VER-O-FATO: PF reprime contrabandistas de cigarros em Altamira e Vitória do Xingu; policiais civis na parada

quarta-feira, 31 de outubro de 2018

PF reprime contrabandistas de cigarros em Altamira e Vitória do Xingu; policiais civis na parada

Os cigarros chegavam ao Pará vindos do Paraguai
A Polícia Federal deflagrou, na manhã de hoje a "Operação Alcatrão" com o objetivo de desarticular associação criminosa responsável pela aquisição e distribuição de cigarros contrabandeados em Altamira e Vitória do Xingu, no centro geográfico do Pará.

Estão sendo cumpridos nove mandados de busca e apreensão e três mandados de prisão preventiva nas cidades de Altamira e Vitória do Xingu, expedidos pela 1ºVara da Justiça Federal de Altamira.  

As investigações duraram 8 meses, período em que a Polícia Federal de Altamira realizou três prisões em flagrante de contrabandistas locais, e levantou informações importantes que puderam elucidar todo o modus operandi da organização criminosa.  

Os cigarros contrabandeados têm origem do Paraguai e, ao chegarem em Goiânia (GO), recebem nova distribuição, ocasião em que são fornecidos a contrabandistas locais do interior do Pará. Já nestas cidades, policiais civis juntavam-se com contrabandistas locais para apreender ilegalmente carregamentos de cigarros de contrabandistas concorrentes, exigindo vantagem indevida para a não lavratura da prisão em flagrante. 

Estima-se que o grupo criminoso movimentava mensalmente cerca de  R$ 250 mil na atividade criminosa, valor equivalente a 250 caixas de cigarros contrabandeados. 

Os investigados responderão pelos crimes de associação criminosa, contrabando e concussão, no teor dos artigos 288, 334-A, e 316, respectivamente, do Código Penal Brasileiro, e as penas podem chegar até 8 anos de prisão. 

Alcatrão, o nome da operação da PF, é o conceito de um conglomerado de substâncias, escuro e com odor, que contém em cigarros. Ele pode gerar enfisema pulmonar e câncer, sendo esta doença aplicada metaforicamente à corrupção no país, que também foi objeto da investigação. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário