INSCREVA-SE EM NOSSO CANAL

Linha de Tiro - 19/04/2018

domingo, 27 de agosto de 2017

FALÁCIAS DO "DIÁRIO DO PARÁ" NÃO CORRESPONDEM AOS FATOS

O jornal apoiou os 4 anos de Gueiros, que era da casa, apesar da "briga"
O beijo de Jader em Ana Júlio selou parceria de 3 anos, até o rompimento
Aí, o "Repórter Diário" mandou bala, detonando a petista que apoiara
Simão Jatene teve todo apoio dos Barbalhos na segunda eleição. Hoje...



O jornal "Diário do Pará", da família Barbalho, comemorou seus 35 anos em grande estilo, inclusive com homenagens e uma sessão na Assembleia Legislativa. Até aí, maravilha. Parabéns ao homenageado. Lá trabalhei por cinco anos e vi que não foi por acaso que o jornal chegou à liderança do mercado de mídia impressa. 

Isto, porém, não dá o direito de os Barbalho espancarem os fatos políticos, até com certa crueldade, apostando na falta de memória dos leitores e eleitores.

Na coluna "Repórter Diário", da última quarta-feira, 23, por exemplo, está dito com todas as letras e ufanismo que em 35 anos o jornal mantém "tradição de oposição". E mais: "é o único veículo de comunicação impressa que dá voz à oposição parlamentar, fazendo contraponto à mídia governista". 

São afirmações que não resistem aos próprios números das eleições, dos governos e seus partidos que ocuparam o poder nesses últimos 35 anos, tempo de surgimento do "Diário". É claro que o PSDB e seus satélites partidários estão há mais tempo, caminhando para 20 anos. Foram 8 anos de Almir Gabriel e outros 12 de Simão Jatene, a ser completados em janeiro de 2019.

Que 35 anos de oposição ao poder é essa do "Diário", se Jader Barbalho governou o Estado por dois mandatos, quase 8 anos - à exceção dos nove meses em que o vice de Jader, Carlos Santos, sentiu o gostinho de mandar no Estado - e Hélio Gueiros ficou por 4 anos, apoiado pelo jornal, embora algumas vezes Jader e Hélio ocupassem espaços na mídia com suas briguinhas de compadres.

O "Diário" também não fala dos 4 anos da aliança PMDB-PT, que alegeu Ana Júlia Carepa, e outros 2 anos em que os Barbalho e seu veículo apoiaram Simão Jatene com todas as honras no seu segundo mandato, depois de o jornal ter feito oposição e campanha contra Ana Júlia faltando um ano para o final do mandato dela.

Então, temos, hoje, 19 anos de PSDB e outros 16 anos do PMDB e "Diário", dividindo o poder no Pará. Não esquecendo que, ano que vem, Helder Barbalho será candidato ao governo - mais uma vez. Até em campanha antecipada já está, na esteira da oposição feita pelo jornal contra Jatene.
Resumo da ópera: o "Diário"  só faz oposição ao poder quando ele próprio não está no poder. Até dá voz, como se vangloria, à tal "oposição parlamentar, em contraponto à mídia governista - leia-se ORM, "O Liberal" e os Maiorana. 

Os leitores - e eleitores - estão acordados para esse tipo de manipulação de informações e números. Oposição de fancaria nada tem a ver com os interesses do povo paraense.

O povo, aliás, parece só um detalhe no arranca-rabo de hoje entre barbalhistas e jatenistas. Ou, para ficar  somente na perlenga impressa, entre Barbalho e Maiorana.

3 comentários:

  1. Nós, jornalistas, já conhecemos como funciona o jogo. Mas a população já tem tempo sabe que os dois maiores jornais impressos do Estado tem interesses próprios, que na maioria das vezes estão bem longe dos interesses da sociedade paraense.

    ResponderExcluir
  2. Verdade, Felipe, mas o problema é que quando chega a época de eleições, os grupos políticos acirram suas paixões, perdem a noção dos fatos, e danam-se a mentir para a população, que parece enfeitiçada pelas maquinações dos caciques partidários. E aí, nulidades são eleitas para cuidar apenas de seus próprios interesses.

    ResponderExcluir
  3. O Liberal e o Diário São mais dois lixos da pseudo-imprensa , a serviço de oligarcas corruptos e inescrupulosos.

    ResponderExcluir