quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Alunos com deficiência alcançam rendimento de mais de 80% em curso de capacitação

O curso de reparador e operador de computadores tem 85% de aprovação

Ano passado, durante fiscalização, o Ministério Público do Trabalho (MPT) constatou que a empresa Biopalma S/A, do grupo Vale, não cumpria a cota legal de contratação de pessoas com deficiência em seu quadro de funcionários, prevista na lei 8213/91. O MPT propôs à empresa a assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) para evitar problemas judiciais.


No acordo, a Biopalma da Amazônia, em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem na Indústria (Senai), se comprometeu em realizar cursos anuais para pessoas com deficiência até 2022, a fim de capacitar e preencher a cota de pessoas com deficiência em atividade na empresa. O que foi assinado está valendo e sendo cumprido.

E os resultados, até agora, têm sido muito bons. A Biopalma apresentou no final de agosto passado os primeiros resultados de rendimento referentes ao curso. A primeira turma da capacitação começou no mês de fevereiro deste ano e será finalizada em novembro. Inicialmente composta por 30 alunos, e atualmente se mantém com 27, que realizam o curso de “operador e reparador de computadores”. 

Durante o primeiro semestre, o grupo teve cerca de 95% de frequência regular nas aulas e uma média geral de 8,8 nas avaliações, sendo a menor nota 8,3. Em abril deste ano, um dos alunos foi efetivado no quadro de funcionários da Biopalma. 

Recepção ao curso 

Ao final do primeiro semestre, o Senai realizou uma avaliação de reação sobre educação profissional com a turma, visando saber o grau de satisfação dos alunos com o curso. A avaliação obteve um resultado de 85% de aprovação. 

Além de oferecer ao aluno a oportunidade de atuar no mercado de trabalho de forma participativa, a capacitação também disponibiliza bolsa-auxílio de R$ 300,00 mensais para cada participante. Com carga horária de 440 horas, as aulas acontecem às segundas, quartas e sextas-feiras, no Centro de Desenvolvimento da Amazônia. (Do Ver-o-Fato, com informações do MPT no Pará e Amapá)

Nenhum comentário:

Postar um comentário