INSCREVA-SE EM NOSSO CANAL

Linha de Tiro - 19/04/2018

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

"LINHA DE TIRO" ESTREIA AO VIVO, NESTA QUINTA-FEIRA, DE 8 ÀS 9 DA NOITE. TEMAS POLÊMICOS NO AR


O estúdio do programa já está preparado para a transmissão ao vivo


Reunião bastante produtiva, ontem à noite, com os participantes do "Linha de Tiro", que estreia ao vivo, pelo Youtube, blogue Ver-o-Fato, Rádio Sintonia Web e Facebook, amanhã, quinta-feira, 19, das 20h às 21h. Temas polêmicos nacionais e, principalmente, locais, amazônicos. Com gente sem medo de emitir opinião.

Um programa jornalístico que terá como participantes, além de mim, como mediador, o jornalista Francisco Sidou, o historiador e consultor político Elson Monteiro, e o antropólogo Manoel Alexandre Cunha. 

Também fazem parte do time de "feras" do programa o professor José Emilio Almeida, o jornalista Emanoel Vilaça e o advogado Ismael Moraes. 
O público poderá interagir com os participantes, formulando perguntas e críticas. Se quiser, já pode antecipar suas perguntas, aqui mesmo, identificando-se. Nome e profissão. 

Ou mandá-las diretamente para o seguinte e-mail carlosmendes49@gmail.com

Aguardo vocês.

8 comentários:

  1. Excelente!
    Seria importante divulgar os links para acesso aos canais em que será transmitido o evento.

    ResponderExcluir
  2. Faltava um programa com comentaristas que imponham credibilidade às notícias. Parabéns pela iniciativa e boa sorte. A equipe conta com um curuçaense, o antropólogo Manoel Alexandre, nosso confrade. Sucesso.

    ResponderExcluir
  3. Ja poderiam começar explicando o escárnio e o resultado da ação se é que foi p frente do Palácio das Sinecuras. O maior antro de corrupção do Pará.
    Fonte: http://www.sindicontaspa.org.br

    TCE-PA ESCARNECE DO MINISTÉRIO PÚBLICO E DA JUSTIÇA

    10/10/2017

    Recentemente o Ministério Público do Trabalho e o Ministério Público Estadual ingressaram na justiça com ação contra o Tribunal de Contas do Estado do Pará por entenderem existir irregularidades administrativas no âmbito do órgão ocorrentes no quadro de servidores, devido um número excessivo de servidores nomeados para cargos em comissão, aos quais falta a condição de efetivos, mas que, mesmo assim, exercem atribuições típicas de servidores concursados. Também alegaram existir grande número de servidores cedidos de outros órgãos que estão a realizar tarefas privativas de servidores efetivos.

    Na ação cominatória o Ministério Público do Trabalho e o Ministério Público do Estado do Estado do Pará requereram a tutela de urgência, em face do Estado do Pará e do Tribunal de Contas do Estado do Pará no seguinte sentido:

    a) que o TCE seja obrigado a fornecer a relação dos servidores comissionados externos ao órgão que foram nomeados após a CF/88 sem concurso público;

    b) que sejam fornecidos os relatórios de produção dos servidores comissionados na condição já referida, entre os anos de 2016 e 2017, especialmente os lotados na área de controle externo;

    c) que seja imediatamente procedida a imediata demissão, exoneração, dispensa, distrato ou declaração de nulidade dos atos irregulares de admissão de servidores, sob pena de multa;

    d) por fim, que sejam nomeados e admitidos os candidatos aprovados e classificados no último concurso público realizado, para o cargo de auditor de controle externo.



    Pois bem. A despeito de estar sendo demandado judicialmente, o TCE-PA não se intimida, e num gesto de verdadeiro escárnio ao Ministério Público do Trabalho e ao Ministério Público Estadual, e porque não dizer à própria Justiça, continua a nomear servidor para cargo comissionado e receber cedidos, como nos casos de RODRIGO LOPES ROCHA, nomeado para exercer o cargo em comissão de Assessor de Fiscalização NS-01, a partir de 02-10-2017 (Portaria nº 32.846, de 27 de setembro de 2017) e da servidora da Secretaria de Estado de Cultura, PATRÍCIA JORDY FIGUEIREDO DE CAMPOS RIBEIRO, cedida ao Tribunal, por meio da Portaria nº 251, de 28 de setembro de 2017.

    Nesta última situação a servidora continuará a perceber a sua remuneração no órgão de origem, com o ônus financeiro sendo repassado ao TCE mediante ressarcimento ao órgão de origem, e ainda poderá ganhar um cargo comissionado, elevando significativamente o custo da contratação.



    Os questionamentos que se faz, diante desses fatos recentes e do que os órgãos ministeriais apontam na sua ação conjunta, são os seguintes:

    Qual a motivação desses atos administrativos capaz de levar uma Instituição como o TCE, cuja missão é a de zelar pela boa gestão pública, a desprezar o interesse público e assumir uma postura farisaica (faz o que eu digo, mas não faz o que eu faço) diante de seus jurisdicionados e de afronta às demais instituições que compõem a Justiça?

    Por que não nomear os servidores aprovados no último concurso público homenageando, assim, a meritocracia, a legalidade, economicidade e eficiência na gestão do Tribunal?



    Talvez o nome da servidora cedida seja um bom indicador para as respostas aos questionamentos acima, apontando para o caminho que está sendo seguido nas ações administrativas adotadas pelo TCE-PA.

    ResponderExcluir
  4. Ficarei ligado para assistir o programa, a equipe é de pessoas conceituadas. Espero o melhor programa. Muito sucesso para todos.

    ResponderExcluir
  5. Será que não é seu amigo Orly Bezerra que está bancando o programa. O mesmo que deixa o povo do Pará na linha do tiro. Só lamento que tu sejas chapa branca. Joga lá, é, cá.

    ResponderExcluir
  6. Eu não ia publicar essa tua diatribe, saída de mente tão covarde que opta por se esconder atrás da moita do anonimato. Agora todo mundo sabe quem és, mas não te desespera e te poupa da precitação insana de julgamento, medindo os outros por tua régua moral e ética. Assiste o programa e verás que o time do Linha de Tiro não é nada do que dizes.

    ResponderExcluir
  7. Carlos Mendes, desejo todo sucesso para você e seu programa. O time de feras é excelente. Espero que dê tudo certo.
    Professora Andreza, UFPA.

    ResponderExcluir