VER-O-FATO: SOCIEDADE ALIENADA, MAUS GOVERNANTES

segunda-feira, 24 de julho de 2017

SOCIEDADE ALIENADA, MAUS GOVERNANTES


Numa sociedade apática e acostumada a ter seus direitos violados, o Estado se alimenta dessa inércia, até pela qualidade dos governantes que temos, para insistir em políticas públicas equivocadas que nada contribuem para mudar a situação.

O Estado deveria fazer sua parte e quando se aponta o dedo para ele é para cobrar por sua omissão, ou equívoco. Afinal, é ele que traça as diretrizes de suas políticas, muitas vezes sem ouvir ninguém, o que induz à perspectiva de maior possibilidade de erro. 

Por outro lado, a sociedade civil é desorganizada, os centros comunitários e as associações de moradores deixaram de atuar ou só existem em época de eleições, os sindicatos foram partidarizados faz tempo e nas universidades, onde em tese estariam as melhores cabeças pensantes, predomina o vazio de ideias, ou o interesse de grupos, políticos e ideológicos.

Não se pensa no pais. Nem em buscar soluções para vencer as crises institucionais e o desalento social. O debate da hora é se foi bom ou mau o governante que saiu, se o que está no poder é ladrão ou o que virá continuará a roubalheira patrocinada pelos antecessores. 

Mergulhamos de cabeça no salve-se quem puder, ou souber. Há solução? Claro que há, mas ela passa primeiro pela noção de cidadania. Sem ela, nenhuma reforma irá tirar o país do buraco. A luz estará no fim do túnel, mas sempre haverá quem queira chegar até o final para apagá-la, ou roubá-la. 

A Lava-Jato foi o fato mais importante do país desde a redemocratização. Quem posava de honesto e defensor dos pobres foi desmascarado e hoje amarga condenação judicial. Há também os que já acumulam processos rumo à pesada condenação e prisão. As máscaras caíram. Ou apenas escondiam a verdadeira face dos algozes do país, à esquerda e à direita.  

E a mudança, de fato, quando virá? A única certeza é de que ela se faz urgente, para acabar de vez, senão reduzir drasticamente, com privilégios de parasitas que se apropriaram da coisa pública  e dela fazem extensão da privada. Organizações políticas que agem como autênticas quadrilhas no assalto aos cofres públicos. E governantes que não sabem governar, senão para satisfazer apenas os grupos que os colocaram no poder.

Ano que vem teremos eleições gerais. E tudo já se movimenta para que a mudança se faça no sentido da permanência do status quo. Alienados que apostam na alienação geral para continuarem nos alienando.

Até quando?

2 comentários:

  1. O Brasil não faz politica há tempos. Somente desmandos, favorecimentos, corrupção, nepotismo e outras mazelas. Novas eleições só ratificam a bandalheira.é culpa de quem é eleito? Não, pois se não modificamos o statos quo, é porque queremos ser roubados. desdenhados e sacaneados.Parece que gostamos disso ou somos bastante idiotas para não promover debates que modifiquem a maré de vergonha pela qual passamos.Desemprego, carestia , falta de segurança, estados falidos, roubos de cargas, milicias, carro preto,assaltos a bancos, drogas e varios outros acontecimentos parecem fazer parte de nossas vidas, parecem que vieram para ficar, comandam o ser ou não ser de todos.A sociedade vai sendo engolidas por facinoras e não queremos mudar porque somos bastante covardes, sem cultura, fazemos alianças com bandidos e levamos o país rumo a Venezuela II.

    ResponderExcluir
  2. Te congratulo por essa postagem,Carlos.Retrato fidedigno da nossa realidade.Já falei em outro post sobre a minha desesperança,e minha revolta não somente contra a falta de indignação,até porque esse não é o grande problema.Existe até muita indignação,mas os canhões são voltados para o lado errado.Relembro pra ti do meu desânimo com uma população estranhamente aduladora de quem lhe açoita todos os dias,nesse caso o poder público corrupto e ineficiente do nosso país.E quando vamos sair às ruas,ainda somos chamados de vagabundos por àqueles que deveriam estar do nosso lado.Só pra exemplificar,dias desses no barbeiro, escutei um infeliz de classe média baixíssima dizer que a culpa da crise é do bolsa família!!E que só não tem emprego quem não quer etc...pelamor de Deus,o cidadão acredita que temos 14 de milhões de vagabundos...É duro...como diz o outro.Aí te pergunto:o que fazer diante de um quadro desse?As esquerdas ainda acreditam na falácia da conscientização,como se isso fosse simples.Vai lá então tentar mudar a cabeça de um indivíduo desses...é difícil..Desculpa o desabafo,mas precisava disso.Abraços.
    Rafael Araújo.

    ResponderExcluir