VER-O-FATO: E A HYDRO, QUEM DIRIA, ENCONTROU NO DEPUTADO WLAD SEU MELHOR ADVOGADO

quinta-feira, 26 de abril de 2018

E A HYDRO, QUEM DIRIA, ENCONTROU NO DEPUTADO WLAD SEU MELHOR ADVOGADO


Há mais de 60 dias - desde o despejo de rejeitos químicos pela noruguesa Hydro em rios, poços artesianos e igarapés de Barcarena, crime ambiental e social publicamente confessado pela empresa, inclusive com pedido de desculpas - o deputado Wladimir Costa não dava um pio sobre o drama vivido pelas milhares de famílias da região.

Wlad fugiu, escondeu-se, não deu uma palavra sequer, nem para se solidarizar com famílias das 105 comunidades que sofreram e continuam a sofrer o diabo, não apenas nas mãos da Hydro - justiça seja feita, como de outras multinacionais -, nem com os empregados da Hydro, que enfrentam toda sorte de pressões e ameaças da empresa.

Uma das ameaças contra os empregados, inclusive, é a de demissão em massa se o embargo de 50% da produção dela, determinado pela Justiça e também administrativamente pelo Ibama, não for removido. A Albrás, por exemplo, cuja metade do capital é da Hydro, já desligou 480 fornos e anuncia que desligará outros 480 até o dia 12 de maio, quando começarão as demissões.

Mas eis que de repente, não mais que de repente, o deputado aparece num vídeo distribuído nas redes sociais, dizendo estar em "peregrinação, batendo na porta de gabinetes" de ministros do governo Temer - cuja imagem Wlad tatuou no braço, mas logo depois apagou - em companhia do presidente do Sindicato dos Químicos de Barcarena, Gilvandro Santa Brígida e do diretor da entidade, Paiva, chamando os políticos que conduzem a CPI para apurar os crimes da empresa de fazerem "politicalha barata", ao mesmo tempo que se diz "preocupado com a massa", e os "empregos dos trabalhadores" ameaçados de demissão.

A Hydro parece estar mal de advogados, a ponto de recorrer a Wlad, embora este faça questão de dizer que não defende a empresa. Nem precisava. A carapuça de oportunismo político que o deputado enfia na cabeça de seus colegas de parlamento federal e estadual também cabe na dele. Tanto quanto a basófia de defensor de Barcarena, que não teve no deputado a voz para denunciar os crimes praticados pelos grandes grupos multinacionais que transformaram o município num local impróprio de sobrevivência para seus próprios moradores.

O autointitulado "federal do povão" esteve com Santa Brígida e Paiva nos gabinetes dos ministros do Meio Ambiente, Sarney Filho - o que decretou o embargo administrativo e multa de R$ 20 milhões contra a Hydro - e do Trabalho, Helton Yomura, apelando em favor da Hydro para que a empresa retome sua produção de alumina e alumínio.

"Não estou aqui defendendo sindicato ou advogando para a empresa Hydro. Eu represento a massa, o povo trabalhador. O que me preocupa são os postos de trabalho. Eu fico estático, ministro, de ver deputados instalando CPI disso e daquilo, gravando vídeo pra mídia social, defendendo o embargo da empresa. E os empregos das mães, dos pais de famílias, como ficam no nosso amado município de Barcarena?

O que o deputado precisa entender é que a questão que envolve a Hydro está judicializada, com provas anexadas aos autos dos crimes ambientais e sociais, inclusive laudos que atestam o envenenamento da população. Só a Justiça pode remover o embargo. E a própria Hydro, se começar a reparar os danos causados, inclusive à saúde das famílias.

Quando a Hydro parar de preocupar-se apenas com o próprio umbigo, dará um passo importante no sentido da solução. Está entendido? 

O resto é esperneio de quem tem culpa no cartório.


2 comentários:

  1. Povo do pará em 2018 não renovem o mandato(FORO PRIVILEGIADO) do wladimir costa. Pois é pra esse fim que ele se candidata.

    ResponderExcluir
  2. Carlos Mendes, ter um "deputado" deste naipe nos representando perante a nação, é qualquer coisa de inacreditável...

    ResponderExcluir