quinta-feira, 6 de setembro de 2018

Mais um feminicídio no Pará: a vítima é jornalista e morava em Marabá; criminoso se entrega

Nascimento se entregou à polícia, confessando o crime e a covardia
A jornalista Simone Aparecida Pereira: foto horas antes do crime


A banalização do feminicídio - que precisa ser combatido com mais rigor pela própria sociedade, pela polícia, ministério público e pela justiça - fez mais uma vítima no país: a jornalista Simone Aparecida Pereira, de 35 anos. Ela foi morta ontem a facadas, em Marabá, no sudeste do Pará, pelo ex-marido, Leandro Gomes Nascimento, que já está preso e confessou o crime. O assassino tinha 2 filhos com a jornalista e a matou de forma covarde, na frente do namorado, David Pasqual Medeiros. Nascimento estava separado de Simone.


Segundo a polícia, ele foi à casa da ex-companheira, bateu na porta, entrou e ao vê-la com o atual namorado a esfaqueou com vários golpes. Simone morreu na hora. Foi o namorado quem abriu a porta, pensando tratar-se de alguém conhecido da jornalista.

Horas antes de morrer, a jornalista publicou em sua página no facebook uma foto na qual aparecia com Nascimento e os filhos num desfile escolar em comemoração à independência do país.O cabo Barros, da Polícia Militar, relatou que sua guarnição havia sido informada sobre um esfaqueamento e dirigiu-se para o local, na quadra 29 da folha 33, na Nova Marabá, mas chegou tarde, porque Simone já estava morta.

A jornalista era editora de multimídias. Já havia trabalhado na Rede TV e SBT e atualmente era contratada da prefeitura de Marabá. A polícia acredita que a vítima tenha sido seguida por Nascimento após sair do trabalho. O caso está sendo investigado pela Delegacia Especializada de Atendimento a Mulher (DEAM).

Em nota, o Sindicato dos Jornalistas do Estado do Pará (Sinjor-PA) repudiou o assassinato de Simone, criticando a violência contra a mulher, além de solidarizar-se aos familiares.

De acordo com o portal do Grupo Correio, de Marabá, Nascimento se entregou na 21ª Seccional Urbana de Polícia Civil, na noite de ontem. A reportagem do Correio conversou com a testemunha. David Medeiros informou que se relacionou com Simone no passado e agora acreditava que ela e Leandro Nascimento estavam separados.

Ele conta que almoçou com a vítima e ela pediu para tomar um banho, no momento em que o acusado bateu à porta. Medeiros pensou que se tratava de um vizinho, por isso a abriu. Ainda segundo ele, Nascimento invadiu o quarto e flagrou a vítima, a quem questionou: “Simone, por que você fez isso comigo?”. Neste momento, Medeiros afirma ter perguntado ao homem: “Fez o quê, Leandro?”.

O acusado, no entanto, não teria respondido. Em seguida se apoderou de uma faca que estava na pia e partiu na direção da vítima. A testemunha diz que correu até a esquina para pedir ajuda. “Até então, que eu saiba, eles estavam separados”, relatou. Nascimento teria seguido a vítima até a quitinete, pois já desconfiava que ela poderia ter ido se encontrar com Medeiros.

Após esfaquear a mulher, ele fugiu e Medeiros voltou à quitinete, onde encontrou o corpo de Simone, enrolado em uma toalha, no chão do banheiro. A faca ensanguentada estava jogada ao lado. A informação que circulou entre pessoas e familiares da vítima é de que Simone estaria realmente separada de Nascimento, mas este estaria tentando uma reconciliação. (Do Ver-o-Fato, com informações dos portais Pará News e Grupo Correio).

Nenhum comentário:

Postar um comentário