VER-O-FATO: BRIGA SINDICAL: SINDSAÚDE ACUSA SINTESP DE IMPEDIR SERVIDORES EM ASSEMBLEIA GERAL

sexta-feira, 23 de junho de 2017

BRIGA SINDICAL: SINDSAÚDE ACUSA SINTESP DE IMPEDIR SERVIDORES EM ASSEMBLEIA GERAL

Cerca de 200 servidores públicos municipais de saúde foram impedidos de participar da assembleia geral convocada ontem pelo Sintesp - Sindicato dos Trabalhadores em Saúde Pública do Estado do Pará – para ser realizada na sede da entidade, na Travessa Angustura, no Marco, segundo denúncia enviada ao Ver-o-Fato pelo Sindsaúde - Sindicato dos Trabalhadores em Saúde no Estado do Pará.

Filiado à Força Sindical, o Sintesp pretendia aprovar o desmembramento do sindicato e implantar seções municipais no Estado para representar os servidores públicos municipais de saúde. Por lei, o Sintesp está autorizado a representar apenas os servidores federais de saúde. Ocorre que a representação dos servidores municipais de saúde é exclusiva do Sindsaúde.
A representatividade dos servidores públicos de saúde estaduais e municipais foi outorgada ao Sindsaúde pelo Ministério do Trabalho, através do processo nº 46222.009310/2012, em certidão assinada pelo ministro Miguel Rossetto e pelo secretário de Relações do Trabalho, Manoel Messias Melo, no dia 27 de maio de 2016, mesma data em que foi expedida a Carta Sindical ao Sindsaúde. Na ocasião, a decisão foi registrada no Cadastro Nacional de Entidades sindicais (CNES).

O Sintesp não se conformou com a decisão do Ministério do Trabalho e, como agora a Força Sindical está ligada ao governo Temer, tentou atropelar a lei, convocando, em 2 de maio último, uma assembleia geral para esta quinta-feira (22). Ao saberem da convocação, cerca de 200 servidores municipais de saúde se deslocaram à sede do Sintesp para participar da assembleia.
A direção do Sintesp não esperava a presença dos servidores e em um ato arbitrário, simplesmente não permitiu que eles entrassem, sem dar maiores explicações. A Coordenação Jurídica do Sindsaúde, através dos advogados Waldir Barreto e Solange Rodrigues, procurou o cartorário escalado para o evento e registrou os fatos na Ata Notarial para tomar as providências cabíveis contra a tentativa de fraude.
"Não aceitaremos golpe“
São décadas de lutas pela valorização dos servidores públicos de saúde, com representatividade legítima outorgada pelo Ministério e agora fomos surpreendidos com essa tentativa de golpe praticada pelo Sintesp, com apoio da Força Sindical, ligada ao governo golpista de Michel Temer. Não aceitaremos esse golpe, vamos fazer valer nosso direitos”, destacou a sindicalista Miriam Oliveira, coordenadora de Política Sindical do Sindsaúde.
Em frente à sede do Sintesp, os servidores barrados fizeram uma manifestação portando cartazes e gritando palavras de ordens contra a arbitrariedade. O Ver-o-Fato não conseguiu contato com o Sintesp para ouvir a versão da entidade, mas está aberto ao contraditório e à ampla defesa.

Um comentário:

  1. Só para lembrar o Prefeito de Belém,estar cantando vitoria através dos seus DASs,eles já sabem que o mesmo vai ficar os quatro anos,agora näo pergunte o por que,tem boatos que todos os chefes concursados que era DAS do tempo do Ex-Prefeito Edmilson vai sair,com essa saída,acredito que vai ter delataçäo futuramente

    ResponderExcluir