quinta-feira, 30 de novembro de 2017

ENDICON E ENECOL ENGENHARIA SÃO CONDENADAS POR DISCRIMINAÇÃO CONTRA TRABALHADORES


Empregados da Enecol tiveram nomes incluídos em “lista suja” para que não fossem contratados pela Endicon. As duas empresas, Endicon Engenharia de Instalações e Construções Ltda. e Enecol Engenharia Elétrica e de Telecomunicações Ltda foram condenadas solidariamente ao pagamento de R$ 300 mil em danos morais coletivos, por praticarem atos discriminatórios contra trabalhadores. 

A sentença é da Vara do Trabalho de Castanhal que atendeu a pedido do Ministério Público do Trabalho no Pará e Amapá (MPT PA/AP) em ação civil pública. De acordo com a decisão, as empresas deverão se abster de discriminar trabalhadores criando, divulgando ou adotando a chamada "lista suja" no processo de seleção para admissão ao emprego. 

Caso as rés descumpram a determinação, será cobrada multa de R$ 15 mil multiplicados pelo número de trabalhadores constantes na lista. Em 7 de maio de 2014, o MPT recebeu denúncia de um grupo de ex-funcionários da Enecol, que afirmaram terem sido impedidos de trabalhar na Endicon Engenharia, empresa que sucedeu a primeira no contrato de prestação de serviços à Rede Celpa. 

"Lista suja"

Segundo os fatos denunciados, no período de aviso prévio, empregados da Enecol realizaram paralisação de 1 dia em razão de notícia de que a empresa não pagaria suas rescisões contratuais. Tal situação teria ensejado o envio pela Enecol de “lista suja” aos dirigentes da Endicon, com a “relação de empregados selecionados para aproveitamento na empresa, bem como a relação de não indicados para consulta”.

De acordo com a decisão judicial, após a apuração dos fatos “não há dúvida que a lista objetivava discriminar grupo de empregados, para impedir suas contratações pela nova prestadora Endicon no contrato com a Rede Celpa”. Para a Justiça, o tratamento discriminatório a grupo de trabalhadores visa segregá-los do mercado de trabalho, violação que atinge toda a coletividade. Fonte: Ascom MPT no Pará e Amapá.

Nenhum comentário:

Postar um comentário