INSCREVA-SE EM NOSSO CANAL

Linha de Tiro - 19/04/2018

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

EX-MINISTRO GEDDEL LIMA, O HOMEM DOS 51 MILHÕES NO APARTAMENTO, É PRESO PELA PF



O ex-ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima (PMDB) voltou a ser preso em regime fechado, pela Polícia Federal, na manhã desta sexta-feira. Geddel foi detido no último dia 3 de julho, por decisão do juiz federal Vallisney de Souza Oliveira, tendo sido transferido para a prisão domiciliar nove dias depois, por decisão do desembargador Ney Bello. Os policiais cumprem, ainda, mais um mandado de prisão e três de busca e apreensão.

A ação acontece três dias depois da Operação Tesouro Perdido, a descoberta de um apartamento que serviria de “bunker” para o ex-ministro. Após uma denúncia anônima, a PF fez no imóvel maior apreensão de dinheiro em espécie da história do país: 51 milhões de reais. Ainda segundo O Globo, as digitais do ex-ministro foram encontradas nas cédulas e nas caixas que guardavam o valor dentro do apartamento.

Dono formal do imóvel, o empresário Silvio Silveira confirmou em depoimento que o apartamento estava emprestado para o uso de Geddel. Ouvido pela PF, Silveira afirmou ter cedido o imóvel para que o peemedebista guardasse os pertences do seu pai, falecido em 2016, e que não tinha conhecimento de haver dinheiro no apartamento.

O ex-ministro é investigado no âmbito da Operação Cui Bono?, que investiga desvios na Caixa Econômica Federal, da qual Geddel foi vice-presidente de Pessoa Jurídica entre 2011 e 2013. Segundo as investigações, Geddel, o doleiro Lúcio Funaro, o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e outro ex-executivo da estatal, Fábio Cleto, receberam benefícios indevidos em troca da autorização de empréstimos e financiamentos pela Caixa.

Ao decidir a primeira prisão do peemedebista, o juiz Vallisney Oliveira ainda pontuou que ele pode ter cometido o crime de obstrução de Justiça, após as alegações da defesa de Funaro, que afirmou que Geddel havia feito diversos telefonemas a esposa de Funaro após saber que executivos da JBS haviam fechado acordo de delação premiada com o MPF.

Na sua colaboração com a Justiça, revelada em primeira mão na edição desta semana de "Veja", Funaro diz ter intermediado um pagamento de um milhão de reais em propinas da Odebrecht para Geddel. O doleiro Lúcio Funaro afirmou que o dinheiro teria saído dos 4 milhões que retirou no escritório do advogado José Yunes, amigo íntimo do presidente Michel Temer. Até então, a informação que se sabia é que todo esse valor teria como destino o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha. Fonte: Reuters.

4 comentários:

  1. esse dinheiro que foi pego, deveria a justiça pagar os concursados que estão esperando por precatórios que até hoje esses governos não querem pagar as perdas salarias dos servidores concursados dos estados e prefeituras em especial do Estado do Pará e de Belém...

    ResponderExcluir
  2. Esse salafrário deverá permanecer preso como forma de mostrar para os seus comparsas, inclusive os daqui do Pará que esse País tem Justica e por isso, não intetessa se amigo do Rei, vai para a cadeia sim!!

    ResponderExcluir
  3. Esse salafrário deverá permanecer preso como forma de mostrar para os seus comparsas, inclusive os daqui do Pará que esse País tem Justica e por isso, não interessa se amigo do Rei, vai para a cadeia sim!!

    ResponderExcluir
  4. Esse salafrário deverá permanecer preso como forma de mostrar para os seus comparsas, inclusive os daqui do Pará que esse País tem Justica e por isso, não interessa se amigo do Rei, vai para a cadeia sim!!

    ResponderExcluir