segunda-feira, 30 de abril de 2018

HYDRO DESAFIA MINISTÉRIO PÚBLICO E CORTA FORNECIMENTO DE ÁGUA POTÁVEL ÀS COMUNIDADES DE BARCARENA

Os líderes das comunidades foram ao MP denunciar a Hydro, mais uma vez

A norueguesa Hydro, que já havia mandado às favas qualquer escrúpulo de consciência e despejado poluentes minerais nas águas de rios, igarapés e poços de Barcarena, agora partiu para o confronto contra o Ministério Público, a Justiça e as próprias comunidades que ela contaminou: deixou de fornecer água potável.


A denúncia foi feita hoje pelos líderes das comunidades impactadas pelo vazamento de rejeitos, durante reunião com integrantes da força-tarefa dos Ministérios Públicos Federal e Estadual. Segundo eles, a suspensão ocorreu na semana passada, depois que o MP pediu a abertura de inquérito policial para analisar informação confirmada pela Secretaria de Estado de Saúde Pública do Estado do Pará (Sespa) de que estava contaminada por metais pesados a água fornecida em carros-pipa a várias comunidades.

Os membros do Ministério Público Eliane Moreira, Felipe de Moura Palha e Ricardo Negrini, informaram que a força-tarefa vai analisar medidas - inclusive judiciais - para que a entrega da água seja retomada. Os procuradores da República e a promotora de Justiça lamentaram que um atendimento de importância emergencial e humanitária tenha sido bruscamente interrompido, e que essa interrupção tenha sido comunicada às comunidades como sendo motivada pelo Ministério Público, que jamais solicitou a suspensão da entrega de água potável, e sim apenas da água contaminada.

Sobre pedido da comunidade para ter acesso direto às informações sobre providências tomadas no caso, o Ministério Público destacou que essa é uma das propostas da força-tarefa apresentada no Termo de Ajuste de Conduta (TAC) e na ação ajuizada na Justiça Federal: que seja formado um comitê social integrado por moradores de Barcarena para acompanhar e fiscalizar as obrigações que vierem a ser atribuídas à Hydro.

Na reunião desta segunda-feira os membros do Ministério Público Federal (MPF) e do Ministério Público do Estado do Pará (MPPA) também receberam e deram encaminhamento a outras denúncias apresentadas pela comunidade, como algumas relacionadas à contaminação do lençol freático por um lixão e a qualidade da água fornecida pelo sistema de saneamento básico. Fonte: (Do Ver-o-Fato, com informações do MP)



Nenhum comentário:

Postar um comentário