quinta-feira, 19 de outubro de 2017

EXCLUSIVO - "FOGO AMIGO" DA PM MATOU SARGENTO E FERIU SOLDADO NO COMBATE A ASSALTANTES DE BANCO EM CURUÇA



A denuncia feita com exclusividade ontem à noite no programa "Linha de Tiro", que estreou ao vivo pelas redes sociais, exige uma explicação imediata do comando da Polícia Militar: o sargento Antonio Carlos Magalhães foi morto por "fogo amigo" da própria PM, e não pelos assaltantes de banco que na semana passada metralharam o quartel da corporação e roubaram o Banco do Brasil, no município de Curuçá. O "fogo amigo" também feriu gravemente o soldado Dorimário Borges, que felizmente está com a saúde estável, internado em um hospital de Belém.


Esse fato, denunciado pelo "Linha de Tiro", foi escondido dos familiares do sargento morto e do soldado. A outra versão, porém, foi divulgada amplamente pela mídia impressa, televisiva e programas policiais de rádios, que os dois PMs tinham sido vítimas de tiros desferidos contra eles pelos bandidos.

Houve, na verdade, total despreparo na ação de captura dos assaltantes, levando militares do Grupo Tático Operacional (GTO) a atirarem contra os próprios colegas, pensando que estavam travando confronto com os bandidos. Aleḿ do despreparo, ficou clara a falta de treinamento para missões perigosas desse quilate e equipamentos como óculos para visão noturna, e armamento mais moderno. 

O projétil que transfixou o colete balístico do sargento veio de um fuzil IA2, calibre 556, usado pelos homens do GTO. Lógico que não havia intenção de matar e nem ferir os colegas de farda. Pode-se jogar tudo na conta da "fatalidade", mas talvez não seja isso que irá revelar a investigação para apurar o que deu errado na desastrada operação.

Com a palavra, o promotor militar Armando Brasil, o comandante-geral da PM, coronel Hilton Benigno, o secretário de Segurança, general Jeannot Jansen, além do governador Simão Jatene.

Veja no vídeo acima a denúncia exclusiva do programa, que também tratou de Lava Jato, governo Temer, manutenção de Aécio Neves no Senado, intervenção militar, crescimento de Bolsonaro, segurança pública no Pará, governos de Jatene e Zenaldo, etc. 


8 comentários:

  1. Adorei o programa, debatedores de alto nível. Notei apenas que os microfones pareciam ter escorregado ou caído na hora da fala de alguns debatedores. Sugiro que no próximo isso seja reparado. A observação é construtiva, já virei fã do programa e começarei em divulgá-lo.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns! Os meios de comunicação decadentes os todos os paraenses conhecem, deveriam se espelhar. Eis aí uma forma de resgatar a credibilidade que perderam! Terão que renunviar a ptatica da chantagem com os poderes e políticos inescrupulosos de ondem obtem fortunas ilícitas.

    ResponderExcluir
  3. Programas como o de vocês fazem muita falta pois vivemos um ambiente de conformismo e coonestação com prátiacs criminosas, corrupçao, violência, preconceito contra pessoas, raças, gênero. Os que perderam o programa de ontem podem assistir no seu blogue. Estou agradecido por me proporcionarem bons momentos de reflexão com temas tão atuais, meus parabens. Renivaldo Santos (professor)

    ResponderExcluir
  4. Carlos Mendes, excelente programa. Gostaria muito que você convidasse especialistas em Segurança Pública, para que apontem os erros que estamos cometendo no trato de um tema que tem tirado o sossego de todos brasileiros (65 mil homicídios/ano; taxa de Elucidação de Homicídios de 8%, segundo dados do CNMP - no Chile é de 98%, por exemplo). Se um crime grave como homicídio possui uma taxa de elucidação de míseros 8%, o que esperar dos demais crimes, não é verdade? Entra governo, sai governo e os indicadores só pioram! Será que já não chegou a hora de modernizar nosso modelo policial, aplicando o que tem dado certo mundo afora? Existem medidas que já melhorariam, e muito, os números da Segurança Pública no país - sem que os estados sofressem um grande impacto orçamentário, como Entrada Única, Ciclo Completo de Polícia e Desburocratização da Investigação Policial. Carlos, infelizmente o lobby para que as coisas continuem como estão é fortíssimo e a sociedade, principal interessada, tem sido mantida a margem das discussões. Torço para que profissionais de seu quilate se interessem pelo assunto e exijam a quem de direito explicações do porquê não adotar medidas para atualizar um modelo que tem se mostrado Ineficiente, burocrático e oneroso ao contribuinte. Obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Excelente comentário. Compartilho do mesmo.

      Excluir
    2. Interessante debate. É preciso que o cidadão comum acompanhe estes programas para entender melhor os meandros da política em nível local e nacional. Parabéns!

      Excluir
  5. O programa é Bom, mas o áudio tá péssimo...

    ResponderExcluir
  6. Verdade BLOG DO ESCRIVÃO DE POLÍCIA, Tivemos alguns probleminhas na hora H de iniciar o problema e os microfones de lapela de dois dos apresentadores acabaram escorregando e seus áudios ficaram prejudicadaos. Mas deixa eu tentar justificar.....Estamos realizando a transmissão com duas câmeras em HD, e a capitação do audio de cada um com microfones de lapela sem fio. Agora imagine que pra dar conta de toda essa operação técnica, ao vivo, somos só dois operadores (voluntários) na produção, um pra operar as duas câmeras e outro pra ficar na mesa de corte monitorando as tomadas de video, tituleiras e a qualidade do stremaming.....Pauleira né! Se o programa fosse só gravado seria facil de resolver, mas ao vivo ficaria meio esquisito interrompermos o programa para ajustar os microfones, sendo que pra fazermos isso, uma das outras atividades técnicas poderia ser prejudicada. A maneira que estamos fazendo esse programa, em HD, totalmente independente e ao vivo na internet é uma novidade por essas bandas, quiçá no Brasil. Mas vamos procurar melhrorar sempre, sendo que nosso intuito é permitir a intereção de nossa audiência com os intrevistados e apresentadores através de nossas redes sociais...tudo ao vivo. O que será outro mega desafio. Abraços.

    Carlos André Mendes
    Equipe de Produção VER-O-FATO

    ResponderExcluir