terça-feira, 8 de maio de 2018

JOAQUIM BARBOSA PULA FORA DA CORRIDA PRESIDENCIAL POR "MOTIVAÇÃO PESSOAL"




O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa, cogitado há alguns meses como pré-candidato do Partido Socialista Brasileiro (PSB) à Presidência da República, confirmou nesta terça-feira, 8, que não concorrerá ao cargo. De acordo com ele, a decisão é "estritamente pessoal".

Na mais recente pesquisa Datafolha, do mês passado, Barbosa aparecia bem posicionado, em torno dos 10% das intenções de voto, superando políticos tradicionais como o tucano Geraldo Alckmin, que ficou entre 7% e 8%. Ele vinha mantendo suspense sobre a decisão de disputar ou não a Presidência.

À revelia, o PSB já havia começado a montar uma estrutura de campanha e a procurar partidos para compor a chapa presidencial. Os dirigentes pessebistas avaliaram que era necessário antecipar a organização da legenda mesmo sem o aval do ex-ministro.

Em abril, a bancada da legenda na Câmara divulgou manifesto público cobrando de Barbosa contribuição para que a sigla pudesse “revigorar” o projeto eleitoral apresentado em 2014, quando o partido teve candidatura própria ao Palácio do Planalto.

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, disse nesta terça-feira, 8, ser compreensível a decisão do ex-ministro Joaquim Barbosa de não ser candidato à Presidência da República pelo partido nas eleições deste ano. O dirigente informou também que o partido deve se reunir nas próximas semanas para discutir se vai tentar viabilizar outra candidatura ao Planalto ou não.

"Ele (Barbosa) avisou hoje cedo. Ligou agradecendo muito ao partido, disse que refletiu muito e que tinha decidido não ser candidato.", afirmou Siqueira. De acordo com ele, Barbosa alegou questões de foro íntimo para não disputar. "Disse a ele que era compreensível, porque é uma decisão de foro muito íntimo ser ou não candidato numa eleição", afirmou, sem explicar quais as razões de foro íntimo do ex-ministro.

O presidente do PSB contou que esteve com o ex-ministro do STF na semana passada, quando acertaram a contratação de assessores e marcação de encontros com economistas e especialistas na área social para discutir pontos de um futuro plano de governo. "Estivemos juntos na semana passada, tomamos uma série de decisões, mas ele recuou", declarou o dirigente partidário.

Siqueira disse que a decisão de Barbosa "não chega a ser completamente uma surpresa". "Essa dúvida ele sempre teve", disse. "Nós nunca asseguramos a legenda para ele, assim como ele nunca assegurou para nós que seria candidato. Então, estava dentro do combinado", acrescentou.

O presidente disse que o partido vai discutir o que fazer a partir de agora nas próximas semanas. "Vamos discutir esse assunto posteriormente", declarou. Fonte: Estadão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário