segunda-feira, 23 de outubro de 2017

CANALHAS DO CONGRESSO TRAMAM O FIM DA LAVA-JATO E ANISTIA AOS CORRUPTOS.: LEIA ENTREVISTA DO JUIZ SÉRGIO MORO AO ESTADÃO

Dallagnol e Moro: "tudo dependerá da sociedade"
A caminho do quinto ano de Lava Jato, não se pode afirmar que o quadro de impunidade nos crimes de corrupção no Brasil permanece inalterado. É o que acreditam duas figuras emblemáticas das investigações que abalaram o mundo político brasileiro, o juiz federal Sérgio Moro e o procurador da República Deltan Dallagnol.

Para eles, o sucesso da operação dependerá de como será a reação da sociedade daqui para frente. Moro e Dallagnol estarão no Fórum Estadão Mãos Limpas e Lava Jato para falar sobre as investigações de combate à corrupção, da Itália e do Brasil, junto com os magistrados Piercamillo Davigo e Gherardo Colombo, que trabalharam na força-tarefa de procuradores de Milão criada 25 anos atrás.

O evento é uma associação entre o Estado e o Centro de Debate de Políticas Públicas (CDPP) e vai ocorrer nesta terça-feira, 24. O painel, reservado para convidados, será mediado pela jornalista Eliane Cantanhêde, colunista do Estado, e pela economista Maria Cristina Pinotti, do CDPP. Terá ainda a participação do diretor de Jornalismo do Estado, João Caminoto, e do economista Affonso Celso Pastore, do CDPP.

“Apesar da permanente sombra do retrocesso, não se pode afirmar que não houve mudanças no quadro de impunidade para esses crimes”, diz Moro, ao pôr Lava Jato e mensalão como partes de um ciclo de combate à impunidade de “poderosos”.

Coordenador da força-tarefa em Curitiba, que iniciou a Lava Jato em 2014, Dallagnol entende que a “virtude” das duas operações “foi um amplo diagnóstico da podridão do sistema político”. “Contudo, a virtude da Lava Jato é também sua maldição, pois o sistema político concentra o maior poder da República, no Congresso, e sua reação pode enterrar as investigações, como na Itália.”

Para juiz e procurador, é a sociedade que vai ditar se a operação brasileira vai se aproximar da Mãos Limpas em seu final – na Itália, houve alto índice de impunidade, após a reação política e o desinteresse popular.

“Se houver uma contínua pressão da opinião pública, imagina-se que até nossas lideranças políticas emperradas terão que adotar uma postura reformista”, diz Moro. “O Congresso pode colocar toda a operação abaixo numa madrugada. Basta a aprovação de um projeto de anistia. Por isso, os resultados da Lava Jato dependem primordialmente de como a sociedade vai reagir”, afirma o procurador.

ESTADO: O que a Lava Jato tem a ver com a operação Mãos Limpas?

SÉRGIO MORO: A Operação Mãos Limpas, por sua dimensão e impacto, foi uma grande inspiração para a Lava Jato.

ESTADO: Quais as semelhanças entre uma e outra?

MORO: Em ambas, as investigações revelaram não um ou alguns grandes crimes de corrupção, mas um sistema organizado de corrupção, na prática, a captura do Estado para o favorecimento de certos grupos empresariais privados, em detrimento da competição, tendo por contrapartida o pagamento habitual de vantagem financeira a agentes públicos e a agentes políticos para enriquecimento pessoal e financiamento ilícito eleitoral.

ESTADO: Quais os métodos das Mãos Limpas nos quais o senhor se inspirou para a Lava Jato?

MORO: A Mãos Limpas ilustrou que, sem o apoio da imprensa e da opinião pública, é muito difícil a condução de processos contra criminosos poderosos. Estes têm poder político e econômico que pode ser utilizado indevidamente para gerar impunidade, independentemente da culpa. Então, é necessário contrabalançar esse poderio, não só com a ação firme da Justiça, mas com o apoio da opinião pública. Daí a importância da publicidade e da transparência desses processos, da liberdade de expressão e de imprensa, isso não para manipular a opinião pública, mas para obter o apoio necessário através da demonstração da correção da ação da Justiça.

ESTADO: Qual a grande conquista da Lava Jato?

MORO: A Lava Jato se insere em um ciclo iniciado de maneira mais incisiva pela Ação Penal 470 (mensalão) no sentido de pôr um fim à impunidade dos crimes praticados pelos poderosos. Apesar da permanente sombra do retrocesso, não se pode afirmar que não houve mudanças no quadro de impunidade para esses crimes. Há que se manter uma infinita esperança de que esse é um caminho sem volta e que a impunidade dos barões da corrupção está com seus dias contados. Nessa perspectiva, mudanças de cunho mais permanente, como a execução da pena a partir de uma condenação em segunda instância, são fundamentais.

ESTADO: Qual a frustração da Operação Lava Jato?

MORO: As causas da corrupção sistêmica não foram enfrentadas por nossas lideranças políticas. O loteamento político de cargos públicos e que está na origem dos crimes na Petrobrás permanece forte como sempre, por exemplo. Se houver uma contínua pressão da opinião pública, imagina-se que até mesmo nossas lideranças políticas emperradas terão que adotar uma postura reformista quanto a esses temas. Mas é frustrante ver como isso é demorado.

ESTADO: Os inimigos das Mãos Limpas e da Lava Jato estão concentrados exclusivamente no meio político? Onde mais eles estão alojados?

MORO: Há, é certo, quem se oponha ao movimento anticorrupção, normalmente quem dele se beneficia. A vergonha está com eles. É claro, também há pontuais críticas desinteressadas, nenhuma ação pública está imune a elas. Em relação a elas, cumpre debater e eventualmente acolher. Mas quem mais importa são os amigos e, ainda que sob a sombra do retrocesso, são eles inúmeros.

3 comentários:

  1. Dallagnol e sobretudo o Moro são culpados pelos exageros e estrelismos adquiridos sob a batuta da imprensa (Globo). Derrepente não conseguem explicar a forte vivência e relação que possuem com essa gente fron Minas Gerais e São Paulo. Achavam que bastava prender o Lula e a justiça estaria feita. Na verdade a imundice maior advém de seus amigos de infância e não de um horroroso triplex e chinfrim sítio atibaia. Perderam a credibilidade e querem recuperar com a força do povo.

    ResponderExcluir
  2. Existe uma diferença gritante entre a "Operação Mãos Limpas", e a sua imitação "A Lava Jato". Na Itália, os juízes envolvidos na operação, foram atrás de todos os corruptos,eles não protegeram nenhum deles. Aqui, o Sérgio Moro arquivou tudo denuncia contra o Aécio, até hoje, três anos se passaram, e, nenhum tucano foi sequer chamado para depor. Sérgio Moro, é muito cínico quando compara a Mãos Limpas, com a Lava Jato, que mais suja do que lava.

    Luís Decarlos.

    ResponderExcluir
  3. Como explicar para o brasileiro que padece para ganhar três mil reais (são poucos a exemplo do sacrificado professor), e ele ganhar até cem mil reais de salário e mais de dois milhões em palestras. Assunto do dia a Lava Jato. Ninguém fatura mais com tanto glamour e aplausos!

    ResponderExcluir