INSCREVA-SE EM NOSSO CANAL

Linha de Tiro - 19/04/2018

quarta-feira, 21 de março de 2018

VERGONHA: FISCAIS DA LEI QUEREM UM ACORDÃO COM CRIMINOSOS DA HYDRO. E AS VÍTIMAS DENUNCIAM DESAMPARO




Tem algo de errado - o que pode ser desolador e vergonhoso - com as atuações dos Ministérios Públicos Federal e Estadual no caso das apurações e responsabilização da mineradora norueguesa Hydro pelo despejo de rejeitos químicos nos rios, igarapés, matas e poços de Barcarena. O resultado da atitude da empresa provocou a contaminação até das águas usadas diariamente pelas famílias, provocando danos à saúde de milhares de pessoas das comunidades da região.

Apesar de o próprio presidente da empresa, Svein Richard Brandtzæg, ter confessado os crimes ambientais e pedido publicamente desculpas às comunidades e à sociedade, o que já ensejaria medidas drásticas do MPF e MPPA, fiscais da lei e do interesse público, o que se vê é a postura pusilânime das duas instituições, outrora mais combativas, embora hoje mais preocupadas em fazer acordo com a Hydro para que ela repare o monstruoso delito praticado, quando deveriam ter agido com a desenvoltura que delas se espera.


Essa extrema benevolência dedicada pelo MPF e MPPA a delinquentes flagrados praticando terríveis crimes contra a humanidade, de envenenamento planejado contra dezenas de comunidades, deixa vitimas sem esperança e desacreditada em providências que correspondam ao tamanho da crueldade que hoje se traduz em câncer, problemas estomacais e respiratório, alergias e outras mazelas que afligem crianças, adultos e idosos.

Na semana retrasada foram distribuidas à imprensa fotografias e pose dos fiscais da lei com diretores da Hydro, numa espécie de ensaio de "diálogo", além de declarações patéticas, classificando a contaminação de "acidente" e o despejo intencional de veneno nos rios como "transbordamento". 
Aliás, vale perguntar: o que se passa na cabeça de procuradores e promotores para tamanha capitulação diante da rainha do alumínio?

Pelo andar da carruagem, talvez nem haja acusação formal, mas um acordão, ou TAC, daqueles em que pontificam apertos de mãos, abraços efusivos e promessas fervorosas de respeito às leis e às pessoas, para que tudo fique como está e, mais adiante, novos crimes voltem a ser praticados.

O embalo desse piquenique cheira mal para as comunidades atingidas. Na verdade, elas estão se sentindo abandonadas, como se já não bastassem as ameaças de morte e assassinatos de lideranças, como têm ocorrido, sem nenhuma investigação decente para pegar os autores e colocá-los na cadeia.

Nesta quinta-feira, 22, desconfiadas de armações, as lideranças da Associação de Caboclos, Indígenas e Quilombolas da Amazônia (Cainquiama) foram convocadas para uma audiência pública - aquela em que todo mundo é ouvido rapidamente por escassos segundos, menos o público vitimado - do MPF e do MP. 
Ao mesmo tempo, descobre-se que a Hydro Alunorte está há vários dias em movimentada articulação, distribuindo convite para uma tal “mesa redonda, para construir uma nova relação com as comunidades”. Aí, tem.

Será que está tudo combinado para a Hydro, até agora impune, embora ré confessa de crimes que jamais passariam em branco na Noruega, sair dessa parada como heroína e benfeitora de populações que ela própria está matando aos poucos?

Quem souber, por favor, responda. Ou desminta com fatos, se for capaz.   
Que Deus tenha pena das comunidades. 

3 comentários:

  1. Muito dinheiro envolvido e ganância. Logo logo, também, os jornalecos dos Pará, e seus respectivos telejornais, voltarão a receber a mesada para ficarem de bico fechado, como acontecia no período da Vale. Enquanto isso, será que o Direito Humanos apareceu em Barcarena para defender os direitos dos Humanos de lá ou são menos humanos? O Brasil tem que sofrer uma mudança radical, o nível de avacalhação nesse país tá demais. Parece que mineradoras e madeireiros sempre saem impunes.

    ResponderExcluir
  2. Além das desculpas do presidente da Hidro, o governo da Noruega se posicionou? Lá as leis severas protegem os cidadãos mas fora de lá as empresas norueguesas se comportam sem compromissos?
    O que a embaixada no Brasil disse sobre esse crime ambiental e social?

    ResponderExcluir
  3. É... A roda precisa girar. Quem vai pagar o salário dos servidores ? Se saírem fechando fábricas e fábricas mundo à fora, quem vai bancar os salários ? Os EUA estão tentando punir os Chineses. Sabendo lá que a mão de obra é muito barata e por isso eles estão dominando o mundo. Foi por isso que o nobre cientista inglês, morto recentemente, previu o fim de nossa amada nave mãe. Temos que buscar outro planeta mesmo. Esse está fadado ao fracasso.

    ResponderExcluir