VER-O-FATO: ENTRE AS MANCHETES DOMINICAIS DE BARBALHO E MAIORANA, O AVISO DO CÉU

domingo, 1 de outubro de 2017

ENTRE AS MANCHETES DOMINICAIS DE BARBALHO E MAIORANA, O AVISO DO CÉU

Ler - ou não ler, se é que não dá no mesmo - os jornais de domingo em Belém é defrontar-se com a mesmice da briguinha de comadres que se odeiam, embora uma não viva sem a outra. 

Faltando um ano para eleição de 2018, as motivações políticas e econômicas que movem "O Liberal" e "Diário do Pará" afloram com maior intensidade e produzem manchetes, como a deste domingo, 1 de outubro, que se assemelham àqueles filmes da "Sessão da Tarde", da Rede Globo, que já passaram mil vezes e continuam a passar, vendidos no museu de grandes novidades.


A manchete do "Diário", por exemplo, é a repetição de outras matérias em que se abordam viagens frustradas do governador Simão Jatene à Malásia, Emirados Árabes e China. Jatene e Jader já foram unicarne. 

Quem sabe não voltarão a sê-lo, amanha, para a alegria dos noticiários e frustração de quem já se acostumou ao ver o circo pegar fogo?

Claro que o tucano torra dinheiro público, levando um séquito de assessores e áulicos, mas não é nada diferente do que faz o ministro Helder Barbalho, que todo dia aparece em seu próprio jornal liberando "milhões" que não saem do papel, mas requentam o noticiário da família dona do jornal.



Ao ritmo de velhas estocadas no adversário, "O Liberal", fiel escudeiro do governo tucano, mostra que Helder, quando ministro da Pesca, para variar, fez mais uma das suas habituais trapalhadas. Barbalho filho, como se sabe, está há três anos em campanha antecipada para o governo e "O Liberal", mesmo sem saber quem será o adversário do ministro, já faz seus disparos para abatê-lo em pleno voo.

Em uma submanchete, com letras menores, o jornal dos Maiorana mira também no senador Jader Barbalho, mostrando que um ex-sócio dele, em Santarém, terá  suas emissoras de rádio e TV levadas à leilão. Um recado de Rominho ao que pode acontecer com as emissoras do próprio Barbalho.

E assim caminha a humanidade papa-chibé, entre a inércia de seus governantes tucanos, apoiados por um jornal, e campanha eleitoral antecipada do peemedebista, de outro. 



Mas nem tudo está perdido, neste limiar de outubro, antes do Círio de Nazaré: "O Liberal" informa que o Pará saiu do 13º lugar e já está em 5º no ranking nacional de risco de raios. 

Ou seja, já não basta, para nós, morrer sem saúde, saneamento, segurança, de susto, bala ou vício. Agora, nossa taxa de risco é maior de sermos fulminados por um raio vindo do céu.

Raios que o partam ! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário