VER-O-FATO: Multidões nas ruas de uma Venezuela arrasada exigem saída do ditador Maduro

quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

Multidões nas ruas de uma Venezuela arrasada exigem saída do ditador Maduro

Multidões nas ruas contra permanência de Maduro no poder. Foto Reuters


Mão aberta levantada, Juan Guaidó, 35, jurou encarregar-se do poder Executivo da Venezuela, às 13h44 da tarde (horário local, 15h44 em Brasília), sendo muito aplaudido por manifestantes que foram às ruas nesta quarta-feira (23) para um grande protesto pedindo a saída do ditador Nicolás Maduro. Centenas de milhares foram às ruas na capital Caracas e em outras cidades, segundo estimativas de agências de notícias.


No palco armado em Chacao, bairro de classe média alta no lado leste de Caracas, o presidente da Assembleia Nacional venezuelana afirmou: "Sabemos que isso vai ter consequências. Mas não vamos permitir que se desinfle esse movimento de esperança, que seguirá ainda por dias, semanas ou meses, e por isso peço a todos os venezuelanos que juremos como irmãos que não descansaremos até alcançar a liberdade".

Logo depois do juramento de Guaidó, os Estados Unidos foram os primeiros a reconhecê-lo como presidente interino —no total, 11 países já o fizeram, inclusive o Brasil. Já na praça O'Leary, onde se concentravam apoiadores do regime Maduro, Diosdado Cabello, homem forte do chavismo e presidente da Assembleia Nacional Constituinte, disse ao público que aqueles que tentam usurpar o poder serão "severamente castigados" e que as "forças imperialistas", se quiserem entrar na Venezuela, "podem entrar, o problema é como elas irão sair". A multidão aplaudiu.

Logo após a fala de Cabello, motocicletas de coletivos (milícias que apoiam o governo), do Exército e da Guarda Nacional saíram às ruas para dissolver os grupos de antichavistas. Atiravam balas de borracha e jogavam suas motos em direção à multidão, que começou a correr em retirada. Jovens encapuzados respondiam aos ataques, com pedras, paus e o que podiam encontrar nas ruas.

Às 16h30 locais, Maduro saiu ao balcão do palácio de Miraflores, disse que seu país cortaria as relações com os EUA e ordenou que os diplomatas norte-americanos deixem o país em 72 horas. O ditador desautorizou Guaidó e voltou a afirmar que foi eleito de forma legítima pelas urnas, em maio, em pleito contestado pela oposição e pela comunidade internacional.

Maduro pediu que os militares mantenham a unidade e a disciplina. "Vamos triunfar sobre isso também, sairemos vitoriosos", disse Maduro a apoiadores do lado de fora do palácio presidencial de Miraflores, em Caracas. Mais cedo, Guaidó havia oferecido anistia aos militares que se voltassem contra o ditador.

Em mais de uma hora de discurso, Maduro falou sobre os benefícios que seu governo havia prometido no último dia 10, em sua posse, quando disse que o salário mínimo teria um aumento. Também falou sobre planos sociais e para moradia. Maduro levantou a Constituição e disse que a obedece ao pé da letra.

Guaidó já havia se declarado presidente interino do país em 11 de janeiro, um dia após o ditador Nicolás Maduro tomar posse para iniciar um novo mandato no país.

Sem citar Guaidó diretamente, o ministro da Defesa de Maduro, Vladimir Padrino, disse nas redes sociais que as Forças Armadas vão rejeitar qualquer pessoa que se autodeclare presidente ou que chegue ao cargo imposta pelo que chamou de "interesses obscuros".

No palco em Caracas nesta quarta, Guaidó anunciou que, no próximo fim de semana, será apresentado o plano de anistia e o programa para a transição que se daria caso seja possível remover Maduro do cargo ou caso este renuncie.

Contou que a Assembleia Nacional esteve trabalhando nesse projeto nos últimos dias, disse que contava com o apoio do "chavismo dissidente" e que não haveria perseguição num momento "de união para o bem de nosso país".

Afirmou que no próximo domingo, a Venezuela seria já um outro país e pediu que todos o acompanhassem cantando o hino nacional, que começou então a ser executado. Acrescentou que, em fevereiro, haverá uma nova marcha, "desta vez para pedir que a ajuda humanitária internacional chegue com urgência a nosso país."

Por volta das 11h locais (13h de Brasília), porém, o Tribunal Supremo de Justiça, ligado a Maduro, declarou que a Assembleia Nacional atacava a Constituição "ao tentar usurpar o poder do presidente da República".

Também disse que o órgão não tem autoridade para escolher representantes em organismos internacionais, como a Assembleia Nacional fez na terça-feira (22), nomeando um representante para a OEA (Organização dos Estados Americanos), que aliás já viajou nesta quarta para um encontro com Luis Almagro.

O Tribunal voltou a declarar que as atitudes do parlamento são nulas e que atentam contra a Constituição. "A Assembleia segue violando o texto constitucional e, portanto, continua sendo considerado que está em desacato", disse Juan José Mendoza. Terminou sua fala dizendo, ainda, que o Ministério Público do país estava encarregado de fazer as acusações formais contra a Assembleia, nos próximos dias.

A data escolhida para as manifestações desta quarta, 23 de janeiro, é uma homenagem ao dia em que foi derrubada a ditadura de Pérez Jimenez (1953-1958).

Numa estratégia para dificultar a repressão, os atos foram realizados em distintos lugares da capital. As colunas começaram a marchar ao som de "sim, se pode", como grito de guerra. Por outro lado, uma contra marcha ocorria na avenida Nueva Granada, com apoiadores de Maduro usando camisetas e bonés vermelhos. Alguns traziam imagens de Hugo Chávez.

