização... é funcionário grosso, mal educado, sem ética, dentre outras coisas mais, não dura na empresa... é por isso que vejo uns falando mal da empresa aqui... já fui atendido por mais de um hospital da pro-saúde e em todos fui sempre muito bem tratado...

    ResponderExcluir
  17. Muita cautela.Só idiotas acreditam nesses políticos profissionais.Vão entregar os hospitais para quem.? Saiuma Quadrilha e entra outra Quadrilha.

    ResponderExcluir
  18. CARLOS MENDES, BOM DIA! VOCÊ É UM JORNALISTA INDEPENDENTE? A POPULAÇÃO PRECISA DE UMA IMPRESSA LIVRE. SEM CONCHAVO COM ESTE OU AQUELE POLITICO. TEM QUE SER BRASIL ACIMA DE TODOS, ENTENDE? NAO SOU BOLSONARO E NEM LULA. SOU APENAS UM PARAENSE QUE ACREDITO QUE POSSAMOS MUDAR ESTE ESTADO DO PARÁ AFASTANDO MAUS POLITICOS COMO JATENE, HELDER, JADER, DUCIOMAR, ELCIONE, PRIANTE, WLAD, ZENALDO..É DISSO QUE PRECISAMOS ARGUIR CARLOS MENDES..

    ResponderExcluir
  19. Obrigado, Fábio Ribeiro, por sua pergunta. Você indaga se sou independente e eu te respondo que apuro fatos, busco ouvir as partes neles envolvidas e publico, para que os leitores tirem suas próprias conclusões. Se isto é ser independente, não sei, porque há alguém, ou um lado envolvido na questão, que sempre irá apontar o dedo na direção do jornalista e dizer que este prejudicou mais um lado do que outro. Se o prejuízo é de quem está roubando dinheiro público, aí te digo que vale a pena apurar, ouvir as partes, escrever e publicar, doa a quem doer. O repórter, em vista disso, caminha sempre pelo fio da navalha. Nada, contudo, substitui a consciência limpa de cumprir seu dever para com o público. Sobretudo para aquela maioria de cidadãos que ainda acredita no jornalismo sadio, principalmente nesses tempos de desconfiança sobre o papel das instituições. Mais uma vez obrigado e volte sempre.

    ResponderExcluir
  20. Carlos Mendes então apure junto a oposição (caso seja possível, e é possível sim) do atual governo se procede o fato dessa OS estar levando dinheiro público sem prestar contas do serviço..pra que seu trabalho jornalístico não fique apenas com um dos lados envolvidos e nos leitores possamos, através do seu trabalho, concluir nossas análises..Obrigado pelo espaço!

    ResponderExcluir
  21. Um jornalismo sério e imparcial é o que precisamos, que investigue, denuncie e às autoridades cumpram seu papel para coibir este já esgotado tempo de corrupção.
    Desde o início ficou bem claro os objetivos desta OS em eletizar os atendimentos, sonegar informações e ser descortez com seu pares e contribuintes, a soberba e a arrogância sempre teve cadeira cativa nesta triste instituição, que se ficar provado às irregularidades será mais um erro de gestão que culminará com prejuízos ao Estado.

    ResponderExcluir