INSCREVA-SE EM NOSSO CANAL

Linha de Tiro - 19/04/2018

sexta-feira, 23 de junho de 2017

NORUEGA PUXA ORELHA DE TEMER, MAS CALA-SE SOBRE CRIMES AMBIENTAIS E SOCIAIS DA NORSK HYDRO NO PARÁ

Hydro Alunorte e Albrás: lucros e degradação
Impressiona, mas não causa estranheza, a postura acuada, com o rabo entre as pernas, do governo de Michel Temer diante da forte pressão e corte em 50% dos investimentos do governo da Noruega no Brasil para ações de preservação da Amazônia. Pior do que isso: Temer ouviu calado, sem reagir, que a Noruega reduzirá a zero os investimentos na Amazônia caso o governo não enfrente o desmatamento na região. 

A Noruega é a maior doadora do Fundo Amazônia, instituído em 2008 para captar recursos para ações de prevenção, monitoramento e combate ao desmatamento e para promover o uso sustentável da floresta. É claro que essa ajuda é benvinda e a preocupação dos capitalistas noruegueses com as agressões diárias ao meio ambiente amazônico é algo comovente. 

Afinal, a Noruega já tirou de seus cofres R$ 2,8 bilhões, valor mais de 45 vezes maior que o da segunda colocada na lista de ajuda, a Alemanha, com R$ 60,7 milhões, de acordo com dados disponíveis no site do Fundo da Amazônia. O último aporte norueguês, realizado em dezembro de 2016, foi de R$ 330 milhões.

Por outro lado, há um certo cinismo, escondido em fato gravíssimo, que compromete diretamente o governo da Noruega: o exemplo de preservação e respeito à Amazônia, que aquele país nórdico cobra do Brasil, uma grande empresa da própria Noruega, implantada no coração do Pará, a Norsk Hydro, não é cumprido por ela. Pelo contrário, há denúncias de total desprezo ao solo, aos rios - responde a 15 processos por crimes ambientais - e ao povo de Barcarena, a 25 km de Belém, onde mantém seus lucrativos negócios. 

Solitariamente, o Ver-o-Fato já mostrou numa série de matérias como o poder exercido pela Hydro junto aos governos estadual e federal - sob o discurso hipócrita de produzir progresso, desenvolvimento, emprego, renda e bem estar para a população de Barcarena - tem deixado um rastro de degradação social e ambiental sob as bençãos de completa impunidade pelas autoridades brasileiras.  

Vamos a um resumo dessas reportagens - que podem ser baixadas na íntegra nos arquivos do Ver-o-Fato: a Hydro comprou e hoje é dona da refinaria Alunorte, atualmente sob o nome Hydro Alunorte, a maior do mundo em alumina. Ela transforma a bauxita, um mineral abundante na Amazônia, em alumina. A Hydro, para quem não sabe, tem na sua composição acionária 34,3% do Estado norueguês, 6,81% do Fundo de Pensão do Governo da Noruega, além de diversas empresas transnacionais financeiras. 

Mas não é só isto: a Hydro  também detém a maioria do capital da vizinha  Albrás – Alumínio Brasileiro S.A., que transforma a alumina da Alunorte em alumínio. A Hydro possui 51% das ações, contra 49% do consórcio japonês NAAC – Nippon Amazon Aluminum Co.Ltd. Ou seja, para expandir sua planta de produção e ao mesmo tempo armazenar o perigoso rejeito do alumínio, a norueguesa precisa de terras. 

E o que ela fez? Desde 2010, a Hydro vem expulsando famílias de diversas comunidades para ficar com as terras. Isso já ocorreu com 700 pessoas da comunidade Jesus de Nazaré e com outras de comunidades tradicionais como  Tauá, Japiim, Arienga Santa Rosa, São Sebastião e área do trevo do Peteca. Elas deixaram as terras, chamadas até de "marginais" pela empresa, e ingressaram na justiça, mas até agora o mérito da causa não foi julgado. 

A estória é longa e para entendê-la basta ler a série de matérias arquivadas no blogue. Para resumir: no dia 10 de abril passado, líderes das comunidades expulsas das terras pela Hydro estiveram em Brasília e durante duas horas mantiveram reunião com Aud Marit Wiig, embaixadora da Noruega no Brasil. Eles entregaram a ela um dossiê, relatando a postura da empresa.
 
A embaixadora da Noruega (centro) prometeu dar "conselho" à Hydro

Para surpresa de todos, porém, após tomar conhecimento das denúncias contra a Hydro, a embaixadora limitou-se a dizer que apenas daria "um conselho" à Hydro, pois não tinha mandato para negociar em nome da empresa ou para exercer um papel mediador. Aud Marit Wiig ouviu dos comunitários de Barcarena que o caso seria levado "às cortes internacionais, inclusive à ONU". Deu de ombros.

Vamos e venhamos, é muito fácil para o governo da Noruega, sócio da Hydro em seus negócios do Pará, fechar o caixa anualmente e conferir polpudos lucros por explorar nossas riquezas, embora deixando  pegadas visíveis de agressão ao povo e à natureza, poluindo rios e igarapés de Barcarena, enquanto se arvora ao papel de moralista das causas ambientais e protetor da Amazônia. 

A Noruega, como se vê, pratica um moralismo ambiental de cuecas, deixando o bumbum de fora. Fala muito e nem sempre cumpre o que prega para o mundo. A Norsk Hydro está aí para provar isso.  É como diz um trecho da letra de "Stay On These Roads", da cultuada banda de rock A-Ha, que por sinal é norueguesa e, dizem as más línguas, seria sócia da Hydro por estas bandas tupiniquins:

Cause I've been told ( porque me disseram)
Stay on these roads   ( permaneça nestas estradas)
We shall meet           ( nós nos encontraremos)
I know                     ( eu sei )



Nenhum comentário:

Postar um comentário