O primeiro ato começou às 11h30, no palco armado em Chacao, onde falaram deputados da Assembleia Nacional.

A líder oposicionista María Corina Machado disse que "amanhã pode não ter caído o governo, mas um novo ciclo começará e terminará apenas quando Maduro saia, isso pode demorar dias ou semanas ou meses".

Corina acrescentou que tem falado "com os jovens membros das Forças Armadas e estes também estão descontentes, eles também têm famílias que sofrem com o desabastecimento, precisamos deles para fazer tremer a cúpula militar."

O ato seguiu com diversos deputados da Assembleia Nacional lendo nomes de vários dos 130 mortos na repressão de 2017.

As áreas por onde marchavam os manifestantes anti-Maduro estiveram extremamente vigiadas por oficiais armados. Vários deles foram interrogados por cidadãos: "Por que não vêm com a gente?", ou "juntem-se a nós, vocês também são venezuelanos".

Houve distúrbios na madrugada de quarta, quando quatro pessoas foram mortas em Catia, em El Junquito e na estrada que liga La Guaira a Caracas.

Foram relatados episódios de repressão em Caracas, nos municípios de El Valle, Catia, Los Mecedores e El Junquito. Na maioria desses lugares predominam eleitores chavistas, tradicionalmente. Também se ouviram panelaços por toda a cidade durante o dia.

A repressão esteve presente por meio das Faes (Forças de Ações Especiais), do Conas (Comando Nacional Antiextorsão e Sequestro), da Polícia Nacional e da Guarda Nacional Bolivariana. O único morto identificado é um menor, o jovem Allixon Pizani, 16, que participava de uma manifestação com queima de pneus, em Catia.

Em San Felix, ao sul do país, foi incendiada uma estátua de Hugo Chávez. O busto apareceu horas depois, dependurado num poste da cidade.

Entenda a crise venezuelana


mar.13 Nicolás Maduro se torna presidente interino após a morte de seu padrinho político Hugo Chávez

abr.13 Maduro vence a eleição presidencial por margem de 1,5% dos votos; a oposição, liderada por Henrique Capriles, contesta

fev. a mai.14 Protestos convocados pelo opositor Leopoldo López deixa 43 mortos; López é condenado a quase 14 anos de prisão

mar.15 EUA impõem as primeiras sanções contra autoridades venezuelanas; Maduro reage

dez.15 Oposição conquista maioria da Assembleia Nacional pela primeira vez desde chegada do chavismo ao poder

jan.16 Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), ligado a Maduro, considera a Assembleia Nacional em desacato e anula decisões do Parlamento

abr.16 Oposição coleta assinaturas para realizar referendo revogatório do mandato de Maduro

out.16 Conselho Nacional Eleitoral (CNE), acusado de estar a serviço do chavismo, suspende a coleta e acusa a oposição de fraude

Alegando falta de verbas, CNE adia eleições regionais, previstas para dezembro

dez.16 Venezuela é suspensa do Mercosul

fev.17 CNE adia pela segunda vez as eleições regionais, alegando ser necessário recadastrar partidos políticos

mar.17 TSJ suspende imunidade de parlamentares e assume as funções da Assembleia Nacional; decisão provoca reação internacional e novos protestos

abr.17 Controladoria-Geral cassa direitos políticos do opositor Henrique Capriles por 15 anos

TSJ recua e anula decisão de a Suprema Corte assumir as funções do Poder Legislativo

mai 17 Maduro convoca Assembleia Constituinte, cujos membros seriam eleitos por setores da sociedade e por municípios

jul.17 É realizada a eleição dos membros da Assembleia Constituinte

Chega a 100 o número de mortos em onda de protestos contra o regime

ago.17 Constituinte, controlada pelo regime, aprova tomada de controle total dos outros cinco poderes do país

jan.18 Constituinte decide adiantar eleições presidenciais

mai.18 Maduro é reeleito para mandato de 6 anos em pleito marcado por denúncias de fraude, boicote da oposição, abstenção de 54% e falta de reconhecimento internacional

ago.18 Migração de venezuelanos se intensifica; ONU afirma que 2,3 milhões deixaram o país em dois anos

dez.18 Inflação acumulada em 12 meses ultrapassa 1.000.000% pela primeira vez, segundo a Assembleia Nacional

ONU anuncia que 3,3 milhões de pessoas deixaram Venezuela desde 2015

jan.19 Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional, se declara presidente interino do país e diz que convocará eleições em 30 dias. Dois dias depois, é preso e liberado em seguida

Assembleia Nacional anuncia a criação de um governo de transição

Atos em Caracas pedem renúncia de Maduro e ao menos quatro pessoas são mortas, após forte repressão

Guaidó se declara de novo presidente interino e faz juramento aos manifestantes

Brasil e outros 12 países reconhecem Guaidó como novo líder da Venezuela. Fonte: Folha de S. Paulo

3 comentários:

  1. Assim como o Ditador Maduro tem que sair.Assim o ditador prefeito de Belém que aumenta o Iptu,atrasa salário de medico,sucatei as unidades de saude e upa de Belém,maltrata os servidores,permite só ónibus velho para transportar a população,viaja com dinheiro publico para outro País,atrasa pagamentos de empresas prestadora de serviços para o municípios, paga os meios de comunicação com dinheiro publico para falar bem de sua gestão,deixa a cidade entregue ao lixo e tantos outras mazelas tem que sair imediatamente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É amigo, mas ao contrário de la aqui, boa parte da imprensa apóia esse prefeito irresponsável!

      Excluir
  2. Zenaldo,é um parasita profissional. Nunca teve uma profissão. Nunca trabalhou.Sempre viveu dos cofres públicos!

    ResponderExcluir