VER-O-FATO: PRIANTE SALVA MORTOS E FERIDOS PELA LEI KANDIR: MUDANÇA NA LEI FAZ PARÁ RECUPERAR O QUE LHE FOI ROUBADO

terça-feira, 21 de novembro de 2017

PRIANTE SALVA MORTOS E FERIDOS PELA LEI KANDIR: MUDANÇA NA LEI FAZ PARÁ RECUPERAR O QUE LHE FOI ROUBADO

Os deputados Arnaldo Jordy e José Priante: "açoite de 20 anos, a Lei Kandir"


O relatório do deputado José Priante conseguiu o que parecia impossível na análise de matéria extremamente técnica: conseguiu agradar a gregos, troianos e romanos, aprovando por unanimidade mudanças na famigerada Lei Kandir. Essa lei, segundo queixumes de tucanos paraenses atropelados pelo trem da inércia em alta velocidade, sangrou o Pará em mais de R$ 50 bilhões. 

Como os governos do PSDB nunca assumiram a culpa por nada terem feito para recuperar as bilionárias perdas - chorando apenas sobre o leite derramado -, eles agora terão a oportunidade de fazer novas contas, colocar a mão na consciência e verificar o quanto o Pará sofreu e tem sofrido por servir de imenso almoxarifado de suas riquezas para o Brasil.

O texto de Priante, garante R$ 39 bilhões por ano, a partir de 2019, como reposição às perdas dos estados exportadores com a isenção de ICMS para produtos primários e semi-industrializados. A proposta segue agora para análise do plenário da Câmara. O substitutivo do deputado ao Projeto de Lei Complementar (PLP) 221/98 e mais 12 propostas que tramitam apensadas, foi aprovado na sua integralidade.

Priante comemorou a aprovação da matéria, em discussão no Congresso há 20 anos. “Corrigindo essa deformação, essa injustiça com estados exportadores que é a Lei Kandir”, afirmou. Ele também destacou a importância de o projeto ser pautado para votação em Plenário o mais rapidamente possível pelo presidente da Casa, Rodrigo Maia. O texto ainda terá de ser votado também no Senado.

O relator reconheceu as dificuldades da matéria, em especial, a definição do valor a ser ressarcido aos estados. “Havia referências diversas apresentadas nas dezenas de reuniões realizadas pela comissão, mas optamos pelas contas apresentadas pelo Conselho Nacional de Política Fazendária [Confaz], porque é um conselho composto pelos secretários de fazenda dos estados brasileiros e presidido pelo ministro da Fazenda”, justificou.

O texto aprovado na comissão obriga a União a entregar anualmente, a partir de 2019, R$ 39 bilhões aos estados e ao Distrito Federal como compensação pela desoneração do ICMS das exportações. Segundo o Confaz, o número corresponde às perdas anuais na arrecadação do ICMS impostas aos estados. Para diluir o impacto orçamentário, o substitutivo determina que a União repassará R$ 19,5 bilhões (50% da compensação) no primeiro ano de vigência da lei, R$ 29,25 bilhões (75% da compensação) no segundo ano e R$ 39 bilhões a partir do terceiro ano.

Os recursos serão corrigidos anualmente pela variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial do País. Os repasses para compensação da desoneração serão efetuados até que o percentual de ICMS relativo ao estado de destino seja igual ou superior a 80% do tributo arrecadado. Além disso, do montante transferido para os estados, 25% serão distribuídos entre os municípios.

A distribuição dos repasses aos estados e ao Distrito Federal (veja na tabela ao lado) também estão previstas na proposta. Caberá ao Tribunal de Contas da União (TCU) definir os coeficientes de cada ente, com base nos critérios propostos.

Votação tem pressa

Deputados têm pressa em votar a matéria já que o prazo de um ano dado pelo Supremo para que o Congresso regulamente a Lei Kandir termina neste mês.

Decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), em novembro do ano passado, determinou ao Congresso Nacional aprovar uma lei complementar regulamentando a compensação para os estados e o Distrito Federal em decorrência da desoneração das exportações do ICMS.

Uma outra comissão do Congresso também analisa o tema. A comissão mista, de deputados e senadores, cujo relator é o senador Wellington Fagundes (PR-MT). “Não quero imaginar que o relatório do senador Wellington venha a prosperar. Temos que correr”, disse o deputado Edmilson Rodrigues (PSOL-PA).

O presidente da comissão, deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA), elogiou o texto aprovado. “Arcabouço que permite corrigir esse açoite de 20 anos de lei Kandir”, disse. Ele lamentou, no entanto, a resistência do Executivo à proposta, mesmo após inúmeras reuniões com os deputados do colegiado.

“Estamos iniciando uma peleja. Temos que convencer a maioria dos deputados em favor da aprovação dessa proposta. O governo federal insiste em dizer que não há nada a fazer e que não há passivo a ser ressarcido”, reconheceu. Do Ver-o-Fato, com informações de Câmara Notícias.

O relatório de José Priante, com 50 páginas: leia o Inteiro teor

 

Um comentário:

  1. Caro, nesse contexto de arrocho econômico, de onde sairá 39 bilhões por ano? É imposto recolhido pela União que será repassado aos Estados?

    ResponderExcluir