domingo, 22 de julho de 2018

Jornal The Guardian destaca a luta de dona Maria do Socorro, a quilombola do Pará que enfrenta a poderosa Hydro


A edição de ontem, 21, do jornal inglês The Guardian, um dos mais lidos e influentes da Europa, destaca a luta de dona Maria do Socorro Silva, a líder quilombola e dirigente da entidade Cainquiama que enfrenta a Hydro e seu poder para fugir dos crimes ambientais e sociais que pratica na região de Barcarena. O título da reportagem diz que os dirigentes da Hydro "deveriam estar na cadeia" e que Socorro está "lutando contra a enorme fábrica de alumina no Brasil". Leia, abaixo, a matéria - traduzida.

"Uma voz de advertência ao telefone, uma intrusão doméstica, um soco no rosto, um cano de pistola cutucado contra a orelha. A intimidação contra Maria do Socorro Silva veio em muitas formas desde que ela começou a defender sua casa na Amazônia contra a maior refinaria de alumina do mundo e seus apoiadores do governo local.


Como líder dos moradores da floresta - comunidades indígenas, quilombolas e ribeirinhas - Socorro deveria ficar aterrorizada. Sua casa é no Pará, o estado mais letal para ativistas da terra no Brasil , o país mais assassino do mundo. Dois associados e amigos foram mortos desde dezembro.

Mas há fúria em vez de medo aos olhos da mulher diminuta e poderosa enquanto ela fala da planta industrial que ameaça seu quilombo, uma comunidade estabelecida na floresta por escravos africanos que quebraram suas correntes.

“Vamos lutar contra isso? Sim. Mais morrerá? Sim! ”Ela cospe, suas mãos formando punhos. “Eles matam a água, o ar e os animais. Eles devem ser colocados na prisão", diz ela.

Estar na presença de Socorro é enfrentar uma tempestade. Animada e zangada com a refinaria e com o governo, ela também chora sobre a situação de sua comunidade e meio ambiente. Isso - o povo e a terra - vem em primeiro lugar. Só então ela fala de si mesma, silenciosamente deixando escapar que acaba de ser diagnosticada com câncer. Os resultados dos testes indicam altos níveis de contaminação por chumbo no sangue. 

Há 10 anos, ela vem lutando em várias frentes: contra a refinaria norueguesa Hydro Alunorte, em Barcarena, contra a mina de bauxita da Albrás que a fornece, contra políticos poderosos, contra investidores, contra os consumidores do primeiro mundo que usam estanho. latas, alumínio, panelas antiaderentes, barris de cerveja e peças de avião sem pensar nos custos ambientais e sociais.

Para um estranho, pode parecer estranho a princípio que uma descendente de escravos rebeldes africanos esteja liderando pessoas da floresta amazônica nesta campanha. Mas para Socorro, a luta é profundamente pessoal, além de historicamente simbólica. É sobre terra, raça, desigualdade e justiça.

Seus antepassados ​​estavam entre os 4,9 milhões de africanos brutalmente forçados a trabalhar em casas e plantações no Brasil, a maior nação escrava do mundo e a última a abolir a prática. Alguns se rebelaram, muitos fugiram para regiões remotas como Barcarena para construir seus próprios refúgios livres, conhecidos como quilombos. Hoje, existem 2.962 dessas comunidades, que abrigam cerca de 16 milhões de habitantes (ou quilombolas).

Mesmo após a emancipação em 1888, as condições para os afro-brasileiros continuaram sombrias. Há mais de um século, o máximo que os quilombolas poderiam esperar era ser ignorado. Mas nos últimos anos, eles fizeram campanha pelo status legal, o que os autorizou a direitos de propriedade e benefícios sociais.

Quando a comunidade de Socorro foi finalmente reconhecida pelo governo em 2014, ela disse que estava entre os momentos mais importantes de sua vida. “Isso é um reconhecimento de que eu não sou invasor, sou quilombola”, disse ela na época.

Conseguir a terra era uma coisa, manter, outra. No Congresso, a poderosa bancada ruralista está pressionando para derrubar os direitos dos grupos indígenas e quilombolas, para que mais terras possam ser tomadas pelas empresas de agronegócio e mineração. Este é o principal motor da violência no Pará, que tem mais quilombos do que qualquer outro estado.

Barcarena não está mais isolado. A população cresceu com a abertura de ligações rodoviárias e fluviais, uma mina de bauxita e uma zona industrial. Leva apenas três horas para percorrer os 40 km de Belém, uma jornada que uma vez levou dias.

Entre as palmeiras, as hortas de quilombo e a aldeia indígena agora precisam disputar espaço com fábricas e lojas. A tensão sobre o espaço está crescendo. A expansão da refinaria de alumina está no centro dos planos de desenvolvimento econômico promovidos pelos políticos locais. No caminho, está Socorro, sua comunidade e suas alegações de apropriação de terras, poluição e corrupção.

Quase uma década atrás, ela começou a denunciar a refinaria, então de propriedade da mineradora brasileira Vale. Uma das piscinas de rejeitos, ela afirmou, foi construída sem permissão em uma área ambientalmente protegida.

