VER-O-FATO: Esquenta disputa no Tribunal de Justiça por vaga deixada pelo juiz Elder Lisboa. Critério é político?

segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Esquenta disputa no Tribunal de Justiça por vaga deixada pelo juiz Elder Lisboa. Critério é político?

Juiz Magno Guedes Chagas, o favorito
Havia uma disputa acirrada pelo preenchimento do cargo na 1ª Vara de Fazenda de Belem, do Tribunal de Justiça. Essa vara era ocupada pelo juiz Elder Lisboa Ferreira da Costa, que faleceu no dia 20 de julho passado. Vários juízes entraram na relação para assumir a titularidade, pelo critério de antiguidade da 3ª entrância, mas a direção do TJ ainda não decidiu quem deve ser o ungido. No meio do certame, muitos desistiram.

Pelos corredores do TJ, o que se diz é que a disputa não é mais pela regra tradicional, mas por quem tem maior cacife político, ou padrinho. Nada de novo sob o sol do judiciário. É claro que isso não implica em subordinar o escolhido à vontade de quem comanda o jogo, o que seria uma interferência indevida na autonomia do julgador. Contudo, é bom observar que o código judiciário do Tribunal precisa ser seguido ao pé da letra para que os critérios da escolha não sejam levados às calendas tupiniquins.

De acordo com as últimas avaliações entre os desembargadores, o juiz Magno Guedes Chagas, atual titular da comarca da Vigia, já superou todas as provas de fogo para conquistar a vaga na capital. Ele reúne condições fundamentais para o cargo, além da antiguidade: possui notório saber jurídico e não responde a nenhum PAD.

Estranhamente, porém, ainda não foi entronizado no cargo. Quem responde pela 1ª Vara, na interinidade do cargo, é a juíza Andréa Bispo.


 
Gostou da matéria?
Então clique em nossas redes sociais, abaixo, e siga as últimas notícias em tempo real, direto na sua timeline:
https://www.facebook.com/verofatonoticias/
https://www.instagram.com/ver.o.fato.noticias/
https://twitter.com/verofato





8 comentários:

  1. Agora eu faço uma pergunta,como os juízes vão julgar uma sentencia de cassação se dependem de políticos é por isso,que sou contra a prisão do ex_presidente Luiz Inácio Lula da Silva.Agora entendo também é por isso,que servidores tanto do Estado e dos Municípios de Belém,quando então com petição em desfavor a fazenda ,esses servidores sempre perdem a sentença para os governo devido a parcialidade

    ResponderExcluir
  2. O anônimo não entendeu. No caso presente, não se trata de política partidária, mas política interna no TJ. Alguem com poder de mudar as coisas, quando a regra do código judiciário é clara.

    ResponderExcluir
  3. Fora todos os corruptos dos três poderes, fora Barbalhos!

    ResponderExcluir
  4. Carlos Mendes porque não um concurso público? Seriam estabelecidos os critérios, os pré-requisitos e tudo o mais e quem obtivesse a maior nota ficaria com a vaga. Simples não?

    ResponderExcluir
  5. BARBALHO :"O PIOR PREFEITO DA HISTÓRIA DE ANANINDEUA ".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse Homem só foi bom prefeito nas redes sociais, no horário eleitoral e nos veículos de comunicação dele, pois a realidade é bem diferente, pergunte a população de Ananindeua, ele foi o pior Prefeito da história de Ananindeua. Como esse cidadão tem a cara de pau de mentir descaradamente nas redes sociais dizendo que foi bom prefeito se em 2014 na eleição para o governo do estado ele perdeu em Ananindeua?

      Excluir
  6. Marcos Paulo, o preenchimento de vaga de 3ª Entrância, para substituir juiz falecido, afastado ou de alguma forma impedidod e exercer o cargo na titularidade que ocupava, é uma prerrogativa do TJ e isso está consignado no Código Judiciário. O concurso para juiz é outra situação, aquela em que há carência de magistrados nas comarcas. Aliás, a respeito disso, o Tribunal ainda não conseguiu lotar pelo menos dois juízes em cada uma das 144 comarcas. Com isso, quem sofre é o jurisdicionado.

    ResponderExcluir
  7. Agora por que não conseguiu, é óbvio porque a políticagem é quem manda.favor sem réplica. ..

    ResponderExcluir