VER-O-FATO: O vídeo polêmico de Luiz Omar na entrevista ao "Linha de Tiro": vale a pena ver e comentar

sexta-feira, 30 de novembro de 2018

O vídeo polêmico de Luiz Omar na entrevista ao "Linha de Tiro": vale a pena ver e comentar


O ex-presidente fala de erros, e diz que é preciso humildade

“A arrogância, a prepotência e a soberba da atual diretoria foram os grandes responsáveis pelo rebaixamento do Paysandu para a Série C. Talvez, agora que o clube caiu, os novos dirigentes voltem a ter humildade e tragam a torcida de volta”. Essas e outras afirmações estão contidas na entrevista ontem ao programa Linha de Tiro ( cujo vídeo, com 1 hora de duração, você pode acompanhar aqui ao lado direito da página do Ver-o-Fato) do ex-presidente do Paysandu, Luiz Omar Pinheiro, responsável por colocar o clube na Série B do campeonato brasileiro.


Luiz Omar não economiza críticas aos responsáveis pelo rebaixamento e fala sobre as dificuldades que teve para dirigir o clube, superando inúmeros problemas e “tirando dinheiro do próprio bolso” para investir no departamento de futebol. 
Na entrevista ao Linha de Tiro, ele confirma ter gasto “perto de R$ 2 milhões” com o Paysandu, mas argumenta que hoje não faria isso. E lembra que o rebaixamento fez o Papão perder cerca de R$ 20 milhões em faturamento, cotas da CBF, patrocinadores, transmissão de TV, etc.



Veja alguns polêmicos trechos da entrevista de Luiz Omar e assista ao vídeo completo:
"Assumi o Paysandu num dos momentos mais difíceis de sua história, pois ele estava sem série, lutando por uma vaga na Série C dentro do campeonato paraense. Na minha gestão jogamos quatro anos na Série C sem que a CBF pagasse nenhuma  passagem de avião, nehuma hospedagem, nenhuma bola".
" Eu falava com qualquer torcedor que ia na Curuzu e tivemos mais de 5 mil torcedores na apresentação do atacante Fábio Oliveira. O estádio era aberto à torcida e no meu gabinete na sede do clube, na Avenida Nazaré, eu também recebia todo mundo".
" Nos seis anos da chapa Novos Rumos, o Paysandu foi totalmente fechado não só para a torcida como para dirigentes e ex-dirigentes. Eu, por exemplo, nunca recebi um convite para ir a eventos no Paysandu".
"Fui um presidente vitorioso e minha maior vitória foi sanear as dívidas. Quando assumi tinha 147 ações executadas contra o clube e quando sai deixei somente 17, com orçamento de R$ 5 milhões por ano".
"Hoje tem um orçamento de R$ 20 milhões e os caras (diretoria) rebaixam o Paysandu. Eu sempre falei que o prazo de validade desse grupo que eu chamo de seita, tinha acabado, que era de 6 anos e deu certinho. Tanto que agora mudaram o nome para Sempre Fiel". 
"Minhas prestações de contas tinham todos os documentos em cima da mesa para quem quisesse ver. Hoje, o Conselho Fiscal aprova as contas da diretoria sem ninguém ver nada e se forem pedir para ver os documentos eles jogam o cara lá de cima. O Conselho Deliberativo só serve para bater palmas".
"Há uma panelinha nesse Conselho Deliberativo, formado por alguns garotos, com o ímpeto da juventude, o que é natural, e meia dúzia de velhos irresponsáveis, beneméritos que compartilharam com a queda do Paysandu. Esse Conselho é um cinema, um factóide". 
" Na minha gestão, Paysandu contra time pequeno, no campeonato paraense, era 6,7 mil torcedores por jogo. RE X PA era 30 mil. O Sócio Torcedor é um projeto do clube muito tímido e a marca Lobo é um factóide, não sei a quem pertence".

"Estou gostando da ideia do novo presidente, Ricardo Gluck Paul, de abrir o Paysandu para a torcida, atrair o torcedor. Ele me telefonou. Espero que ele desça do pedestal".
"Tem que valorizar a base do clube, investir em bons atletas locais e trazer reforços que se identiquem com a torcida".

 

3 comentários:

  1. Já nem lembrava que o PSC ficou sem série nas três divisões nacionais. Luis Omar foi de uma sinceridade histórica...Naquele tempo só havia três divisões. Então, não foi privilégio do Remo não ter divisão...O tempo é o senhor da razão.

    ResponderExcluir
  2. O "engraçado" é que essa diretoria Amadora que rebaixou o paysandú, brigou com a imprensa, afastou o torcedor do clube e conseguiu em seis anos cair para terceira duas vezes. Tony couceiro toma vergonha na tua cara e te afasta definitivamente do paysandú, tú és um amador, tú não entende nada de futebol camarada, vai embora desse clube, se não bastasse essa péssima gestão couceiro, ele ainda tem a cara-de-pau de deixar outro incompetente no lugar dele, um sujeito chamado Gluck Paul. Enquanto a torcida do paysandú e o clube não se livrarem desses desses dirigentes amadores, o clube tende a se afundar cada vez mais. Se esse grupo de incompetentes que dirige o paysandú, desde 2012, que passou por Vandick Lima, Alberto Maia, Sérgio Serra, Tony couceiro e Ricardo Gluck paul, chama-se "novos rumos", eu prefiro como torcedor voltar para os "velhos rumos".

    ResponderExcluir
  3. PAPÃO nunca ficou sem série, o q aconteceu foi que, jogou muito mal a Série C(2007) ñ me fale a memória, aí como ficou mal colocado, no ano seguinte tinha que conauistar uma vaga através do Parazão, coisa que conseguiu, vontra o Ananindeua, gol do Zé Maluco, e jogou a C de 2008, portanto jamais ficou sem série!!

    ResponderExcluir