VER-O-FATO: Delações revelam corrupção em obras no BRT, Portal da Amazônia e macrodrenagem da Estrada Nova. Tudo na gestão de Duciomar, o nefasto

sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Delações revelam corrupção em obras no BRT, Portal da Amazônia e macrodrenagem da Estrada Nova. Tudo na gestão de Duciomar, o nefasto

Dudu: corrupção aos montes
O Ministério Público Federal (MPF) deu início hoje (14), em Belém, a operação Forte do Castelo 2, que aprofunda as investigações sobre o esquema milionário de corrupção implantado na prefeitura de Belém durante os dois mandatos do prefeito Duciomar Gomes da Costa. Com base em delações premiadas de executivos da construtora Andrade Gutierrez, foi possível desvendar ainda mais fraudes em obras públicas na capital paraense.

Duciomar, que governou a capital paraense entre 2005 e 2012, chegou a ser preso na primeira fase da operação, em dezembro do ano passado. Ele já responde a seis ações de improbidade e cinco ações criminais pelas descobertas da Forte do Castelo 1. Agora, na Forte do Castelo 2, o MPF pediu e a Justiça Federal decretou cinco mandados de busca e apreensão em Belém e Brasília, que estão sendo cumpridos pela Polícia Federal. A operação tem ainda a participação da Controladoria Geral da União (CGU) e da Receita Federal.

As novas ramificações do esquema de corrupção, desvendadas pela investigação do MPF, mostraram fraudes e corrupção em grandes obras públicas conduzidas pela prefeitura na época: o Portal da Amazônia, a Macrodrenagem da Estrada Nova e o BRT Belém. As três obras permanecem inconclusas até hoje, passados seis anos do fim do último mandato de Duciomar Costa.

Nas delações homologadas pela justiça no primeiro semestre de 2018, os funcionários da empreiteira apresentaram testemunhos e provas do envolvimento de integrantes da administração municipal que até então não estavam implicados no esquema, responsáveis por direcionamento de licitações e desvios de verbas nas obras públicas. Os percentuais de propina chegavam a 8% dos valores recebidos pela empresa.

A operação foi batizada de Forte do Castelo, em referência à edificação histórica construída na fundação de Belém para conter ataques de invasores que rondavam a região.

Primeira fase - Antes da operação Forte do Castelo 1, Duciomar já respondia a processos criminais, ações civis públicas e ações de improbidade por problemas na aplicação de recursos da saúde e de diversos convênios federais. No total, ele é réu em 19 processos, só na Justiça Federal.

Os processos mais recentes foram abertos a partir de 2018 com base nas provas coletadas durante a operação que investigou o ex-prefeito e oito acusados de integrar o esquema. Na época, Duciomar foi preso na casa dele, no condomínio GreenVille, em Belém, onde foram encontrados documentos, aparelhos eletrônicos, uma máquina de contar dinheiro e R$ 210 mil reais em dinheiro vivo.

O primeiro grupo de investigados foi acusado de formar um esquema baseado na criação de empresas em nome de ex-assessores do prefeito que recebiam recursos públicos por meio de fraudes. Até a realização da operação, haviam sido identificados prejuízos de, pelo menos, R$ 400 milhões.

As empresas eram contratadas diretamente pelo poder público ou eram subcontratadas por construtoras vencedoras de licitações, como a Andrade Gutierrez. O patrimônio dos novos empresários ligados a Duciomar Costa, como o da atual companheira do ex-prefeito, Elaine Pereira, chegou a aumentar 200 vezes em pouco mais de dez anos. Fonte: MPF Pará.


9 comentários:

  1. Curiosamente algumas denúncias contra o ex prefeito Duciomar Costa foram encaminhadas ao MP Estadual mas não se tem notícias de conclusão dessas investigações! Mais uma parabéns ao MP federal!

    ResponderExcluir
  2. Esse cara foi um "Fenômeno", incompetente, corrupto,vide BRT,portal da Amazônia, e foi o pior Prefeito da história de Belém, até "surgir" o zenaldo coutinho.

    ResponderExcluir
  3. Espero que essa mesma postura de vocês jornalistas quando começarem os processos contra os corruptos e cassados Jateve e zenada.

    ResponderExcluir
  4. Mais nefasto do que o atual prefeito zenada, o Duciomar não é.A canara de vereadores de Belém tentou abrir a CPI do BRT, mas foi barrada pêlos vereadores comprados pelo prefeito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Revoltado aqui é o Estrangeiro a título de curiosidade exemplifica se possível apenas três desses vereadores corruptos e aliados ao traste do zenada que não permitiram a CPI

      Excluir
  5. Acreditamos que todos aqueles vereadores aliados a Duciomar estão com bens através de corrupção o mesmo esquema ilícito acontece na gestão do atual Prefeito, quantas vezes tentaram abrir CPI da Sesma mais não conseguiram de esse prefeito zenada barrar, tanto prova que uns dos envolvidos é seu vice

    ResponderExcluir
  6. Tem gente que acha que o seu sorriso enfetiçado vai livra-lo da queda,mais no mundo espiritual já foi confirmado a queda é só questão de tempo.

    ResponderExcluir
  7. Em Bragança, o covarde e corrupto prefeito tucano de vulgo Raimundão, na maior cara ofereceu a prefeitura pro MDB indicar o candidato a prefeito, que ele não vai disputar mais a reeleição e também a presidência do MDB local prá ninguém investigá-lo até o fim do mandato. FORA VAGABUNDO TUCANALHA.

    ResponderExcluir
  8. QUEM DIZ QUE AMA O DUDU, NÃO TEM DIREITO SE SE DECLARAR?

    ResponderExcluir