VER-O-FATO: Hoje à noite, contra o Guarani, o Sobrenatural de Almeida veste a camisa do Paysandu

sábado, 10 de novembro de 2018

Hoje à noite, contra o Guarani, o Sobrenatural de Almeida veste a camisa do Paysandu

O gol de Diego Ivo contra o Oeste: o "Sobrenatural" estava lá. E hoje?


O "Sobrenatural de Almeida", personagem criado em 1968 pelo genial Nelson Rodrigues, entra em campo está noite, vestindo a camisa do Paysandu, contra o Guarani, em Campinas (SP). A onzena paraense enfrenta uma série de 3 partidas, as últimas da Série B deste ano, com a obrigação de vencer todas e ainda torcer para que o primeiro adversário fora da zona de rebaixamento, o CRB, perca duas partidas, ou ao menos empate uma e vença seu último jogo em casa. 
Nesse caso, o Papão estaria salvo de cair para a Série C, o purgatório do futebol brasileiro, onde já se encontra o rival, Clube do Remo.

O time do Paysandu faz uma péssima campanha, fruto de contratações de jogadores de baixo nível técnico, alguns em final de carreira, numa operação desastrosa da atual diretoria do clube, comandada por Tony Couceiro. A imensa e fanática torcida anda cabisbaixa e não confia no time. Das 35 partidas até agora disputadas na competição nacional, o clube venceu apenas 8, um número ridículo para quem sempre ostentou a condição de bater os adversários dentro de casa.

Então, o que fazer, esta noite em Campinas, quando o time entrar em campo? Nelson Rodrigues diria logo que a vitória do Paysandu será uma "colossal zebra", obviamente produzida pelo "Sobrenatural de Almeida". Por qualquer gol de diferença, um mísero golzinho. Mesmo que o Papão, para variar, enfrente um tremendo sufoco do adversário e faça um monte de bobagens no decorrer da partida. Ah, dirão os torcedores do bicolor, mas o time é muito ruim.

O que importa se o "Sobrenatural de Almeida" estiver dentro de campo, vestindo o manto sagrado do bicampeão brasileiro e Campeão dos Campeões? O goleiro é fraco, não sabe sair do gol em bolas cruzadas. A defesa é pessíma e dá mole para os atacantes do adversário. O meio-campo é um deserto de criatividade. E o ataque, para variar, bate cabeça na hora de enfiar a bola para dentro do gol. Esqueçam tudo isso. 
É vencer ou vencer, melhor ainda com um gol do "Sobrenatural de Almeida". Zagueiro do Guarani faz contra, o goleiro toma um frango, o que vier é lucro.

É um otimista maluco esse redator do Ver-o-Fato, pensarão os torcedores do Paysandu. Pois que pensem. Nada interessa e tudo pode acontecer se o "Sobrenatural de Almeida", aquele que faz o imponderável virar realidade, fizer o gol da vitória do maior e melhor do Norte.

Gente, o imponderável não é destino nem mistério. Faz parte do jogo, da vida. O futebol está metido nisso. São lances corriqueiros, frequentes, que não sabemos onde e quando ocorrerão. O imponderável não torce para ninguém. Mas, aqui para nós, esperamos que esteja ao lado do Paysandu, esta noite. E por que só ao lado do Paysandu e não do Guarani? Simples: porque o Papão está no fundo do poço e o "Sobrenatural de Almeida" só ajuda quem ele absolve de erros e pecados.

Nesta série B de 2018, o time bicolor já errou e pecou demais. Esgotou sua cota de bobeiras. Quer dizer, espera-se que tenha esgotado. Agora, não pensemos nisso. Torçamos na frente da TV. É o que nos resta. Não há futebol sem o mínimo de absurdo. Nem na mais abjeta pelada de fundo de quintal. Ou no estádio do Guarani.

O "Sobrenatural de Almeida" está aí para provar isto. Ele já esteve em Fla x Flu, em jogo do Olaria, em partida do Palmeiras, no racha entre solteiros e casados, enfim, até com a camisa do Paysandu. 
Por exemplo, ele esteve presente no jogo de terça-feira passada, na Curuzu, materializado no gol de cabeça do zagueiro Diego Ivo, nos segundos finais da partida contra o Oeste (SP).  E tem tudo para voltar a campo hoje em Campinas, não é mesmo? 

Já não temos mais nada a perder. Pois vamos ao jogo. 

3 comentários:

  1. Saiu agora há pouco pesquisa Doxa apontando que o Paysandu tem 90% de chances de NÃO cair! Kkkkkkk!

    ResponderExcluir
  2. Sou torcedor do paysandú, mas particularmente acho que o mesmo não escapa do rebaixamento, ou seja, a série C.

    ResponderExcluir