segunda-feira, 12 de junho de 2017

POLÍCIA TEM VIDEO DE CHACINA NA CONDOR E JATENE COBRA PROVIDÊNCIAS DE CORONEL DA PM

A matança abalou, mais uma vez, os moradores de Belém
Pela primeira vez, câmeras de video filmaram uma chacina em Belém - a da última terça-feira, dia 5 passado no bairro da Condor, onde 5 pessoas foram mortas por grupos de extermínio e outras 14 saíram feridas. Com isso, os responsaveis pela investigação já tem pistas capazes de levar aos autores dessas matanças que tanto têm aterrorizado a população da região metropolitana de Belém. 

https://www.facebook.com/radionet.assistencia/
Uma fonte policial mostrou o vídeo a um jornalista do "Portal O EstadoNet", de Santarém, que ficou perplexo com o que viu. As imagens não deixam dúvidas de que as mortes foram planejadas, tamanha a logística da operação. Tudo foi feito sob a mais traquila sensação de impunidade. Veja a matéria distribuída pelo portal santareno, que já bateu mais de 300 mil acessos: 

"A Polícia Civil do Pará não tem mais dúvidas que a matança do dia 6 de junho, no bairro da Côndor, em Belém, foi executada por policiais militares, mas as investigações ainda não encontram respaldo do comando da PM, que reluta em admitir que as mortes de cinco pessoas e ferimentos em outras quatorze tenham sido executadas por integrantes da tropa. 

Um vídeo com 2 minutos e 34 segundos de duração, ao qual o Portal O EstadoNet, de Santarém, teve acesso, revela que as execuções foram bem planejadas e contou com a cobertura de seguranças, bloqueio da rua, e deslocamento de viaturas da PM que deveriam estar de prontidão naquele bairro da periferia de Belém.


As imagens estão em poder da cúpula de segurança do estado desde a semana passada e foram o motivo determinante para que o governador Simão Jatene recomendasse ao comandante da PM, coronel Hilton Benigno de Souza, que dê uma resposta rápida à sociedade sob pena do estado perder o comando sobre a tropa, se efetivamente a autoria da chacina tiver a participação de policiais militares.


No vídeo, um carro preto encosta no meio-fio, dele descem três homens encapuzados já abrindo fogo contra pessoas que se encontravam sentadas ao redor de mesas colocadas sobre a calçada. Os disparos se sucedem, pessoas tombam, outras correm e se atiram no chão. Neste momento, dois homens a pé, vindos do outro lado da rua, se aproximam do veículo, montando retaguarda. Os disparos continuam.


Na sequência, chega um segundo carro que provavelmente foi usado no bloqueio da rua. Atiradores, homens vestindo roupa preta e encapuzados, ocultando os rostos, talvez por serem conhecidos na área, embarcam em seu porta-malas. Os seguranças continuam rondando o local. Um terceiro veículo se aproxima. Após 2 minutos e 15 segundos do início das execuções, os veículos deixam o local em arrancada. Os seguranças desaparecem do alcance da câmera que filmou a matança. 


Viaturas saíram antes

Segundo já observou o jornalista Lúcio Flávio Pinto, as características da matança do dia 6 chegam a ser desconsertantes. “Foi uma ação planejada. Era do conhecimento. Quem a concebeu ou dela participou sabia que aquele determinado grupo de amigos se reuniria naquele bar, no bairro da Condor, para assistir pela televisão o jogo do Paissandu. Esse era o alvo. O principal – ou único – seria Ricardo Botelho, mestre de bateria do Rancho Não Posso Me Amofiná, a escola de samba do Jurunas?”.


A fonte do Portal O EstadoNet que exibiu para a reportagem as imagens da matança, sob condição de anonimato, acrescentou outra informação explosiva. As duas viaturas da PM que deveriam estar estacionadas às proximidades daquela área deixaram seus locais de estacionamento minutos antes das execuções. Segundo a fonte, a Policia Civil já dispõe das informações do GPS das viaturas para comprovar a movimentação dos veículos naquela noite.


Ainda segundo a fonte, já foram mapeadas a atuação de, pelo menos,  três grupos de extermínio formados por policiais militares que atuam na grande Belém, com divisão de área de ação e motivação para execuções de suspeitos de cometerem crimes ou em retaliação à morte de PM's, em confronto ou não. 

“Temos que acabar com essas execuções promovidas por agentes do estado, sob pena que nós mesmos sejamos os próximos alvos”, resumiu o interlocutor, o que mostra a tensão que reina entre os membros da cúpula da segurança pública do estado do Pará."

Um comentário:

  1. Agora que o governador cobra providências? Desde 2014 vem ocorrendo chacinas no Pará e agora Jatene cobra providências? Quantas vidas já se foram e agora que cobra providências? Esse governo do Pará está um caos. Sem Segurança pública, sem educação, falta de água todos os meses, estradas interrompidas, cheias de buracos, SEMMA com suas licenças graciosas, obras que não terminam, saúde um caos...já passou do tempo desse governo tomar providências, alias, poderia sim tomar providências, entregar o cargo para quem possa governar com garra e determinação, assim podemos respirar e ele pode pescar despreocupado.

    ResponderExcluir