INSCREVA-SE EM NOSSO CANAL

Linha de Tiro - 19/04/2018

terça-feira, 20 de março de 2018

CPI DA HYDRO, EM BRASÍLIA: EDMILSON CRITICA "PRÁTICA GENOCIDA" E PEDE ASSINATURA DE DEPUTADOS


O deputado federal Edmilson Rodrigues (PSOL/PA) conclamou os parlamentares no plenário da Câmara Federal, nesta terça-feira, 20, a assinar o requerimento de instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que pretende apurar os crimes ambientais causados pela refinaria Hydro Alunorte e outras empresas no município de Barcarena, no Pará. 
Edmilson coordena a Comissão Externa da Câmara dos Deputados que apura os danos causados pela Hydro. Ele tem expectativa de protocolar o requerimento da CPI junto à Mesa Diretora nesta quarta-feira, 21, a fim de que seja instalada em breve. Também fazem parte da Comissão Externa os deputados paraenses Eder Mauro (PSD), Elcione Barbalho (PMDB) e Arnaldo Jordy (PPS).

"Não se pode falar mais em acidente (causado pela Hydro em Barcarena) porque, primeiro, a Comissão Externa por mim coordenada foi a Barcarena e a diretoria confessou que existia um duto clandestino (vazando rejeitos tóxicos para a área externa da fábrica, atingindo moradias). 
Depois, o Ministério Público investigando, descobriu um canal de concreto de grandes dimensões com duas comportas (que também despejava rejeitos diretamente no rio Pará). E agora, foi descoberto um novo duto despejando efluentes nas águas do rio Pará. Portanto, é um crime de genocídio. Milhares de pessoas estão sofrendo", declarou o deputado, na tribuna da Câmara.

O psolista disse que os dutos são "obras de engenharia clandestinas e criminosas com o objetivo de ludibriar a sociedade e as autoridades". "É uma prática genocida porque o alumínio, zinco, chumbo e ferro estão inviabilizando a saúde das pessoas, causando doenças degenerativas como o câncer. Muitas pessoas já morreram por conta da contaminação", ressaltou.

Edmilson destacou que a empresa deu férias coletivas aos funcionários das fábricas de Barcarena e Paragominas, que integram a cadeia produtiva do alumínio, e ressaltou que demissões não serão admitidas. "Minha solidariedade aos trabalhadores da Hydro e à comunidade (de Barcarena). Vamos à luta em busca de uma solução definitiva, buscando a manutenção dos empregos, mas sem crime ambiental."

Nenhum comentário:

Postar um comentário