VER-O-FATO: Barragens da Vale, Rio do Norte, Alcoa, Hydro e Imerys no Pará são seguras ou podem romper-se? Hoje, ao vivo, no "Linha de Tiro"

quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

Barragens da Vale, Rio do Norte, Alcoa, Hydro e Imerys no Pará são seguras ou podem romper-se? Hoje, ao vivo, no "Linha de Tiro"

Barragens da Rio do Norte, em Oriximiná: foto de Carlos Penteado
Nesta quinta-feira, a partir das 8 da noite, ao vivo, o programa "Linha de Tiro vai tratar das barragens das mineradoras no Pará, a propósito da tragédia humanitária e ambiental que se abateu sobre Brumadinho (MG) e todo o país, na semana passada. Essas barragens são seguras? A Semas as fiscaliza como deveria?

O convidado do programa é o advogado Ismael Moraes, que defende 70 comunidades de Barcarena em processos contra a mineradora norueguesa Norks Hydro. Como estão essas barragens da Hydro? No programa também estará o sociólogo da Universidade Federal do Pará, professor Márcio Ponte.

E de Brasília, a luneta jornalística do Pará na capital federal, o jornalista Val-André Mutran, com novidades sobre a questão ambiental e a segurança das barragens paraenses. Na mediação do debate, o jornalista Carlos Mendes.  Linha de Tiro, um programa sem censura, sem patrão e sem balcão. Links para assisti-lo e dele participar com perguntas e comentários: 
 https://www.facebook.com/verofatonoticias/

www.ver-o-fato.com.br

https://www.instagram.com/ver.o.fato.noticias/

https://www.youtube.com/channel/UC-54N_aJhLmeQq2vtalmi2Q



2 comentários:

  1. a lei é clara: é crime se acusar de possível crime. Depois que acontecer, talvez possa acusar, mas nem sempre

    ResponderExcluir
  2. Sr. Carlos Mendes,

    O Conselheiro Nelson Luiz Teixeira Chaves não consegue se conformar com a justa e legal eleição do Conselheiro André Teixeira Dias como presidente do Tribunal de Contas do Estado do Pará.
    De forma maquiavélica, em conluio com os assessores (Josué Maestri e Gilberto Serique) da Conselheira Lourdes Lima, tenta agora impugnar a posse do Conselheiro André junto ao MPPA com o pífio argumento de que a mesma não poderia ser feita através de procuração. Ressalte-se que o inconformismo do Conselheiro Nelson, não encontra amparo em lei, mas tão somente demonstra sua real faceta.
    É o lobo em pele de cordeiro.

    ResponderExcluir