segunda-feira, 19 de junho de 2017

DEPUTADO NILSON PINTO USA VERBA DE GABINETE PARA FRETAR AVIÃO E FAZER CAMPANHA DE ALIADOS, DIZ REPORTAGEM



O deputado federal Nilson Pinto de Oliveira, do PSDB do Pará - aliás, o mesmo que em dezembro de 2011 fechou o Hangar Centro de Convenções e nele realizou um casamento milionário com uma servidora pública, gastando, segundo alguns colunistas sociais de Belém, mais de R$ 1,5 milhão - não se considera no dever de prestar contas do que recebe da chamada verba indenizatória da Câmara dos Deputados.

Essa verba, conhecida pela sigla CEAP - Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar - deve ser gasta, com direito a ressarcimento, exclusivamente no exercício da atividade do deputado ou senador. Segundo o site Operação Política Supervisionada (OPS), uma Ong de voluntários que vive de doações para fiscalizar os políticos, trata-se de um recurso público disponível mensalmente aos deputados e senadores para o custeio de suas atividades parlamentares.

"Apesar de ser dinheiro público, fato que já implicaria no seu enquadramento à Lei Nº 8.666, o uso da verba dispensa qualquer tipo de burocracia exigida pela lei de licitações, dando ao deputado e ao senador a livre escolha da empresa a ser contratada para fornecimento do produto ou serviço", diz Lúcio Big, coordenador da entidade.

Não é raro, observa ele, encontrar irregularidades escandalosas, como locações de veículos feitas em padarias ou cópias de trabalhos escolares transformados em "pareceres jurídicos" generosamente pagos com o dinheiro do contribuinte.

Pinto fugiu e mandou "checar fontes"

No caso do deputado Nilson Pinto, segundo matéria de hoje do jornal televisivo "Bom Dia Brasil", da Rede Globo, ele teria usado a verba do gabinete para praticar desvio de finalidade, como fizeram outros deputado mostrados na reportagem (acima). O parlamentar tucano fretou por R$ 10 mil um avião da Stilus Taxi Aéreo Ltda para fazer campanha de aliados em Mocajuba e Baião, nos dias 10 e 11 de setembro do ano passado.

Pinto mandou o repórter da Globo "checar suas fontes" e fugiu dos questionamentos. Desde 2007, o deputado já gastou mais de R$ 500 mil em fretes junto à empresa  Stilus Taxi Aéreo.

Quantos desses voos foram efetivamente para ações de seu mandato?

Com a palavra, Nilson Pinto de Oliveira. 



2 comentários:

  1. Até quando o povo paraense vai votar nesses políticos que não tem nenhum compromisso com o dinheiro público, com o cidadão que paga seus impostos querendo retorno de serviços públicos de qualidade? Sangrou a secretaria de educação, faliu o ensino público e o pior, o governador Jatene que se considera honesto, nada fez para punir esses corruptos.

    ResponderExcluir
  2. Esses políticos, indistintamente, sao os verdadeiros vampiros do dinheiro publico

    ResponderExcluir