INSCREVA-SE EM NOSSO CANAL

Linha de Tiro - 19/04/2018

domingo, 7 de janeiro de 2018

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO PARÁ: 51 OCORRÊNCIAS DURANTE RECESSO DO JUDICIÁRIO, SÓ EM SANTARÉM

O jornalista Jota Ninos, direto de Santarém, informa que durante o recesso de Judiciário - cujas atividades serão retomadas nesta segunda-feira - os juízes de plantão registraram dezenas de casos de violência contra a mulher praticada por maridos, ex-maridos e namorados violentos. 

Segundo Ninos, no período de recesso, iniciado no dia 20 de dezembro passado,  o plantão com juízes e servidores escalados para receber ocorrências emergenciais em cada comarca e em Santarém, registrou a violência doméstica entre os delitos com maior número de casos.

O plantão do Judiciário, que termina neste domingo, aponta mais de 120 ocorrências nos 19 dias, entre prisões em flagrante, medidas protetivas e mandados de segurança, entre outros. O maior número de ocorrências foi de pedidos de medidas protetivas para mulheres, sob ameaça de violência doméstica no âmbito familiar. 

Os 51 pedidos protocolados nas delegacias de polícia foram acatados pelos diversos juízes de plantão, e, em pelo menos um caso, foi decretada a prisão de um homem que descumpriu essas medidas. Foi determinado pelos magistrados o afastamento dos lares de homens comuns, empresários e até políticos, por terem ameaçado ou agredido mulheres (geralmente ex-esposas, ex-namoradas ou até mesmo filhas).

Além das medidas protetivas, foram registradas 31 prisões em flagrantes, por diversos tipos de delitos, sendo a maioria por tráfico de drogas e outros procedimentos de urgência, como mandados de segurança, que somaram 34 pedidos, bem como dezenas de autorizações de viagem para menores em férias.

O plantão judiciário foi comandado por 5 magistrados diferentes, além de analistas judiciários e oficiais de Justiça. Foram realizadas diversas Audiências de Custódia com pessoas detidas em flagrante, com a participação de promotores e defensores públicos de plantão, além de advogados, policiais e agentes carcerários.

Nenhum comentário:

Postar um comentário