VER-O-FATO: RELATO DE ESTUPRO E IMPUNIDADE NA PRAÇA DA REPÚBLICA, BELÉM

segunda-feira, 31 de julho de 2017

RELATO DE ESTUPRO E IMPUNIDADE NA PRAÇA DA REPÚBLICA, BELÉM

Obras que nunca terminam na Praça da República, e haja insegurança

O relato a seguir é da senhora Natália Trindade em sua página no Facebook. Ela conta os momentos de tensão e sofrimento que viveu no sábado à noite, juntamente com amigos. Leia o que ela diz e avaliem em que situação de flagelo chegou a nossa segurança pública.


O Ver-o-Fato tomou conhecimento ontem do ocorrido, por um amigo fotógrafo, recomendando que os pais das vítimas fizessem um BO, mas parece que isto não ocorreu - ou se ocorreu não ficamos sabendo -, porque paira na população, assustada e acuada com tanta violência, a sensação de que é perda de tempo chamar a polícia.

No caso narrado, a própria Guarda Municipal, por seus integrantes que estavam na praça, teve um comportamento deprimente, vergonhoso, por nada fazer e ainda tirar graça com as vítimas. Eis o relato de Natália Trindade:

"Ontem (29), fui com uns amigos de carro para a Praça da República, ficamos parados com o carro ao lado do Teatro da Paz. O guarda do Teatro disse que estava tudo bem de ficarmos ali. Apesar da praça vazia pelo clima de chuva, estávamos numa parte mais tranquila do local.

Eis que decidimos ir embora e o pesadelo começa: o filho da minha amiga e a namorada sumiram. Passamos cerca de meia hora procurando por eles na praça, minha amiga à pé e o restante de nós de carro, dando voltas por lá e não conseguíamos encontrá-los.

Foi então que eles apareceram e soubemos da tragédia: os dois tinham ido sentar em um dos bancos da praça, próximo de onde os guardas municipais ficam, quando um vagabundo passou e os abordou com uma camisa enrolada na mão, simulando uma arma, e disse que era pra eles ficarem calados e os seguirem até um coreto em reforma ali pela praça mesmo.

A questão é que o homem roubou o celular do filho da minha amiga e o mandou tirar a roupa, perguntou se a namorada dele era virgem e tentou a todo custo penetrá-la, mas não conseguiu. Porém esfregou o órgão sexual nela.

Após eles conseguirem fugir, o marido da minha amiga foi tentar encontrar esse cara, mas encontrou um suspeito que do nada correu dele e foi se abrigar com os guardas municipais, que claramente se preocuparam mais com ele do que com o ocorrido com o casal.

Então começa a impunidade: um dos guardas começa a questionar o que a moça estava fazendo ali na praça; outro guarda vem dizer "ah, mas ela está muito calma, nem deve ter acontecido nada, ela deve estar mentindo", este último estava com uma arma na mão a todo momento.

A praça está toda mal acabada, a vagabundagem impera lá, os guardas ficam plenos ali no seu cantinho, sabendo de tudo o que acontece e não fazem nada, nenhuma ronda, não oferecem nenhum tipo de proteção ou amparo aos cidadãos e nós que somos culpados por sermos vítimas da violência?

Pra terminar esse texto, a moça já foi medicada, porém é um trauma que ela, o namorado, família e amigos presentes vamos carregar pro resto de nossas vidas.

BELÉM PEDE PAZ, BELÉM PEDE AJUDA URGENTE!"

2 comentários:

  1. Nós paraenses, estamos entregues à própria sorte. De um lado o governo Jatene deixando toda a população do estado do Pará em pânico, sem poder sair à noite e também nos finais de semana, não nos sentimos seguros, os assassinos debocham de nossa cara, quando não tiram nossas vidas, nos roubam, nos humilham, nos deixam traumatizados, por outro lado essa guarda municipal do Zenaldo, incompetente, despreparada, desqualificada e viciada. Só nos resta orar pra esse pesadelo passar. 2018 já está próximo.

    ResponderExcluir
  2. Os grandes culpados são os Magistrado que permitiram esses Governantes mesmos cassados ficarem no Poder.Com isso,a população sofre com as impunidades.Agora seria bom acontecer com as filhas dessas autoridades que só sabem se da bem com o dinheiro Publico..

    ResponderExcluir