“No início, não percebemos o que estava acontecendo porque a fábrica era pequena. Mas à medida que crescia, começamos a perceber. Primeiro os pescadores, depois os animais. Nossas plantas foram destruídas ”, diz ela. “Eu tenho reclamado desde 2009, mas ninguém faz nada porque o prefeito está envolvido. O governo é bandido e assassino. Eles não têm respeito por nós.

As autoridades ignoraram seus avisos, ela disse, porque eles estavam do lado da empresa e, além disso, ela era um quilombola - sem dúvida o grupo mais negligenciado do Brasil. Mas ela continuou pressionando o caso. Como presidente da Associação dos Caboclos, Indigenas e Quilombolas da Amazônia (Cainquiama), que representa milhares de habitantes das florestas locais, ela organizou protestos e abriu dois processos contra a Hydro Norte. Denunciou a empresa aos promotores públicos, à Assembléia Legislativa do Estado do Pará e à mídia.

“Os noruegueses ficam ricos às nossas custas. Eles não se importam com nossos pobres e miseráveis ​​”, a matriarca lamentou enquanto a família e os amigos olhavam para sua casa murada. Sua vida está em risco. No ano passado, 57 defensores da Terra foram assassinados no Brasil, mais de um quinto do total mundial , segundo a Global Witness. A grande maioria ocorreu na Amazônia, onde a natureza rica, o policiamento deficiente e a corrupção extrema criam uma cultura de força maior.

Desde dezembro, dois líderes de Cainquiama foram assassinados - Fernando Perreira em 22 de dezembro e Paulo Sérgio Almeida Nascimento em 12 de março. A polícia não tem pistas sobre os assassinos. Os advogados do grupo acreditam que eles estão ligados a políticos locais que querem silenciar a oposição à fábrica industrial. O mesmo acontece com Socorro.

“Fernando morreu, Paulo Sérgio morreu, mas a verdade é que [a planta industrial] está matando lentamente todos nós. Todos os dias nós bebemos a água, todos os dias morremos um pouco. Isto não é apenas agora, isso vem acontecendo há anos. Ninguém mais tem coragem de denunciá-la ”, diz Socorro.

A Norsk Hydro - empresa norueguesa que detém 92% da Hydro Alunorte e 51% da Albras - não está envolvida nos assassinatos e condenou o uso de táticas de intimidação. A empresa diz que opera de acordo com a lei criminal brasileira e regulamentos ambientais, e que sua usina não teve um impacto negativo na saúde dos moradores locais.

As reclamações de Socorro sobre a poluição foram reforçadas nos dias 17 e 18 de fevereiro, quando fortes chuvas inundaram o local da Hydro Alunorte, levando a relatos de contaminação das águas circundantes. Pesquisadores do Instituto Evandro Chagas, filiado ao Ministério da Saúde, descobriram altos níveis de sulfato, cloreto e chumbo na comunidade vizinha de Bom Futuro. Os níveis de alumínio foram mais de 30 vezes o limite legal do Brasil. Quando o Guardian visitou várias semanas depois, a água ainda estava com um branco insalubre e os residentes reclamaram de diarréia e dores de estômago.

Uma investigação posterior pelas autoridades encontrou um cano de esgoto que não deveria existir. Os tribunais reconheceram que uma das lagoas de lixo foi construída ilegalmente e puniu a empresa ao ordenar um corte de produção de 50%. O governador do Pará está exigindo US $ 250 milhões em danos.

A Hydro Alunorte apelou. Diz que outros estudos não mostram contaminação da planta. Mas também se desculpou e prometeu fornecer cuidados médicos gratuitos e água engarrafada para mais de mil pessoas locais.

Socorro sente-se vingada, mas está longe de estar satisfeita. Ela acredita que executivos da refinaria, líderes políticos e autoridades ambientais locais devem ser punidos. “Todo mundo sabe o que aconteceu em Barcarena, mas eles fecharam os olhos. Eles têm que ser presos ”, diz ela.

Então, no caso de alguém pensar que a intimidação pode acabar com sua campanha, ela acrescenta uma promessa de continuar lutando. “Eles não gostam do que fazemos. É por isso que estamos sendo ameaçados ”, diz ela. “Mas não tenho medo do prefeito ou de qualquer outra pessoa. Eu sou quilombola. A luta da escravidão corre no meu sangue".
FIM

Gostou da matéria?
Então clique em nossas redes sociais, abaixo, e siga as últimas notícias em tempo real, direto na sua timeline:
https://www.facebook.com/verofatonoticias/
https://www.instagram.com/ver.o.fato.noticias/
https://twitter.com/verofato

2 comentários:

  1. Uma mulher incrível, corajosa e mesmo doente luta contra a poderosa Hydro . Tem todo o meu respeito e admiração.

    ResponderExcluir
  2. Quando você diz que o governador do Pará pede US $ 250 milhões de dólares,dar entender que esse dinheiro vai direto para o bolso dele.Portanto diga o governo do Para.
    Slias deveria ser assim a verdadeira manchete a população de Barcarena pede US$250 milhões do governador do Estado,pois ele é o seu secretário de meio ambiente"pau mandado" Luíz Fernandes são principais responsáveis por esse desastre ambiental.

    ResponderExcluir