INSCREVA-SE EM NOSSO CANAL

Linha de Tiro - 19/04/2018

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

A ORDEM É MATAR PARA MANTER CRIMES AMBIENTAIS EM BARCARENA?

Ismael Moraes – advogado socioambiental


O capitão Gama da Polícia Militar de Barcarena foi acusado de ter invadido a casa da “dona Socorro do Burajuba”, presidente da Associação Cainquiama que reúne os moradores das várias localidades de Barcarena. A entidade é autora da ação judicial na Justiça Federal contra a multinacional Norsk Hydro em razão da contaminação do solo e do subsolo que torna imprestável a água para consumo humano, causando canceres, diabetes, doenças de pele, desinterias.


Após dona Socorro registrar BO na Corregedoria da PM em Belém (onde alega que foi enganada, pois omitiram o fato de que na ação foi roubado um livro de Ata contendo outras medidas a serem propostas contra a Norsk Hydro), o caso virou objeto de matéria no blog VER-O-FATO, do jornalista Carlos Mendes.


Pois que na data de quarta-feira, anteontem, chegou-me um print, supostamente de uma foto de facebook de uma pessoa identificada como “Shirley Rosa”, em uma comunidade de que participam também outra pessoa chamada “Yandalla Martins” e mais outras 75 pessoas. 

Nesse print, referida “Shirley Rosa” encaminha mensagem atribuída ao Tenente-Coronel Camarão, onde ele afirma que “gostaria que os integrantes do grupo difundissem a informação de que o Cap Gama foi à casa da senhora Socorro do Burajuba cumprindo ordens minhas”. 

Daí para diante, sem fazer referência a inquérito policial, processo criminal ou a alguma ordem judicial, conclui-se que, unilateralmente, o suposto autor da mensagem Tenente-Coronel Camarão absolveu um homicida e condenou duas outras pessoas, assim como deu “ordens” para invadir domicilio e prender uma terceira, o diretor da Cainquiama Bosco Martins Junior, a quem já denomina de bandido. Ou seja, as atitudes concretas do suposto autor das mensagens é o sonho de qualquer ditador.


Para completar, no dia de hoje, recebi uma outra mensagem de outra pessoa também de Barcarena em que foi disseminado via o aplicativo WhtasApp que a execução (morte) do líder popular Bosco Martins Junior está com preço oferecido na corporação da Polícia Militar local, sendo que, supostamente, haveria prêmios de centenas de milhares de reais para o comando.


Não irei transcrever aqui os nomes e os detalhes por não saber da origem da mensagem, mas se torna preocupante haver idoneidade na sua procedência quando o conjunto factual oferece verossimilhança: quando em uma mensagem de rede social um suposto comandante da PM assume que determinou a prática de ordens escancaradamente ilegais de invasão e prisão – pra quê, se a pessoa não poderia ficar detida ilegalmente? Seria para colocar o saco e levar para o matagal?


A questão é que reunirei hoje com os diretores da entidade para encaminhar pedido de prisão ao Procurador-Geral de Justiça, à Procuradoria Federal dos Direitos Humanos em Brasília, ao Ministro da Justiça, e, em meu nome, ao Presidente da OAB/PA assim como ao Conselho Federal da OAB, em razão de que o senhor Bosco Martins Junior e os demais membros da diretoria da Cainquiama reunem-se  e andam comigo, colocando-me, como advogado no exercício profissional, em risco de vida.


E o risco de ser morto pela pistolagem que contamina, como nunca, a Polícia Militar do Pará é altíssimo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário