terça-feira, 21 de agosto de 2018

A rotina de horror de cadeirantes e idosos nos ônibus de Belém


Parece maldição, ou castigo, mas não é. É a pura, cruel, realidade de uma cidade onde o poder público tudo cobra de impostos e taxas, embora nada fiscalize. Veja, por exemplo, o tormento diário que é a vida de cadeirantes, idosos e pessoas com alguma dificuldade de locomoção. É saga grotesca quando essas pessoas precisam pegar um ônibus em qualquer ponto da região metropolitana de Belém.


Se já é difícil encarar as calçadas assassinas, desniveladas, cheias de buracos e entulhos, imagine entrar numa dessas carroças que os empresários da Setransbel chamam de ônibus. Bom, fiquemos, por enquanto, com mais um relato, desta feita no Facebook, sobre o horror de ser usuário de transporte coletivo nesta abandonada cidade. O relato, com as fotos acima, é da astuta jornalista Selma Amaral.

"Hoje, passei uma experiência nada agradável, mas que faz parte da rotina das pessoas cadeirantes. Os ônibus não fazem manutenção dos elevadores das portas de acesso. O coletivo da linha 635 CDP Providência apresentou esse problema e ainda travou o degrau do estribo do carro junto ao assoalho.

A viagem foi interrompida e todos nós descemos do ônibus numa ação arriscada. Muita gente precisou ser carregada. Fica aqui a denúncia ao Conselho Municipal de Transporte, que só apaece em tempos de reajuste das passagens e, também aos que estão reclamando da campanha da SetransBel. Bom dia!"

Com a palavra, dona Semob.
                                                                                          Gostou da matéria?

Então clique em nossas redes sociais, abaixo, e siga as últimas notícias em tempo real, direto na sua timeline:
https://www.facebook.com/verofatonoticias/
https://www.instagram.com/ver.o.fato.noticias/
https://twitter.com/verofato

3 comentários:

  1. Parece que esse Mp do para não faz nada! Só se curva diante dos poderosos!

    ResponderExcluir
  2. O MPE através da Promotoria de Defesa das Pessoas com Deficiência e Idosos desde 2004 vem ajuizando ações judiciais com pedidos cominatórios e de obrigação de fazer contra Prefeitura de Belém, SEMOB, Setransbel e empresas de ônibus, muitas já com decisões de 2o grau condenando e determinando cumprimento aos requisitos de acessibilidade. Alguns recursos foram admitidos com efeito suspensivo. Ver algumas decisões disponíveis na internet abaixo que confirmam isso: https://tj-pa.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/165941366/apelacao-apl-201330185592-pa
    Outra ação do MPE com decisão do TJE condenando Empresas de Ônibus e Setransbel:
    https://tj-pa.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/164679653/apelacao-reexame-necessario-reex-201030187468-pa

    ResponderExcluir
  3. Acho que o Sebastião lago está delirando pois somente o MPF é atuante nesse estado!

    ResponderExcluir