VER-O-FATO: Edmilson entrega a ministro Sérgio Moro relatório sobre milícias que matam no Pará

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

Edmilson entrega a ministro Sérgio Moro relatório sobre milícias que matam no Pará




O deputado federal Edmilson Rodrigues (PSOL) entregou esta tarde ao ministro da Justiça, Sérgio Moro (no vídeo, acima), relatório da CPI das Milícias da Assembleia Legislativa do Pará - que foi proposta pelo próprio Edmilson, em 2015 -, a propósito da primeira reunião de Moro com os deputados federais paar discutir o projeto de combate à criminalidade do governo Bolsonaro.


"A CPI que eu propus listou 60 milicianos, entre militares da ativa, outros não, um do Exército e alguns civis, que operam, assassinando pessoas e fazendo um verdadeiro terror da capital, na região metropolitana de Belém e em outras cidades do Pará", disse Edmilson, após a entrega em mãos do documento a Moro.

Edmilson disse esperar que o relatório "sirva como experiência de um estado onde a violência é muito grande e que possa colaborar no aperfeiçoamento ao projeto de combate ao crime".

A CPI apurou a existência dos grupos de extermínio paraenses após uma chacina ocorrida no dia 4 de novembro de 2014 registrar 11 mortes, incluindo a do cabo PM Figueireido, conhecido como “Pet”, apontado como líder miliciano no bairro do Guamá.

Segundo os deputados, os grupos utilizam a experiência dos membros para realizar os extermínios, geralmente motivados por interesses financeiros, como o “controle do tráfico de drogas” e eliminação de comerciantes “agiotas”.

De acordo com o relatório, os milicianos são respeitados na corporação, “seja por suas destrezas ou pelo valor que apresentaram em ‘combate’”, ou temidos pelos outros policiais, seja “receio de serem mortos por contrariarem ou oporem-se aos interesses da milícia”.

Os deputados também escreveram que os grupos são financiados pela “venda de segurança a traficantes”, pela venda de drogas apreendidas em operações policiais, extermínio de pessoas, roubo de cargas e até “assalto aos cofres públicos, através de fraudes a licitações e outras modalidades criminosas”.


São citados alguns nomes de pessoas envolvidas na milícia do cabo Pet: O policial militar, Otacílio José Gonçalves Queiroz, o “Cilinho, Josias Siqueira da Conceição, ex-cabo do Exército, Valmir ou Valdemir Oliveira, cabo Oliveira, conhecido pela alcunha de “Canana”, dois homens conhecidos como “Marcelo da Sucata” e “Zé da Moto”, o cabo PM Romero Guedes Lima, conhecido como “Montanha”, e um homem chamado de “Gasparzinho”.


Conheça o Relatório Final da CPI dos Grupos de Extermínio e Milícias no Estado do Pará

Um comentário:

  1. Parabéns ao Dep.Edmilson!Se todos os políticos e alguns viúvas do ex governador Tucanalha Jateve, fizessem isso, ajudaria muito a segurança do Pará.

    ResponderExcluir