VER-O-FATO: Está na Folha, de hoje: ex-nº 2 da Integração Nacional levanta irregularidades em licitações

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

Está na Folha, de hoje: ex-nº 2 da Integração Nacional levanta irregularidades em licitações

Mário Ribeiro queria demitir 2 diretores, mas não conseguiu

Matéria do jornal "Folha de São Paulo" desta quinta-feira,2, mostra com detalhes o motivo da demissão do secretário da Integração Nacional, o paraense Mário Ribeiro, que pediu para sair do cargo porque foi desautorizado pelo atual ministro Antonio de Pádua - sucessor de Helder Barballho e por este indicado para substituí-lo - para demitir dois diretores envolvidos em irregularidades em licitações. A empresa que é alvo é a Premier, especializada em eventos, para a qual foi autorizado pagamento de R$ 1,4 milhão para eventos em Belém e Curitiba. Parte do dinheiro foi liberado na véspera da saída de Helder do Ministério. Veja, abaixo, a íntegra da matéria:


"Após tentar afastar, sem sucesso, dois funcionários do Ministério da Integração, o secretário-executivo Mário Ramos Ribeiro, número dois da pasta, pediu para sair levantando suspeitas em licitações. O pedido de exoneração, obtido pela reportagem, foi entregue no último dia 20 e narra uma série de irregularidades, atribuídas aos servidores. Um relatório listando todos os problemas encontrados pela Secretaria Executiva foi entregue à CGU (Controladoria-Geral da União).

Em um dos casos listados no documento, o então diretor do DGI (Departamento de Gestão Interna) do ministério, Reynaldo Aben-Athar, autorizou pagamentos a uma empresa prestadora de serviços antes mesmo da assinatura do contrato. Trata-se da Premier, com sede em Curitiba, especializada na realização de eventos.

O caso ocorreu em abril deste ano, poucos dias antes de o atual ministro, Pádua Andrade, assumir a pasta. Até então, a Integração Nacional era controlada por Hélder Barbalho, filho do senador do MDB Jader Barbalho e que renunciou ao cargo para disputar a eleição para governador do Pará.

Segundo a denúncia de Ribeiro, o pagamento foi autorizado na última semana de Hélder à frente do ministério, em 4 de abril, e o contrato foi firmado no seu último dia na Integração Nacional, em 6 de abril. O prazo limite para que políticos que quisessem concorrer a cargos eletivos deixassem o Executivo era 7 de abril, um sábado.

Dados do Portal da Transparência mostram que, no dia da assinatura do contrato, o ministério empenhou (comprometeu-se a pagar) R$ 1,4 milhão à empresa. Em 10 de maio, foi emitida ordem bancária de pagamento de R$ 551 mil, referentes ao custeio de eventos em Brasília e Belém, base eleitoral de Hélder.

Ribeiro não faz acusações ao ex-ministro, nem ao atual, que também é paraense, reduto político dos Barbalho. Porém, em desabafo escrito a colegas, a que a reportagem também teve acesso, o executivo queixa-se de que Pádua não bancou as demissões.

Ribeiro afirma que havia exonerado Geraldo Oliveira, um dos coordenadores da DGI, e havia pedido ao ministro que fizesse o mesmo com Aben-Athar. Ele afirma que os dois servidores "desenvolviam a prática criminosa de assinar contratos de compra em licitações, sem ter alçada para tanto". Com a recusa de Pádua em publicar a portaria que afastava Oliveira e em exonerar Aben-Athar, Ribeiro anunciou que decidira sair.

Nesta quinta (1º), após a repercussão interna do caso e a denúncia feita à CGU, Pádua Andrade exonerou Aben-Athar e Oliveira. Os despachos foram publicados no Diário Oficial da União (DOU), juntamente com a demissão de Ribeiro. Para o lugar do secretário-executivo, foi nomeado o chefe de gabinete do ministro, Gustavo Canuto.

Segundo as denúncias feitas por Ribeiro, as licitações suspeitas transitaram sem o conhecimento da Secretaria Executiva. Desde fevereiro de 2017, esta análise era requisito obrigatório no ministério.

Em outro caso narrado, o secretário-executivo acusa os servidores de, atipicamente, acelerar um processo de licitação em questão de horas.

A licitação foi lançada em junho de 2017, para a contratação de suporte, segurança e atualização de rede de internet. O TCU (Tribunal de Contas da União) parou o processo em outubro e o liberou dois meses depois, em dezembro.

Foi então que, no intervalo de duas horas, no dia 27 de dezembro, a FAB (Força Aérea Brasileira) e o Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia entraram no processo.

Os funcionários acusados autorizaram os dois órgãos a fazerem adesão à ata de registro de preços. Por esse sistema, uma instituição que não participou da licitação pode aderir a ela e adquirir serviços da empresa escolhida na licitação, tendo como base os valores definidos no leilão.

O Ministério da Integração informou em nota que aceitou a demissão do ex-secretário e afastou os dois servidores citados, que segundo a nota negaram as acusações.

A assessoria do ministério informou ainda que será aberta uma sindicância. "Só haverá punição a qualquer servidor depois de apurados os fatos, respeitando o processo legal e garantido o direito do contraditório e da ampla defesa", conclui a nota.

O ex-ministro Hélder Barbalho e a Premier não atenderam aos telefonemas da reportagem. Mário Ribeiro e Reynaldo Aben-Athar disseram que não se pronunciariam."


Gostou da matéria?
Então clique em nossas redes sociais, abaixo, e siga as últimas notícias em tempo real, direto na sua timeline:
https://www.facebook.com/verofatonoticias/
https://www.instagram.com/ver.o.fato.noticias/
https://twitter.com/verofato

4 comentários:

  1. O mais impressionante é que tem gente que defende dois sujeitos como esses, Jader Barbalho e Hélder Barbalho, com histórico de corrupção que chega a dar inveja a Al Capone.

    ResponderExcluir
  2. Pelo que li da matéria o sr Mário Ribeiro não fez nenhuma acusação a Hélder Barbalho

    ResponderExcluir
  3. Na verdade essa matéria não traz nenhuma acusação contra o nosso futuro governador Hélder e mesmo quem veiculou a notícia tenha a intenção de prejudicar a campanha dele, não alcançará êxito pois o povo do Pará elegerá Hélder governador!

    ResponderExcluir
  4. Os tucanos do Pará estão doidos varridos para aparecer alguma acusação contra Helder para manter as remotíssimas chances de vitória do 'poste' Márcio Miranda. Os "onestos" tucanos toleram a corrupção quando estes a beneficiam, como ocorreu em 2014 com o cheque-moradia!

    ResponderExcluir