VER-O-FATO: Edmilson cobra investigação de contratos da Pró Saúde com o Pará

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Edmilson cobra investigação de contratos da Pró Saúde com o Pará

A Pro-Saúde está em todas: agora, abocanhou o "Abelardo Santos"


O deputado federal Edmilson Rodrigues anunciou no plenário da Câmara Federal, ontem, que mandou ofício ao Ministério Público Federal para investigar os contratos firmados pelo governo do estado do Pará com a Pró Saúde. A organização social é alvo da fase S.O.S, da operação Lava-Jato, acusada de viabilizar o desvio de R$ 74 milhões na gestão do ex-governador Sérgio Cabral, no Rio de Janeiro.


"Quando fui deputado estadual acompanhei relatórios das investigações feitas pelo promotor de justiça Sávio Brabo, do Ministério Público do Estado, constatou-se a falta de transparência e sinais de superfaturamento (de contratos da Pró Saúde com o governo de Simão Jatene). Solicito ao MPF que investigue os contratos, que já são oito hospitais públicos administrados pela Pró Saúde no Pará, incluindo um hospital que só será inaugurado no final do ano, no distrito de Icoaraci. Esse hospital já tem contrato firmado desde o (último) dia 1o de agosto até 2023. isso é realmente muito estranho. Vamos combater os vícios e a corrupção", declarou Edmilson em plenário.

No Rio de Janeiro, o ex-secretário de saúde Sérgio Cortês, foi um dos 20 acusados que teve a ordem de prisão expedida pela justiça. Os executivos da Pró Saúde, em acordo de delação premiada, vencia licitações públicas em concorrências de fachada e repassavam 10% do valor dos contratos para pagar propina.

No Pará, a Pró Saúde é a organização que mais administra hospitais públicos no Pará, sendo em Belém os hospitais Galileu (HPEG) e Oncológico Infantil Octávio Lobo (HOIOL); o Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE) em Ananindeua; o Materno Infantil de Barcarena (HMIB); o Regional do Baixo Amazonas do Pará - Dr. Waldemar Penna (HRBA), em Santarém; o Regional Público da Transamazônica (HRPT), em Altamira; o Regional do Sudeste do Pará (HRSP), em Marabá; e foi recentemente contratada, no valor de R$ 661 milhões, para administrar também o Hospital Regional Dr. Abelardo Santos (HRAS), em Icoaraci.


3 comentários:

  1. Já foi despejado um carro de Lexotan lá no palácio dos despachos!

    ResponderExcluir
  2. Se o MP tiver coragem de investigar pegará o ladrão e não ficará um meu irmão!Eita Pará paidegua dos Tucanalhas!

    ResponderExcluir
  3. Acredito que quem não deve não teme, como esta e a mais honesta das administrações que o Pará jateve,tá tudo mundo tranquilo afinal o suposto roubo foi la no rio de janeiro aqui não está tudo paltado maior transparência e honestidade nao e?

    ResponderExcluir