VER-O-FATO: Fantasma do navio Haidar se revira no fundo do rio, solta óleo e volta a assustar Barcarena

terça-feira, 25 de dezembro de 2018

Fantasma do navio Haidar se revira no fundo do rio, solta óleo e volta a assustar Barcarena

O navio reaparece para lembrar a catástrofe que já provocou na região
Três anos e dois meses após naufragar com 5 mil bois vivos no porto de Vila do Conde, em Barcarena, o navio Haidar, responsável por um dos maiores acidentes ambientais na região banhada pelo rio Pará - e que produziu catástrofe social cujos efeitos até hoje perduram, com poucas ações concretas das autoridades e donos da embarcação para remediar seus impactos - faz ressuscitar o fantasma da contaminação das águas. O óleo ainda armazenado no interior do Haidar voltou a vazar.

A Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Pará (Semas) confirmou o novo vazamento, registrado na última sexta-feira (21). Segundo a Semas, o óleo vazado estaria impactando o rio Pará, em desacordo com a legislação ambiental. O órgão, cujos técnicos estiveram no local, emitiu um auto de infração contra a Companhia Docas do Pará (CDP) e notificou a instituição para que mantenha de forma permanente uma barreira de contenção de óleo, com a manta que retenha o produto ao redor da área onde o navio está afundado para evitar que o óleo se espalhe. 

A Semas monitora o ocorrido e acompanha a execução das medidas que foram determinadas. A Secretaria de Meio Ambiente de Barcarena e a Capitania dos Portos também acompanham o caso. O navio Haidar afundou com mais 5 mil bois vivos e 700 toneladas de óleo, no dia 6 de outubro de 2015. 

O desastre ambiental é considerado um dos maiores registrados no Pará. O naufrágio deixou rastros de destruição pelos rios de Barcarena, Abaetetuba e ilhas vizinhas. A morte dos animais e o vazamento de óleo contaminaram a área prejudicando milhares de famílias. 

A CDP alega que não tem condições financeiras para retirar o navio do fundo do rio. (Do Ver-o-Fato, com informações da Semas e G1 Pará).

Um comentário:

  1. "Não tem dinheiro pra retirar o navio", verdade?, me comprem um bode!, é só verificar tantos e tantos casos de corrupção na CDP, para constatar-mos o real motivo da "falta de dinheiro" pra retirar o navio do fundo do mar.

    ResponderExcluir