VER-O-FATO: Plano de arborização de Belém começa a ser aplicado em 2019

terça-feira, 27 de novembro de 2018

Plano de arborização de Belém começa a ser aplicado em 2019

A cidade já tem um inventário completo de árvores, segundo Pio Neto


O Plano de Arborização para a cidade de Belém, elaborado por uma comissão de técnicos qualificados de vários órgãos, acaba de ser concluído após vários meses de estudos detalhados sobre a cobertura vegetal da capital e os problemas enfrentados anualmente. De acordo com o secretário municipal de Meio Ambiente, Pio Neto, o resultado do estudo vai ser apresentado ao prefeito Zenaldo Coutinho e ao público nas próximas semanas.


Segundo Pio Neto, trata-se de um trabalho inédito, “um inventário completo das árvores de Belém, as necessidades de reposição, quantitativo, percentual de árvores saudáveis e afetadas, para ser viabilizado a partir de 2019”. O estudo foi elaborado por técnicos especializados da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Sema), Embrapa, Celpa, Ministério Público e Federação da Agricultura do Pará (Faepa).

O secretário lembrou que Belém não contava com um plano desta envergadura para poder planejar ações de arborização e paisagismo, por isso o prefeito Zenaldo Coutinho decidiu criar a comissão de notáveis do setor.

A Secretaria de Meio Ambiente de Belém já utilizava o protocolo de supressão e reposição vegetal, em que cada planta derrubada, o responsável é obrigado a plantar três. Pio Neto explicou que este protocolo está sendo utilizado ao longo da Avenida Augusto Montenegro, durante a construção do BRT. 
“No contrato para as obras foram estabelecidas cláusulas de supressão e reposição de vegetação, incluindo o paisagismo”, disse, garantindo que toda esta programação foi cumprida até o Conjunto Satélite, onde as obras do BRT já avançaram.

Com o Plano de Arborização, a gestão pública e a população vão saber o número exato de árvores existente, especialmente mangueiras, a situação em que se encontram e o que vai ser preciso fazer para podá-las ou salvá-las, se for o caso, pois alguns vegetais acarretam problemas sérios de calçamento e no trânsito atrapalham a visão dos motoristas. 
Para se ter ideia da dimensão do problema, por dia a Secretaria recebe uma média de 20 a 30 pedidos de podas de árvores, fora os acidentes causados pelas intempéries do tempo, em que árvores caem e acabam atingindo veículos. Nestes casos, as pessoas prejudicadas podem entrar com processo de indenização junto ao órgão público.


4 comentários:

  1. Pio Neto não adianta querer maquiar a verdade, e defender o teu chefe cabeção Sabemos que esse projeto deveria estar já em desenvolvimento deste a primeira gestão do teu patrão,tu mesmo quando Vereador de Belém não fizeste nada por essa arborização,principalmente por um dos nossos grande património histórico o Bosque Rodrigues Alves que eu sei tu entendes é de Segurança Publica e comentário de futebol,agora de projeto arborização, zero com todo respeito,conta outra que essa tá furada...

    ResponderExcluir
  2. Tem gente que vive criticando as boas iniciativas, como esse Plano de Arborização da cidade, por pura falta do que fazer. Ou pura inveja. Eu da minha parte, gostei muito da iniciativa e considero Pio Neto um homem competente em seu trabalho, seja como delegado e político. Parabéns, Pio, continue fazendo seu trabalho digno. Enquanto os cães latem, a caravana passa.

    ResponderExcluir
  3. Grande projeto. Belém e a população agradecem.

    ResponderExcluir
  4. Agora vamos saber quantas mangueiras centenárias temos na cidade, quais merecem cuidados especiais e quais oferecem riscos.

    ResponderExcluir