quarta-feira, 28 de junho de 2017

EM VÍDEO, LÍDER COMUNITÁRIO E ADVOGADO NARRAM AS BARBARIDADES DA HYDRO EM BARCARENA

 


Nesta entrevista que você pode ver e ouvir acima, um dos líderes das comunidades de Barcarena e o advogado que defende as famílias expulsas da área narram como o poder exercido pela multinacional Norsk Hydro no Pará está servindo para a prática de intimidações e abuso de poder contra populações tradicionais.

"O devido processo legal foi totalmente atropelado. Lanço aqui uma dúvida sofre a forma como foi feita essa venda das terras pela Companhia de Desenvolvimento de Barcarena (CDI) para a empresa Vale, que depois repassou as terras para a Hydro. Teria que haver um processo licitatório, que infelizmente não houve", diz o advogado Walmir Santos. Nas terras, a Hydro ergue sua nova planta de alumínio.

Ele conta que moradores das comunidades foram retirados à força, presos, espancados e chamados de "marginais e aproveitadores" pela Hydro. " Há um contrasenso do governo da Noruega, que convalida todas essas fraudes, ao cobrar alguma coisa do Brasil", assinala Santos.

José Araújo, um dos líderes dos moradores, relata que as 150 famílias expulsas pela Hydro tiveram de ser acolhidas por parentes, porque não tinham para onde ir depois que a empresa norueguesa obteve liminares de reintegração de posse da Justiça sem que o processo em que elas cobram indenização pelas benfeitorias e pelo valor da terra nua tenha até hoje o mérito julgado. 

Tanto Araújo como Santos acusam o Instituto de Terras do Pará (Iterpa) estar fazendo o jogo da Hydro, deferindo tudo o que a empresa pede, inclusive agilizando processos dela. "Um dos maiores responsáveis pelos conflitos  entre as comunidades e as grandes indústrias que se instalam em Barcarena chama-se Iterpa", afirmou Araújo, exibindo no vídeo inúmeros ofícios de pequenas comunidades para regularização de áreas e imissão de títulos que não são sequer respondidos pelo órgão fundiário.

Mas há coisas mais graves envolvendo agentes e órgãos públicos. A Justiça precisa dar respostas sobre a demora em reparar os prejuízos sociais e morais sofridos pelas famílias, para não ficar a impressão de que ela está ao lado dos poderosos da Noruega. 

Confira tudo no vídeo. 

Um comentário:

  1. Pior do que a arrogância e prepotência da empresa Hydro, é a do Governo da Noruega! Acham que estão comprando o território brasileiro. Por hora, levam vantagem, porque negociam sua instalação, com políticos e órgãos corruptos como ITERPA e CDI, hoje CODEC. Falta coragem e vergonha na cara da justiça brasileira, pra coibir os abusos, da Vale, da Hydro, do Iterpa, da CDI, e principalmente, do Governo da Noruega. Juízes brasileiros tem que agirem, garantindo o direito aquele que tem! Agora, só porque a Noruega, dá dinheiro pra combater o desmatamento na Amazônia, vem ministro da Noruega, primeira ministra de Noruega, e sabe lá que diabo mais da Noruega, deitar e rolar... A Noruega tem é que parar de enganar o mundo, com esse papo de país responsável, enquanto age desmatamento e expulsando morador tradicional de suas moradias, pra construir suas fábricas poluidoras. Virar colônia uma hora dessas... Alô! Aê! Um juiz macho ou fêmea aí, tanto faz, pra enquadrar esse pessoal. Não tem lei pra coibir o abuso desse povo? Compraram tudo? A Noruega compra o político safado que faz vista grossa para os abusos dela ao povo brasileiro, como ela tá fazendo em Barcarena, no norte do Brasil? Então ela pode levar pra Noruega o político safado que ela tá comprando, cacete! Mas tanto o rei Harald V, a primeira-ministra Erna Solberg, a embaixadora no Brasil, Aud Marit Wig, e a Hydro - Respeitem! Não é porque as nossas autoridades não se dão respeito, que vcs vão defecar na cabeça do brasileiro, não! Se manquem! Quem quer respeito, respeita! Vamos pedir em setembro na reunião de cúpula da ONU, a saída da Noruega, como promotora dos 17 objetivos de desenvolvimento sustentável, por descumprir as normas de combate às injustiças e de direitos humanos, e pela agressão ao meio ambiente! É compromisso!

    ResponderExcluir